Alunos de engenharia da UnB realizam vaquinha on-line para competição

Estudantes do câmpus do Gama fazem parte da UnBaja, equipe que monta veículos off-road e compete com outros times do país. Sem recursos, estudantes buscam financiamento coletivo para viagem

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/09/2018 17:32 / atualizado em 13/09/2018 19:24

A equipe UnBaja, composta por alunos de engenharias do câmpus do Gama da Universidade de Brasília (FGA/UnB), precisa de ajuda financeira para integrar uma competição de veículos off-road. Os alunos da graduação são especialistas na modalidade Baja SAE, na qual os times montam protótipos capazes de andar em terrenos acidentados. O Baja SAE Brasil ocorrerá em Salvador (BA), entre 19 e 21 de outubro. Sem recursos oficiais, a equipe conta agora com uma campanha de financiamento coletivo — ou a popular “vaquinha on-line” — para pagar os custos da viagem. “Em todas as edições anteriores, a universidade nos auxiliou com os custos de transporte. Porém, devido aos cortes de gastos na educação, o orçamento destinado foi reduzido, o que implicou no indeferimento do pedido do ônibus”, explica Pedro Henrique Aires Rocha, capitão da equipe.

 

 

Arquivo pessoal
 

 

O valor médio praticado pelas empresas que fretam os ônibus é de R$15.000. “Em 2018, teremos que arcar com tudo do próprio bolso, dinheiro que investiríamos em aprimoramento de tecnologia do nosso protótipo.” Pedro explica que empresas parceiras contribuem com produtos e serviços produzidos por eles, mas a colaboração em dinheiro seria mais complicada de conseguir. Além desses parceiros e da vaquinha, os membros da UnBaja fazem arrecadação interna mensal de R$ 30 para bancar o projeto, além de iniciativas como rifas e venda de sorvete no câmpus, sob o valor simbólico de R$ 1. O financiamento coletivo foi aberto em 7 de junho e vai até 5 de outubro. Até o momento, os jovens arrecadaram 16,7% da meta.

Custos para manutenção das atividades são altos

A UnBaja foi criada em 2014 por alunos de engenharia automotiva da universidade, com o objetivo de aplicar os conhecimentos de sala de aula em uma atividade prática, além de promover habilidade para o mercado de trabalho. Hoje, 38 membros formam o grupo, que também conta com estudantes de engenharias aeroespacial, eletrônica e de energia.

Atualmente, a equipe está finalizando o seu quarto protótipo, tendo alcançado resultados muito bons desde a fabricação do primeiro. “Os custos do projeto são muito altos, então procuramos sempre fazer manutenção dos componentes e prezamos pela maior vida útil, de modo a diminuir os gastos. Só o motor custa na faixa de R$ 4.000”, exemplifica o capitão.

Mas tanto trabalho e esforço geraram reconhecimento. “Ainda não conseguimos alcançar o pódio na competição, mas estamos chegamos perto. Já ganhamos um prêmio de inovação do Senai, devido à nossa tecnologia eletrônica embarcada.”

“Não fazemos a venda dos veículos, pois são exclusivos para competições e alguns eventos de promoção da equipe”, explica Pedro. “Além disso, o custo de fabricação, que é de uma única unidade, é muito alto e não vale a pena vender. Muitos componentes são regulamentados pela competição e são demasiadamente caros. Tentamos sempre reaproveitá-los”, explica. “Temos uma estrutura antiga, que não utilizamos mais por questão de projeto mesmo. No momento, estamos finalizando a atual.”

Arquivo pessoal

O que é a Baja SAE?

Bajas são protótipos construídos para competições entre estudantes de engenharia. O nome vem dos veículos Baja, que eram carros de corrida feitos por pilotos de off-road e que corriam no deserto de Baja nos Estados Unidos (EUA). Criada no século passado, a modalidade tem ganhado espaço pelo mundo.

No Brasil, a estimativa é de que aproximadamente 100 equipes estejam em atividade. Pelo mundo, destacam-se grupos universitários pela Ásia e América do Norte. “Nas competições, o desafio é desenvolver um projeto de off-road capaz de vencer terrenos acidentados. Cada equipe deve também fabricar um protótipo conforme o projeto e participar de provas de aceleração e suspensão, entre outras”, diz. O interesse da UnBaja por essa modalidade veio da fascinação dos membros. “Optamos por essa modalidade porque nos encanta e, do ponto de vista da engenharia, é um grande desafio.”

 

Ajude os estudantes da UnBaja!

Além da vaquinha on-line, é possível transferir a quantia diretamente nas contas bancárias dos membros da equipe. Veja os bancos e as contas:

 

CEF
Pedro Henrique Aires Rocha

Ag.: 4331
Conta: 15587-2
Op.: 013
Conta poupança

 

Banco do Brasil
RAFAEL DA SILVA LIBÓRIO
Ag: 1239-4
Conta: 59545-4
Variação: 51
Conta Poupança

Bradesco
Pedro Henrique Aires Rocha
Ag.: 1160
Conta: 15183-1
Conta corrente

 

  

*Estagiária sob supervisão de Ana Sá