Ensino_EducacaoBasica

Escolas encenam peças de teatro para evitar a contaminação do coronavírus

As aulas de história e de redação também estão sendo usadas para ministrar o conteúdo sobre a nova doença

Eu, Estudante
postado em 04/03/2020 20:26
 (foto: Galbi Junior)
(foto: Galbi Junior)

Colégios Marista

O Colégio Marista Champagnat em Taguatinga e o Marista Águas Claras estão realizando campanhas de prevenção ao coronavírus e outras doenças infectocontagiosas para seus alunos. As campanhas foram iniciadas na segunda-feira (2) e foram batizadas com os nomes de Liga Marista dos Cuidados Diários, englobando da educação infantil até o ensino médio. As campanhas disponibilizam ilustrações de super-heróis com dicas de prevenção ao vírus.
Professores do colégio Marista Champagnat, em Taguatinga, apresentam peças de teatro sobre higienização
O objetivo é que as medidas preventivas circulem pelas instituições e por meio das redes sociais. Como parte dessa ação, os professores do Marista Champagnat de Taguatinga, localizado na QSD Área Especial 01, estão encenando peças teatrais até sexta-feira (6). As apresentações ocorrerão no pátio e no auditório da escola. Os atores-professores, fantasiados de super-heróis, ensinam a maneira correta de higienização para evitar o contágio do coronavírus e outras doenças.

Os Professores de ciências e os orientadores educacionais são responsáveis pela campanha em geral. "Nós sempre trabalhamos com arte e cultura. Então, gostamos de realizar peças teatrais para as crianças absorverem melhor as informações. Consideramos essa a melhor forma de ensinarmos para os alunos como se prevenirem dessa nova doença", disse a diretora, Márcia Ferreira, 57 anos.

Os alunos da instituição demonstram bastante interesse pela peça teatral. Isabele Costa, 7, aluna do 2; ano D do ensino fundamental, reforça: "Gostei quando os herói chegaram. Foii demais. Eles lutaram contra o vilão, coronavírus. Aprendi muito. Agora sei que não preciso só lavar as mãos, mas tenho que usar álcool em gel e não posso emprestar minha garrafinha de água para os colegas".

Miguel Augusto, 7, da mesma turma de Isabele, demonstrou entusiasmo ao querer se juntar aos super-heróis para combater essa e outras doenças. "Eu gostei quando o vírus foi morto pelos super-heróis. Agora sei que preciso lavar as mãos sempre que tossir, espirrar ou terminar de brincar, para também poder combater essa e outras doenças".
[SAIBAMAIS]
O colégio também está reforçando em salas de aula formas de prevenção, principalmente com dicas de higienização das mãos. Os professores esclarecem dúvidas dos alunos sobre o coronavírus e as salas de aula estão sendo higienizadas. Álcool em gel também está sendo disponibilizado.

A professora regente Marcela Regina, 39, do 2; ano do ensino fundamental, comenta que essa campanha não fica limitada somente ao colégio. ;Todos os conhecimentos adquiridos pelos alunos são levados para casa, e assim os pais também são conscientizados e podem passar as informações adiante. Então, essa campanha acaba causando um impacto muito maior, não ficando limitada somente dentro da escola;.

A Liga Marista dos Cuidados Diários tem o slogan ;Seja um Herói da Proteção e Combata Vírus e Bactérias;. Há seis dicas básicas que são transmitidas pelos professores na peça:

  1. Lave as mãos com frequência.
  2. Use álcool em gel.
  3. Cubra a boca com antebraço ao tossir ou espirrar.
  4. Mantenha-se hidratado.
  5. Não toque na região dos olhos, nariz e boca sem estar com as mãos limpas.
  6. Não compartilhe objetos de uso pessoal.
No elenco que se apresenta para os alunos, estão a auxiliar administrativa e criadora do roteiro Mayra Sousa; o coordenador do Serviço de Arte e Cultura, Guilherme Serra; a coordenadora do Serviço de Escolinha e Treinamento Esportivo, Grazielle Saggiaro; o assistente do Serviço de Arte e Cultura, Ramón Dennys e a estagiária Lorena Matos; a professora de educação física e judô, Rógila Veras; o professor de teatro, Victor Fernandes, a Aassistente da Biblioteca, Luciana Ferreira, e a estudante Laura Saggiaro.

Colégio CIMAN

Outra instituição que também está se propondo a conscientizar seus alunos sobre os riscos do novo vírus é o Colégio CIMAN, localizado na Octogonal. As aulas de história e de redação estão sendo utilizadas para ensinar e incentivar os alunos a darem sugestões de possíveis curas ou formas de prevenção. As iniciativas são comandadas pelas professoras das disciplinas.
As aulas de história e de redação também estão sendo usadas para ministrar o conteúdo sobre a nova doença
A professora de história Bruna Santana, que leciona para o sexto e o sétimo anos, aplica suas aulas voltadas ao coronavírus. Após o conteúdo ser ministrado, a docente incentiva os estudantes a pensarem em possíveis soluções e formas de prevenções.

A professora aproveita a aula para fazer correlações com doenças que aterrorizaram a humanidade durante a Idade Média - como a Peste Negra - e o coronavírus. Assim, os alunos continuam com o foco da matéria, que é história, mas também conseguem estar atentos às questões da atualidade.

Segundo a coordenadora da escola, Adriana Matias, os alunos também utilizam as redes sociais e os canais no YouTube para passar nformações sobre o novo coronavírus. ;Os alunos sempre estão muito presentes nas redes sociais. Então, por terem essa presença e por obterem esses conhecimentos no CIMAN, eles sempre estão dando dicas de prevenção na internet;, diz Adriana.

Esse estudo do coronavírus começou a ser aplicado na matéria de história no fim de fevereiro. Para a professora Bruna, os resultados estão sendo positivos. ;Os alunos estão conseguindo se informar sobre a nova doença e pensar em soluções criativas para a prevenção. O resultado obtido está sendo bastante satisfatório. Acreditamos que podem sair iniciativas interessantes no futuro;, a docente prevê.

A professora de redação Isabela Almeida trabalha em salas de aula com textos jornalísticos, utilizando a técnica de Design Thinking para que os alunos possam se informar e aprender sobre o novo vírus. O Design Thinking é uma abordagem que busca a solução de problemas de forma coletiva e colaborativa. O processo consiste em tentar mapear e mesclar a experiência cultural, a visão de mundo e os processos inseridos nas vidas dos alunos. Assim, pode-se obter uma visão mais completa na solução de problemas, identificando obstáculos e gerando formas de superá-los.

Com o conhecimento obtido, a professora propõe que os alunos montem uma fotorreportagem sobre o tema. Assim, crianças que ainda não sabem ler e pessoas analfabetas poderão se inteirar sobre o problema por meio de imagens. O projeto está sendo realizado desde o primeiro bimestre de 2020.

Às fotorreportagens que estão sendo produzidas serão expostas na escola para o público interno. A partir do fim do mês, alunos, pais e professores poderão ter acesso ao material no câmpus da instituição.

Todos os trabalhos realizados pelos alunos também são disponibilizados nas redes sociais do Colégio CIMAN, para encontrar é só pesquisar por @colegiocimanoficial no Facebook e Instagram.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação