Publicidade

Correio Braziliense

Instituto Unibanco lança estudo sobre impacto da covid-19 na educação

Segundo a pesquisa, otimização do uso de recursos nas secretarias de educação e aprovação do novo Fundeb são medidas para evitar colapso da rede pública


postado em 04/06/2020 16:53 / atualizado em 05/06/2020 15:26

Instituto Unibanco e o Todos Pela Educação lançaram o primeiro estudo de uma série de pesquisas sobre os efeitos econômicos da pandemia do novo coronavírus na educação básica. Intitulado Covid-19: Impacto Fiscal na Educação Básica - O cenário de receitas e despesas nas redes de educação em 2020, o material pretende qualificar o debate na sociedade e apoiar a formulação de ações para mitigar um possível colapso financeiro na educação básica.

Unibanco lança estudo sobre impacto fiscal da covid-19 na educação(foto: Instituto Unibanco/Reprodução)
Unibanco lança estudo sobre impacto fiscal da covid-19 na educação (foto: Instituto Unibanco/Reprodução)
Segundo a pesquisa, o apoio da União, a otimização do uso de recursos nas secretarias de educação e a aprovação do novo Fundeb são medidas para evitar colapso da rede pública.

Esse primeiro relatório tem como foco os dados fazendários extraídos das bases oficiais da Secretaria do Tesouro Nacional (STN). O estudo estima que o conjunto das redes estaduais deve perder entre R$ 9 e R$ 28 bilhões em receitas tributárias vinculadas à manutenção e desenvolvimento do ensino (MDE) neste ano, a depender do cenário de crise econômica. 

Paralelamente, um levantamento com 22 redes estaduais de ensino identificou que 95% destas Unidades da Federação adotaram entre cinco e 15 soluções para o enfrentamento das consequências da pandemia, gerando um custo adicional que já alcança quase R$ 2 bilhões até o momento. São, sobretudo, gastos com implementação de ensino remoto e com oferta de alimentação aos alunos durante a suspensão das aulas presenciais. 

Os próximos estudos vão considerar também a situação dos municípios e os gastos adicionais com a reposição das aulas presenciais, que devem ser consideráveis.

Confira o estudo na íntegra no site.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade

MAIS NOTÍCIAS

publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade