Publicidade

Correio Braziliense

Entidades relacionadas à educação se pronunciam sobre novo ministro do MEC

Por meio de notas, algumas associações se colocaram à disposição para ajudar o novo comandante da pasta


postado em 10/07/2020 19:43

(foto: arquivo )
(foto: arquivo )
A nomeação do novo ministro da educação gerou repercussão entre as entidades relacionadas à educação que se pronunciaram a respeito da escolha. O pastor Milton Ribeiro será o quarto nome a assumir o comando do Ministério da Educação (MEC). Nas gestões anteriores o Ministério da Educação ficou marcado por polêmicas e uma atuação abaixo da esperada para a pasta. Entre os assuntos que foram colocados como fundamentais para a nova gestão esteve a implementação da Base Nacional Comum Curricular; o Novo Fundeb Permanente; a instituição do Sistema Nacional de Educação; e o cumprimento das metas do Plano Nacional de Educação

A União Nacional dos Estudantes (UNE) mostrou ceticismo em relação ao novo nome. “Com ainda poucas informações sobre o novo Ministro do Educação, compreendemos que dificilmente apenas uma mudança de nome poderá significar a mudança da forma com que o governo encara esse setor. Reafirmamos que o problema da educação no Brasil é Bolsonaro”, publicou. 

A União Brasileira dos estudantes Secundaristas (UBES) também usou o Twitter para se manifestar sobre a nomeação. “Depois de quase um mês com o MEC vazio, Bolsonaro nomeou novo ministro da educação. Milton Ribeiro é vinculado a ala ideológica do governo e ao ensino privado. Já ficou bem nítido que o problema da educação é  Bolsonaro, né?”, indagou. 

Por meio de nota, a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) se colocou à disposição do MEC “para contribuir com a construção de políticas públicas e programas, em Regime de Colaboração, que defendam a educação pública com qualidade e equidade, contribuindo para a garantia do direito à educação das crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos”. A união ainda cobrou que a nova gestão venha ao encontro dos “anseios de estados e municípios, e que priorize o diálogo e a transparência”. A associação representa os dirigentes responsáveis pela gestão da educação pública em 5.568 municípios brasileiros. 

“Milton Ribeiro é doutor em Educação, tem experiência em gestão universitária e um perfil discreto. A Universidade Mackenzie, onde ele atuou, é uma das mais tradicionais e prestigiadas instituições privadas do Brasil. Com esse currículo sólido, a Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) estima êxito ao professor no cargo de ministro da Educação”, declarou a ABMES em nota. Ainda no texto a associação colocou que este é um momento desafiador e “toda a atenção será necessária para que a retomada segura das atividades acadêmicas presenciais”. A ABMES também se colocou à disposição para contribuir na pauta das políticas públicas necessárias para ampliar a inclusão e a democratização do ensino superior.

A Federação Nacional das Escolas Particulares (FENEP) desejou êxito a Milton Ribeiro e destacou a fragilidade do momento devido à pandemia. Em nota divulgada, a federação também colocou que a expectativa é somar junto à pasta: “uma vez que representa um segmento composto por mais de 40 mil instituições, independente e que emprega mais de 1,7 milhões de pessoas, em sua maioria mulheres com curso superior, para atender mais de 15 milhões de alunos da educação infantil à pós-graduação”.





Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade

MAIS NOTÍCIAS

publicidade
publicidade
Renapsi oferece 48 vagas de jovem aprendiz 18:03 - 02/08/2020 - Compartilhe

Renapsi oferece 48 vagas de jovem aprendiz

publicidade
publicidade
publicidade
publicidade