Ato em defesa dos direitos humanos ocorre nesta quarta-feira (10) na UnB

Manifestantes protestam contra o fato de livros sobre direitos humanos do acervo da BCE terem sido encontrados rasgados

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/10/2018 15:36 / atualizado em 10/10/2018 15:43

A comunidade acadêmica da Universidade de Brasília (UnB) promove um ato em defesa dos direitos humanos nesta quarta-feira (10), às 17h, em frente à Biblioteca Central  (BCE). O objetivo é demonstrar repúdio contra a destruição de livros sobre direitos humanos, depois que obras da instituição foram encontradas rasgadas e danificadas. No Facebook, plataforma em que a manifestação é organizada, 2.100 pessoas se mostraram interessadas e 680 confirmaram presença no evento.
 
Carlos Vieira/CB/D.A Press
 
 
"Não aceitaremos depredação do patrimônio público nem atos contra a memória, contra a nossa história e contra a ciência e a produção do conhecimento", afirmaram os organizadores do evento na rede social. A partir das 16h, estudantes, professores e outros interessados produzirão cartazes para o ato no Ceubinho, no Instituto Central de Ciências Norte (ICC), o Minhocão. Qualquer pessoa pode comparecer. Os participantes também poderão doar livros de direitos humanos, preferencialmente, durante o ato.

Vandalismo

Na última quinta-feira (4), a BCE divulgou uma nota nas redes sociais lamentando o fato de livros, todos ligados à temática dos direitos humanos, terem sido encontrados rasgados. Além de repudiar a ação dos criminosos, a UnB informou que faria uma busca pelo acervo para identificar se há mais exemplares danificados. A instituição pediu que a Polícia Federal investigasse o caso.

"Desde o início do ano, localizamos ocorrências de livros danificados e mutilados de forma intencional e criminosa em nosso acervo. Os primeiros foram aos poucos sendo mandados para nosso setor de conservação e restauração. Com o tempo, foi possível ver a relação do conteúdo desses livros vítimas de ataques: todos eram das áreas correlatas aos direitos humanos, alguns sobre teorias científicas. Na última semana, foi localizado um novo livro propositalmente com folhas rasgadas, de renascimento e cultura pagã. Foi então que que fizemos a comunicação à imprensa por parte de nossa equipe", afirmou a direção da BCE em nota enviada por e-mail.

Até agora nenhum culpado pelo vandalismo foi identificado. Em nota, a UnB afirma que tanto a BCE quando a Administração Superior da universidade acreditam no apreço da comunidade acadêmica pela biblioteca. "Não há indícios concretos que motivem uma investigação que seja apenas interna. Estamos juntando os fatos, buscando as filmagens das recentes instaladas câmeras de monitoramento e vamos solicitar que seja aberto um inquérito junto aos órgãos competentes para que o caso seja apurado e conduzido da melhor forma possível."

*Estagiária sob a supervisão da subeditora Ana Paula Lisboa