Exonerado por Bolsonaro, Vélez afirma que entrega a 'casa em ordem'

'Entendi que estamos entregando algo que está construido e em andamento', declarou Vélez

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/04/2019 20:58

Marcelo Camargo/Agência Brasil


Durante cerimônia de transmissão de cargo no final da noite desta terça-feira (9/4), Vélez Rodrigues, exonerado por Bolsonaro afirmou ser ‘uma honra entregar a gestão, pois o novo ministro encontrará a casa em ordem, funcionando a contento’. 

“Quando o presidente me falou que chegou ao fim minha missão, não fiquei triste, entendi que foi cumprida. Entendi que estamos entregando algo que está construido e em andamento”. Ele ainda brincou dizendo que nos últimos três meses ‘engordou cinco quilos’ por conta do restaurante comunitário da pasta. O Correio perguntou a Vélez se ele tem planos de ocupar outros cargos, mas ele se limitou a dizer que, por enquanto, tirará um tempo para descansar.

Já Abraham Weintraub, o novo ministro da pasta do Ministério da Educação (MEC) que também tomou posse na tarde desta terça-feira (9/4) em sessão solene, afirmou que está aberto ao diálogo e que a proposta para a pasta é de pacificação. O orçamento previsto é de R$ 120 bilhões.

Weintraub elogiou Vélez e voltou a repetir o que havia dito mais cedo na posse. “O presidente Bolsonaro indicou 22 ministros. Ele escalou 22 bons jogadores.Dois times de futebol completos. E, às vezes, quando tem dois times de futebol completos, um bom jogador sofre uma contusão ou dadas as circunstâncias do jogo, não consegue conduzir do jeito que era necessário. Mas a saída dele não quer dizer que ele jogou mal ou é um mal jogador. Significa que, naquele momento, o time precisou ser modificado para que o jogo fosse ganho. Ele é um intelectual capaz, um homem inteligente e continuamos com as portas abertas”., afirmou.

O novo líder da educação ainda foi enfático ao dizer que quem não se adaptar, será automaticamente exonerado da pasta. 

“A gente vai pacificar o MEC. Estamos decretando que o MEC tem um rumo, uma direção e quem não estiver satisfeito com ela, por favor, avise, que será retirado”, disparou.

Durante a substituição da placa, Vélez confidenciou a Weintraub que foi o ministro que menos tempo havia ficado na pasta. Weintraub por sua vez, apontou para a foto de Cid Gomes, ex-ministro da Educação no segundo governo de Dilma Rousseff, em 2015. E disse: “Na verdade, foi ele quem ocupou menos tempo”, brincou.