Publicidade

Correio Braziliense

Teleaula para alunos da rede pública começa na segunda-feira

Parceria da Secretaria de Educação do DF garantiu que as aulas sejam exibidas por meio da TV Justiça


postado em 02/04/2020 17:42 / atualizado em 05/04/2020 17:31

Os cerca de 460 mil alunos da rede pública do Distrito Federal passam a poder assistir teleaulas a partir de segunda-feira (6/4). As aulas serão transmitidas no canal 53, emissora aberta da TV Justiça, das 9h às 12h. Podem ser acompanhadas também pelo YouTube e Twitter.
 
(foto: Nelson Jr/SCO/STF)
(foto: Nelson Jr/SCO/STF)
A teleaula faz parte do programa Escola em Casa, desenvolvido pela Secretaria de Estado e Educação do Distrito Federal (SEEDF). O programa pretende amenizar os prejuízos causados devido ao fechamento das escolas em razão da pandemia do novo coronavírus. Os conteúdos vão desde a educação infantil até o ensino médio.

Os primeiros vídeos educativos terão três horas de duração, entretanto não vão substituir as aulas presenciais ou contar como presença. O principal objetivo é não permitir que os alunos percam conteúdo durante a quarentena. As informções sobre as teleaulas estão disponíveis no portal.
 

 

Para ter acesso à programação, os estudantes devem sintonizar no canal 53.1 e 53.2, da TV Justiça. De acordo com a Secretaria de Educação, o governo ajusta os detalhes finais para disponibilizar a programação também na TV Gênesis, canal evangélico que opera no DF.

A grade terá entre 15 e 30 minutos para cada etapa/modalidade de ensino. Haverá conteúdo para a educação precoce, para os Centros de Educação Especial, educação infantil, anos iniciais e finais do ensino fundamental, ensino médio, ensino médio em tempo integral (Emti), educação de jovens e adultos (EJA), educação profissional e, ainda, educação física em movimento. 

“Queremos manter esse vínculo, ainda que não seja possível, neste momento, afirmar se essas ações contarão ou não como dias letivos”, esclarece o secretário de Educação, João Pedro Ferraz. 

Para o Sindicato dos Professores do Distrito Federal (Sinpro-DF), a medida não é eficaz. “A partir do momento que não atinge 100% dos alunos, já começa sendo algo excludente. Lembrando que não poderá contar como dia letivo. Não garante o direito à Educação Pública de qualidade para todos. Ninguém tem condições de afirmar quanto tempo irá durar essa pandemia, pode ser dois, três ou mais meses. Então, quando tudo isso passar e voltarmos à normalidade, com as aulas presenciais, discutiremos a recomposição do calendário escolar. No momento, devemos nos preocupar com a saúde e a vida de todos", afirmou Samuel Fernandes, diretor do Sinpro-DF. 

 

Ampliação do decreto

Com o aumento do número de casos confirmados pra 370, e quatro mortes em decorrência do coronavírus, o governador Ibaneis Rocha (MDB) decidiu ampliar para 3 de maio o decreto que impõe medidas de restrição de circulação e funcionamento de comércios. As escolas da capital devem ficar fechadas até 31 de maio. 


*Estagiária sob supervisão de Ana Sá

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade

MAIS NOTÍCIAS

publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade