UnB oferece programas de auxílio para estudantes de baixa renda

Confira o que fazer para conseguir os benefícios

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/03/2018 14:34 / atualizado em 05/03/2018 16:07

Em 2018, o governo federal deve repassar, segundo a Secom, R$ 30 milhões para a Universidade de Brasília apenas para os programas de assistência estudantil. Cerca de 6 mil estudantes são contemplados pelos benefícios atualmente. Apesar de abranger muitos alunos, os programas não são tão conhecidos, especialmente por calouros de fora do DF. Ser aprovado no vestibular e conseguir a tão sonhada vaga na universidade não é o último desafio para quem tem baixa renda, já que é preciso achar maneiras de se manter.

Igor Fillipi, 17 anos, passou para medicina e deixará a casa onde mora, em Goiânia, para viver no Gama com a tia. Um auxílio financeiro teria muita serventia, motivo pelo qual ele pleiteará benefícios por meio de editais a serem abertos pela universidade. “Acho importante porque meu pai não terá condições de me manter com o custo de vida daqui. Isso ajudaria muito, ainda mais na compra de materiais”, afirma. Também selecionada em medicina, a moradora de Samambaia Sul Thayanne Rodrigues, 18, sabe da importância de uma bolsa socioeconômica para alunos mais pobres. “A minha mãe é vendedora e meu padrasto se aposentou agora, então, se eu conseguir um auxílio, será ótimo para para comprar livros”, diz.
 
Arquivo pessoal


Possibilidades
 
Para quem está em situação de risco, é possível pedir auxílio emergencial à Diretoria de Desenvolvimento Social do Decanato de Assuntos Comunitários (DDS/DAC). Segundo o órgão, se classificado no nível de vulnerabilidade socioeconômica, o aluno pode receber três meses da bolsa até que saia o resultado do edital específico. Em resolução recente, foi determinado que aqueles com renda per capita mensal de até 1,5 salário mínimo, podem ter as refeições subsidiadas no Restaurante Universitário (RU). Na UnB, o DAC é responsável por coordenar programas de assistência estudantil. Semestralmente o órgão divulga um edital de avaliação socioeconômica para acesso de estudantes caracterizados em situação de vulnerabilidade socioeconômica (saiba mais em www.unb.br).
 
Os inscritos são ordenados em duas categorias. A primeira, é a Participante do Programa de Assistência Estudantil (PPAES), cuja situação socioeconômica do aluno é considerada insuficiente para a manutenção e permanência na universidade. A segunda é Não-Participante do Programa de Assistência Estudantil (NPPAES), em que a situação socioeconômica é suficiente para a permanência do aluno na instituição. 
 
Aqueles classificados como PPAES estão aptos a receber os benefícios, desde que aprovados nos editais específicos de cada um deles. Alimentação gratuita no Restaurante Universitário (RU), Programa Moradia Estudantil da Graduação (PME-G) disponibilizado em três modalidades: vaga em apartamento na Casa do Estudante Universitário (CEU/UnB), auxílio-moradia e auxílio moradia-transporte. Além desses, auxílio socioeconômico, acesso à língua estrangeira e vale livro estão entre as possibilidades. A validade da concessão é de 10 semestres, podendo ser renovada caso o aluno ainda esteja cursando a graduação depois desse período. 
 
Conheça cada um dos benefícios e saiba como fazer para se inscrever nos editais

Alimentação gratuita no RU
A refeição no Restaurante Universitário custa R$ 2,50, embora recentemente haja discussões na instituição para rever o valor. Para ter direito ao benefício, basta o estudante ser classificado como PPAES. Após assinar o Termo de Concessão de Bolsa Alimentação, ele não pagará por café da manhã, almoço e janta, independentemente do câmpus onde estiver. 

Programa de Moradia Estudantil
Voltado aos estudantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica, o benefício prioriza àqueles cujas famílias moram fora e não têm imóveis no DF e, excepcionalmente, aos estudantes residentes no DF que vivam em regiões de acesso comprovadamente difícil. É importante ressaltar que o acesso ao programa de moradia estudantil exige a participação do candidato em um edital específico. O PME se divide em três modalidades. 

Vaga em apartamento na Casa do Estudante (CEU/UnB) 
Destinado somente a estudantes do câmpus Darcy Ribeiro. 
 
Auxílio-moradia
Esse benefício tem como objetivo auxiliar financeiramente, no valor de R$ 530, os alunos que desejam transferir a residência para perto do câmpus no qual está matriculado. 

Auxílio moradia-transporte
Para os estudantes que moram fora do Distrito Federal e não têm direito ao passe livre do DFTrans, é possível buscar, na UnB, a concessão mensal de auxílio-financeiro de R$ 300 para ajudar nos gastos com o transporte. 
 
Programa de Moradia Estudantil da Pós-Graduação (PME-PG)
Moradia destinada aos estudantes que moram foram do DF e cujas famílias não possuam imóvel na capital federal. Os selecionados em edital próprio passam a morar em apartamentos do bloco K, situado na Colina, no Câmpus Darcy Ribeiro.

Programa Auxílio Socioeconômico (PASeUnB) 
O benefício define o objetivo como “minimizar as desigualdades sociais, contribuir para a permanência, evitar a retenção e promover a diplomação”. O recebimento do  auxílio mensal de R$ 465 exige edital próprio, lançado a cada semestre pelo DAC.Enquanto o do primeiro semestre não sai, confira o edital do 2.2017 para ir reunindo a documentação. 

Acesso à língua estrangeira 
Muita gente não sabe, mas existe um projeto de extensão na UnB chamado UnB Idiomas. Dos tradicionais cursos de inglês, espanhol e francês até mandarim e latim, a instituição tem preços muito mais acessíveis que os de mercado. Entretanto, existe uma parceria que garante uma vaga isenta de mensalidade por turma aos estudantes PPAES. As inscrições podem ser feitas por meio do Programa de Extensão de acordo com o calendário próprio. 
 
Vale - livro
Fruto de uma parceria com a Editora UnB, o programa concede descontos de 10% em até cinco livros por semestre aos estudantes de graduação e pós-graduação em situação de vulnerabilidade socioeconômica. Além disso há um desconto de 20% concedido à toda a comunidade acadêmica.  
 
Questionado sobre a relação entre evasão e auxílio-socioeconômico, o DAC afirmou que “está realizando um levantamento sobre índices de permanência e de diplomação de estudantes da assistência estudantil.” A ideia é que esse estudo ajude a embasar as políticas da universidade para esse público, de forma a garantir que esses alunos, cada vez mais, concluam a jornada acadêmica com sucesso.
  
*Estagiário sob a supervisão da subeditora Ana Paula Lisboa