Publicidade

Correio Braziliense

Equipe brasileira vence Programa de Ciências de Dados para Todos

A competição é promovida pela SoftBank em parceria com a Correlation One. Outra equipe brasileira conquistou o terceiro lugar


postado em 04/06/2020 18:29 / atualizado em 04/06/2020 19:03

O Brasil ficou em primeiro lugar no programa de “Ciência de Dados para Todos” (Data Science for All, ou DS4A), desenvolvido pelo SoftBank Group International e Correlation One com objetivo de desenvolver e recrutar talentos em inteligência artificial e ciência de dados na América Latina.

Programa é promovido pela SoftBank em parceria com a Correlation One(foto: SoftBank/Divulgação)
Programa é promovido pela SoftBank em parceria com a Correlation One (foto: SoftBank/Divulgação)

 

Equipe Vencedora - Brasil

A equipe brasileira formada por Diego Katz, Gabriela Surita, Gilberto Cymbaum e Juan Galindo, ficou em primeiro lugar no programa “Ciência de Dados para Todos”, resultado de uma parceria entre a SoftBank Group e Correlation One. O projeto desenvolvido foi de otimização de rotas de entrega para uma startup de logística, chamada Loggi.

O grupo foi liderado por Gilberto Cymbaum, 33 anos, funcionário da empresa Google, em São Paulo. O programa durou 11 semanas, com aulas às sextas e  aos sábados, em período integral, e, devido a pandemia causada pela covid-19 no mundo todo, somente a primeira semana do curso foi presencial. Gilberto, inclusive, destaca que uma das maiores dificuldades que o grupo enfrentou, foi trabalhar 100% remotamente, com pessoas que não conhecia.

O projeto desenvolvido foi uma parceria do grupo participante do programa com a empresa de motofretista Loggi, que realiza a ponte entre cliente e mensageiros. A equipe fez um redesenho do algoritmo de roteamento que planeja as rotas de entrega, conseguindo assim reduzir em 27% as rotas. Como consequência, isso trará um tempo de espera menor para os clientes, menos tempo em trânsito para os entregadores e uma menor emissão de carbono na atmosfera.

O terceiro lugar do pódio também foi de uma equipe de brasileiros, integrada  por Francisco Magioli, Henrique Munhoz, Leonardo Cardoso, Renato Candido, Reslley Gabriel, com projeto sobre ferramenta de precificação dinâmica para comércio eletrônico usando o Deep Q-Learning. O segundo lugar foi conquistado por  um grupo do México. Os times vencedores dividiram o prêmio de US$ 10 mil.
 

Gilberto foi o líder da equipe brasileira que participou do programa (foto: Arquivo Pessoal)
Gilberto foi o líder da equipe brasileira que participou do programa (foto: Arquivo Pessoal)

 

Gilberto Cymbaum comentou sobre a importância que o projeto desenvolvido tem. “O projeto mostra como essa parte de ciência de dados consegue impactos muito relevantes no dia-a-dia da empresa e das pessoas”, diz o funcionário da Google. “Há vários empresas novas de serviço de entrega que se baseiam muito em ciência de dados, e isso mostra que é uma competência muito importante que precisamos desenvolver mais no Brasil”, finaliza Gilberto.

O projeto foi desenvolvido com base em algoritmos, históricos e dados de entrega que a própria Loggi disponibilizou para a equipe. Assim, eles trabalham em cima desse material para fazer todo o redesenho de rotas para a empresa.

O Programa

Ao todo, 205 estudantes de mais de 30 cidades, da América Latina, completaram o programa de 10 semanas de qualificação em Ciência de Dados e AI (Inteligência Artificial). A iniciativa é parte da estratégia do SoftBank para ajudar a desenvolver e fomentar o ecossistema de inovação na América Latina e é apoiada por parceiros como Microsoft for Startups, iNNpulsa Colômbia, IDB Lab, WeWork e Google Cloud.
 
Os alunos foram selecionados entre 2.350 candidatos com base nos resultados de uma avaliação de habilidades on-line, que mensurou seus conhecimentos técnicos e participaram de aulas lideradas por educadores de Harvard, MIT e Stanford.

Para que pudessem concluir o programa, os alunos foram divididos em 48 equipes para trabalhar em diversas iniciativas de dados levantadas pelas empresas do portfólio da SoftBank na região. 

Os projetos foram desenhados especificamente para descobrir formas pelas quais a Inteligência Artificial pode melhorar significativamente os resultados do negócio em operações como comércio eletrônico, empréstimos, logística, marketing e entre outras.

Além do treinamento técnico e prático utilizando casos reais de negócios e conjuntos de dados do mundo real, uma parte importante do programa envolveu a conexão dos participantes do DS4A com oportunidades exclusivas de carreira oferecidas por empresas do portfólio do SoftBank e outras empresas de tecnologia de ponta, como Google e Microsoft.

Laura Gaviria Halaby é porta voz da SoftBank e falou sobre o programa(foto: SoftBank/Divulgação)
Laura Gaviria Halaby é porta voz da SoftBank e falou sobre o programa (foto: SoftBank/Divulgação)
Laura Gaviria Halaby é porta voz da SoftBank e Chefe de Parcerias e Iniciativas Estratégicas do SoftBank Group International. Ela conta que o principal objetivo do programa “Ciência de dados para todos” é desenvolver e recrutar talentos em inteligência artificial e em ciência de dados na América Latina e que foi especialmente formulado para trabalhar com situações da vida real que têm impacto imediato nas empresas. 

Ainda não há uma frequência de tempo para que o programa aconteça, mas a porta voz afirma que o planejamento é que ele aconteça cada vez mais para diminuir a lacuna de habilidades tecnológicas na América Latina.

Laura comenta sobre como os melhores projetos do Programa foram escolhidos. “Os critérios avaliativos foram essencialmente uma mistura entre a qualidade técnica da análise, da importância do problema, da forma como cada projeto foi estruturado e apresentado, e da forma como os alunos comunicaram seus resultados”, relata a representante da SoftBank.

Os resultados das equipes vencedoras foram anunciados na última terça-feira (2), em uma formatura virtual. O programa foi iniciado em 2019, feito na Colômbia. O programa abrangendo toda a América Latina teve sua primeira edição neste ano de 2020.
 

*Estagiário sob supervisão da editora Ana Sá

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade

MAIS NOTÍCIAS

publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade