Publicidade

Correio Braziliense

Universidades particulares poderão revalidar diploma de medicina

Candidatos precisarão pagar mais de 3,6 mil reais para ter direito de fazer o Revalida. Outra novidade anunciada pelo MEC é que a prova poderá ser on-line


postado em 28/11/2019 16:30 / atualizado em 29/11/2019 14:23

Ministro da Educação Abraham Weintraub e secretário de educação superior, Arnaldo Lima, anunciaram mudanças no Revalida(foto: Gabriel Jabur/MEC)
Ministro da Educação Abraham Weintraub e secretário de educação superior, Arnaldo Lima, anunciaram mudanças no Revalida (foto: Gabriel Jabur/MEC)

 
O ministro da Educação, Abraham Weintraub, anunciou mudanças no Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos (Revalida) em entrevista coletiva nesta quinta-feira (28). A principal novidade é que instituições de ensino superior da rede particular poderão emitir diplomas de médicos brasileiros formados no exterior, desde que tenham nota 4 ou 5 e ofereçam o curso de medicina.
 
Entre as novidades, está a implementação de taxa de inscrição para os candidatos, com valor total de R$ 3.660. A primeira fase deve custar R$ 330 e, a segunda, 3.330. Até 2017, última edição do Revalida, as provas eram custeadas pelo governo. Naquele ano, o gasto estimado foi de aproximadamente R$ 4 milhões.
 
Agora, para ter direito a fazer a fase prática do exame, o candidato deve ser aprovado na prova teórica. Quem for aprovado no primeiro teste, mas reprovado no segundo, permanece habilitado a participar do Revalida sem a necessidade de fazer a prova teórica nas duas edições seguintes.

Outras alterações

A possibilidade de fazer a prova virtualmente completa o quadro de mudanças, graças a uma parceria entre o MEC e a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Universidade Federal do Ceará (UFC) e National Board Medical Examiners (NBME) - conselho nacional de examinadores médicos dos Estados Unidos.
 
Algo que deve beneficiar os interessados é a nova frequência de aplicação do exame. A partir de agora, o revalida será obrigatoriamente realizado duas vezes por ano, com edital publicado 60 dias antes da primeira fase. 

Serviçoes melhores

“O objetivo é melhorar a qualidade de vida de todos. Haverá mais médicos para todos nós brasileiros, com mais capacitação e mais hábeis para cuidar de nós no futuro”, afirmou Weintraub.

Quando questionado sobre a possibilidade de fraudes no processo de revalidação, o ministro foi severo. “Nós aqui no MEC vamos atrás de absolutamente qualquer desvio de conduta. Se alguma (instituição de ensino) fizer algo de errado, a gente vai pegar e punir. Mas o MEC não é ministério público nem polícia.” 
 
O secretário de educação superior, Arnaldo Lima, se mostrou otimista em relação ao novo formato. “Isso nos ajuda a aumentar o número de médicos por habitantes. Temos um número bem abaixo de países desenvolvidos como EUA e Canadá.”

Para ele, a segurança do exame está garantida. “Aqui não tem Revalida light, tudo é feito com muita seriedade e segurança. O processo de revalidação não será, de forma alguma, ampliado sem controle”, reforça.

Por fim, Lima declarou que o novo formato não deve restringir o trabalho das instituições públicas. “As universidades públicas, respeitada sua autonomia, poderão continuar fazendo o processo.”
 
Confira a gravação.
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade

MAIS NOTÍCIAS

publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade