Publicidade

Correio Braziliense

Confira dicas para economizar na hora da compra do material escolar

Educador financeiro indica estratégias de economia, Procon alerta sobre cobranças abusivas e pais e estudantes contam o que fazem para reduzir os gastos


postado em 08/01/2020 19:49 / atualizado em 10/01/2020 17:26

Todo começo de ano é a mesma correria atrás dos materiais escolares pedidos pelas escolas. Entretanto, não é tarefa fácil equilibrar o orçamento com essa despesa extra, ao mesmo tempo em que chegam contas de IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores), matrícula de colégio, cartão de crédito…Para quem extrapolou nas compras de fim de ano, fica ainda mais complicado.
 
Na Papelaria ABC, o movimento de pais em busca de material escolar ainda não é tão grande neste início de mês(foto: Nícolas Braga/Esp. CB/D.A Press)
Na Papelaria ABC, o movimento de pais em busca de material escolar ainda não é tão grande neste início de mês (foto: Nícolas Braga/Esp. CB/D.A Press)
 
Os gastos com material escolar não costumam sair baratos, mas devem aumentar. Segundo o Sindicato do Comércio Varejista de Material de Escritório, Papelaria e Livraria do Distrito Federal (Sindipel-DF), houve reajuste de 3% a 3,5% nos produtos nacionais lançados em julho de 2019. Agora, os preços devem ser atualizados novamente. O aumento deve ficar entre 5% e 8%. 

No entanto, os valores só devem ser acertados novamente quando o estoque do ano passado que ainda está nas prateleiras acabar. Portanto, levam vantagem pais e alunos que optarem por antecipar as compras. Em relação aos livros, ainda não foi anunciado se haverá reajuste ou não. A dica do presidente do Sindipel-DF, José Aparecido da Costa, é comprar ainda na primeira quinzena de janeiro porque o movimento é menor e os preços estão mais em conta. 

“Cerca de 60% dos pais deixam para comprar na segunda quinzena de janeiro. É aquela história: o brasileiro deixa tudo para a última hora”, reflete. Além de antecipar as compras para economizar, há outros caminhos para isso. A boa notícia é que são várias as estratégias que permitem poupar e até fugir de cobranças indevidas dos colégios. O Eu, Estudante reuniu orientações para você gastar menos e não ser passado para trás. Confira!

Estratégias na prática

André Cordeiro já visitou três papelarias em busca de melhores preços (foto: Nícolas Braga/Esp. CB/D.A Press)
André Cordeiro já visitou três papelarias em busca de melhores preços (foto: Nícolas Braga/Esp. CB/D.A Press)
 

Uns optam por pesquisar na internet, outros preferem ir à loja física para fazer o orçamento pessoalmente. Esse é o caso do autônomo André Cardoso, pai de duas crianças de 4 e de 7 anos. Ele conta que já fez o cálculo em três papelarias e vai pesquisar em mais duas. Comparar, por sinal, compensa. “Já percebi diferença: vi um mesmo produto até pela metade do preço que estava em outro lugar”, conta.
 
Giselly Glads sempre conversa com a filha em casa sobre a importância de economizar(foto: Nícolas Braga/Esp. CB/D.A Press)
Giselly Glads sempre conversa com a filha em casa sobre a importância de economizar (foto: Nícolas Braga/Esp. CB/D.A Press)
 
Giselly Glads, mãe de uma criança de 6 anos, diz que percebeu uma diferença considerável nos preços este ano. Pesquisando, viu muita variação nos valores entre um estabelecimento e outro. “Os livros, em geral, estão mais baratos, mas, com relação ao restante dos itens de papelaria, tem que pesquisar mesmo. Não dá para comprar a lista inteira em um só lugar, não”, afirma.
 
As amigas Sofia Finco Antunes (esquerda) e Sofia Rodrigues (direita) durante compra de material escolar (foto: Nícolas Braga/Esp. CB/D.A Press)
As amigas Sofia Finco Antunes (esquerda) e Sofia Rodrigues (direita) durante compra de material escolar (foto: Nícolas Braga/Esp. CB/D.A Press)
 
Outra boa forma de economizar é reutilizar materiais dos anos anteriores. Por exemplo, mochila e estojo são itens que, se estiverem conservados, não precisam ser trocados anualmente. A criatividade também vale ouro na hora de escolher os materiais. A jornalista Silvia Pacheco, 44 anos, aposta em customizar o material da filha, Sofia Rodrigues, 16 anos. “Eu falo para a minha filha customizar a capa, que é mais interessante. Assim, ela compra um caderno mais simples e personaliza com fotos dela e dos amigos”, diz. 

Silvia deixa a responsabilidade de pesquisar os melhores preços com Sofia. A mãe também ensina a adolescente a economizar e reutilizar materiais escolares. Os ensinamentos passados de mãe para filha já estão sendo colocados em prática. Sofia conta que compra apenas o necessário. “Eu uso a mesma mochila e o mesmo estojo desde que entrei no ensino fundamental. Não acho que tem necessidade de comprar outros. Compro apenas o essencial: lápis, borracha, caneta e caderno”, elenca a jovem que cursará o 2º ano do ensino médio em 2020.
 
William Alves de Sousa, gerente da papelaria ABC, relata que os pais pedem mais descontos nos materiais de uso coletivo do que nos de uso individual(foto: Nícolas Braga/Esp. CB/D.A Press)
William Alves de Sousa, gerente da papelaria ABC, relata que os pais pedem mais descontos nos materiais de uso coletivo do que nos de uso individual (foto: Nícolas Braga/Esp. CB/D.A Press)
 
Inflação em alta, grandes números de desemprego e, em geral, crise. Tudo isso tem forçado pais e mães a apertarem os cintos na hora de selecionar materiais escolares. Talvez por isso donos de papelarias percebam diminuição nos ganhos. William Alves, 35 anos, é gerente da Papelaria ABC, localizada no SIG (Setor de Indústrias Gráficas). 

Mesmo com o aumento da procura por livros didáticos, cadernos, mochilas e estojos, houve uma queda geral em comparação com o ano passado. “Sentimos uma baixa nas vendas. Provavelmente a diminuição fica entre 15% e 20%”, avalia. Em relação ao preço dos livros didáticos, William diz que não houve muita diferença já que o valor é tabelado.

Aprenda com quem sabe

Reinaldo Domingos, educador financeiro:
Reinaldo Domingos, educador financeiro: "Não compre no primeiro lugar, faça pelo menos três pesquisas presenciais e também na internet" (foto: Nícolas Braga/Esp. CB/D.A Press)
 

Para o doutor em educação financeira pela Florida Christian University Reinaldo Domingos, o melhor caminho para economizar é fazer orçamento em várias papelarias, pedir descontos e, principalmente, analisar o que realmente precisa comprar. “Busque em casa aqueles materiais que podem ser reaproveitados, incluindo cadernos, lapiseiras e mochilas”, aconselha. 

Essa busca pode reduzir bastante o total de itens que será de fato adquirido. Antes de ir às compras, é preciso se planejar financeiramente para saber exatamente a quantia disponível para fazer as compras. “Faça uma cotação dos preços e depois veja se você tem esse dinheiro disponível no seu orçamento”, indica Reinaldo, presidente da Associação Brasileira de educadores financeiros (Abefin). 

Caso o orçamento esteja apertado, você pode analisar, junto à secretaria da escola, o que o estudante utilizará no primeiro semestre para comprar apenas o essencial. Mais tarde, dá para comprar o que será preciso para o segundo semestre. “Você pode diminuir e comprar só o necessário para que o aluno comece o ano letivo. É preciso adequar as compras à sua realidade financeira”, observa. 

Outros caminhos para poupar

A troca de materiais familiares e amigos também é uma opção para diminuir a lista. A estudante Sofia Finco, 16 anos, diz que repassa mochila e livros para a prima, dois anos mais nova. “Assim, ela só compra os livros que a escola muda para a edição nova.” A internet também é uma ótima aliada na hora de pechinchar. 
 
Em geral, os pais deixam para comprar de última hora e sofrem com preços mais altos(foto: Nícolas Braga/Esp. CB/D.A Press)
Em geral, os pais deixam para comprar de última hora e sofrem com preços mais altos (foto: Nícolas Braga/Esp. CB/D.A Press)
 
Em sites de lojas de departamento, livrarias e papelarias, é possível utilizar cupons de descontos e aproveitar promoções — o abatimento pode chegar a até 80%. Para baratear ainda mais o custo, a compra coletiva é outra solução: nesse caso, um grupo de pais se junta para fazer o pedido em conjunto. Em várias empresas, a compra em atacado sai por um valor menor. Algumas lojas virtuais fazem desconto progressivo: quanto mais itens forem comprados, maior será o desconto. 

Às vezes, o frete é grátis para grandes compras. Porém é necessário ficar atento ao prazo de entrega que, em lojas estrangeiras, costuma ser bem maior. Quando o assunto são os livros, há escolas que promovem trocas entre alunos de diferentes séries. Sebos também são outra alternativa para achar as obras didáticas com preço mais em conta.

Fique atento

Desde 2013, está em vigor a Lei Federal nº 12.886. Essa norma proíbe que as escolas cobrem dos pais taxas ou o fornecimento de itens de uso coletivo nas listas de materiais, tais como: papel higiênico, sabonete, esponja para pratos e sacos plásticos. Os colégios também não podem exigir que os produtos sejam de determinada marca nem que sejam comprados numa papelaria específica. 

Caso veja uma cobrança abusiva na lista de material, o consumidor pode fazer a denúncia no site do Procon-DF Instituto de Defesa do Consumidor. Contatado pela reportagem, o Procon-DF afirmou, em nota, que ainda não registrou nenhuma ocorrência de preços abusivos em papelarias e nem de pedidos desnecessários das listas este ano. No entanto, diversos pais relatam ter encontrado pedidos polêmicos na lista de material escolar.
 
Em julho do ano passado, produtos nacionais de papelaria sofreram reajuste de até 3,5% e, este ano, está previsto aumento de até 8%(foto: Nícolas Braga/Esp. CB/D.A Press)
Em julho do ano passado, produtos nacionais de papelaria sofreram reajuste de até 3,5% e, este ano, está previsto aumento de até 8% (foto: Nícolas Braga/Esp. CB/D.A Press)
 
No grupo Mães de Planaltina no Facebook, várias integrantes compartilharam fotos dos pedidos feitos pelas escolas. Chama a atenção o fato de diversas instituições de ensino, sejam públicas, sejam particulares, requisitarem itens considerados abusivos — tanto por serem pedidos em quantidades muito altas, quanto por serem de marcas específicas e ainda por serem de uso coletivo.

Algumas escolas do DF, por exemplo, requerem a compra de quatro borrachas,quatro caixas de massa de modelar grande e quatro caixas de lápis de cor de determinada marca. O pedido é inusual, já que dificilmente um aluno usará toda essa quantidade em um único ano. Para além disso, a cobrança de marca é considerada abusiva. 

Nas listas compartilhadas no grupo de mães, é possível ver ainda outros produtos proibidos pelo Procon-DF, incluindo pincel atômico, marcador para retroprojetor, rolos de fita adesiva, novelo de lã, entre outros. Veja abaixo fotos de listas de material escolar compartilhadas no grupo Mães de Planaltina:
 

Confira aqui a lista de materiais considerados abusivos pelo Procon-DF:

  • Álcool hidrogenado;
  • Álcool Gel;
  • Algodão;
  • Agenda escolar da Instituição de ensino;
  • Bolas de sopro;
  • Balões;
  • Canetas para quadro branco;
  • Canetas para quadro magnético;
  • Clips;
  • Copos, pratos, talheres e lenços descartáveis;
  • Elastex;
  • Esponja para pratos;
  • Fita para impressora;
  • Giz branco;
  • Giz colorido;
  • Grampeador;
  • Grampos;
  • Lã;
  • Marcador para retroprojetor;
  • Medicamentos ou materiais de primeiros socorros;
  • Material de limpeza em geral;
  • Papel higiênico;
  • Papel convite;
  • Papel ofício;
  • Papel para copiadora;
  • Papel para enrolar balas;
  • Papel para impressoras;
  • Papel para flipchart;
  • Pastas classificadoras;
  • Pasta de dentes;
  • Pincel atômico;
  • Pregador de roupas;
  • Plástico para classificador;
  • Rolo de fita adesiva kraft;
  • Rolo de fita dupla face;
  • Rolo de fita durex;
  • Rolo de fita durex colorida grande;
  • Rolo de fita gomada;
  • Rolo de fita scolt;
  • Sabonete;
  • Saboneteira;
  • Sacos de presente;
  • Sacos plásticos;
  • Xampu;
  • Tinta para impressora;
  • Tonner.

Orientação do Inmetro

O Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) controla o padrão de segurança de 25 produtos de material escolar. Para esses itens, a recomendação é que os pais procurem aqueles com o selo do Inmetro na hora da compra. 

Outra orientação do órgão é não buscar material no mercado informal, pois não há garantia de o que é vendido por fora tenha qualidade nem de que não ofereça risco à saúde — por exemplo, por meio de substâncias tóxicas que podem contaminar crianças e adolescentes se levadas à boca, ingeridas ou inaladas, ou ainda por causa de bordas cortantes ou pontas perigosas. 

Por fim, outro conselho do Inmetro é procurar produtos recomendados para a faixa etária do aluno. Para caso o produto comprado apresente problemas, é importante guardar a nota fiscal, único meio que garantirá a troca.

Em caso de algum acidente com produto de material escolar, deve-se denunciar ao Sistema Inmetro de Monitoramento de Acidentes de Consumo (Sinmac). Quem encontrar produtos sem o selo do Inmetro sendo vendidos também pode denunciar pela ouvidoria do órgão pelo telefone 0800-285-1818, de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h, ou no site.

Veja a lista dos 25 produtos de material escolar que são regulamentados pelo Inmetro e devem apresentar o selo da instituição:

1• Apontador;
2• Borracha e Ponteira de borracha;
3• Caneta esferográfica/roller/gel;
4• Caneta hidrográfica (hidrocor);
5• Giz de cera;
6• Lápis (preto ou grafite);
7• Lápis de cor;
8• Lapiseira;
9• Marcador de texto;
10• Cola (líquida ou sólida);
11• Corretor adesivo;
12• Corretor em tinta;
13• Compasso;
14• Curva francesa;
15• Esquadro;
16• Normógrafo;
17• Régua;
18• Transferidor;
19• Estojo;
20• Massa de modelar;
21• Massa plástica;
22• Merendeira / lancheira com ou sem seus acessórios;
23• Pasta com aba elástica;
24• Tesoura de ponta redonda;
25• Tinta (guache, nanquim, pintura a dedo plástica, aquarela).

Cartão Material Escolar

O programa Cartão Material Escolar é destinado a alunos da rede pública da educação infantil e dos ensinos fundamental e médio que participam do programa do Governo Federal Bolsa Família. Este ano, o GDF destinou R$ 30 milhões para o programa, 60% a mais que ano passado. Devem ser atendidos cerca de 70 mil estudantes. 

Alunos do ensino especial e fundamental receberão R$ 320; e os alunos do ensino médio receberão R$ 240, para a compra de materiais escolares em papelarias cadastradas. É disponibilizado apenas um cartão por família, que concentra valores referentes a cada um dos estudantes. O cartão é emitido pelo Banco de Brasília (BRB) e entregue na escola do estudante mais novo da família. Para saber se você tem direito ao cartão, ligue no número 152, aperte a opção 2 e digite seu CPF. Também é possível fazer a consulta pelo site

As papelarias têm até sexta-feira (10/1) para fazer o credenciamento para participar e poder vender produtos a beneficiários do cartão. O cadastro deve ser feito na sede do Simplifica  na QI 19, Lotes 28/32, Setor de Indústrias, Taguatinga. O horário de atendimento é das 8h às 17h30. Podem se cadastrar lojas que tenham CNPJ válido e classificação da atividade econômica de comércio varejista para artigos de papelaria atualizada, além de estar adimplentes com as obrigações fiscais, trabalhistas e previdenciárias.
 

*Estagiária sob supervisão da subeditora Ana Paula Lisboa

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade

MAIS NOTÍCIAS

publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
Renapsi oferece 58 vagas de jovem aprendiz 17:02 - 05/04/2020 - Compartilhe

Renapsi oferece 58 vagas de jovem aprendiz

publicidade
publicidade