Estudantes que perderam vaga na ESCS protestam em frente à CLDF

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/03/2014 15:21 / atualizado em 25/03/2014 20:00

Rômulo Andrade/Esp. CB/DA Press
Cerca de 90 estudantes se reúnem em frente à Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) na tarde desta terça-feira (25) para protestar contra o erro no resultado do último vestibular da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS). Por causa de uma troca nas notas de redação, candidatos que tinham sido aprovados na primeira lista divulgada pelo Centro de Seleção e de Promoção de Eventos (Cespe) foram excluídos. Uma nova lista foi divulgada na última semana.


Alguns cartazes trazem frases como "Eu não sou culpado pelo erro do Cespe". Daniel Loures, 23 anos, já estava tendo aulas da escola há um mês e, com a nova lista de aprovados, foi excluído da seleção. O estudante conta que estava inclusive participando da organização de um congresso em parceria com a Universidade de Brasília (UnB). "Nos sentimos prejudicados e o erro do Cespe foi mais um pretexto para nos unirmos e reinvindicarmos outras questões que estão afetando a ESCS", afirma. Além das críticas a respeito do resultado do vestibular, os estudantes aproveitam para reivindicar a autonomia da ESCS, que é ligada à Secretaria de Saúde do DF (SES-DF).

Ele defendem que a escola faça parte do Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS), criado pelo Ministério da Saúde em 2010 para atender as necessidades de capacitação e educação permanente dos profissionais de saúde que atuam no SUS. Faz parte do UNA-SUS a rede colaborativa de instituições de ensino superior, que conta com 16 instituições atualmente, de acordo com informações do site do sistema.

Os alunos participaram da sessão desta tarde no plenário da Câmara e, após o termino da sessão, seguiram em passeata até o Palácio do Buriti, acompanhados de trio elétrico e da bateria da turma de medicina da ESCS. A aluna de enfermagem Dally Lourrane, 20 anos, diz que 29 alunos do curso foram prejudicados com a nova lista. "Estamos no meio do semestre e não podemos perder mais tempo. A manifestação é para que alguém tome uma atitude e esse impasse seja solucionado o mais rápido."

No plenário da CLDF, os 15 deputados presentes demonstraram apoio à causa dos estudantes. Os deputados Israel Batista (PV), Artlete Sampaio (PT) e Jaqueline Roriz (PMN) se pronunciaram e disseram que vão atuar para que o problema seja solucionado.