Publicidade

Correio Braziliense

40% dos universitários conseguem pagar mensalidades por até três meses

Levantamento afirma também que outros 12% acham que conseguem pelos próximos seis meses. 39% disseram que ainda não conseguem por quanto tempo conseguem pagar


postado em 07/05/2020 18:24 / atualizado em 07/05/2020 18:48

Na manhã desta quinta-feira (7/5), a Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) e a Educa Insights divulgaram pesquisa que evidencia que 40% dos alunos de faculdades particulares disseram que conseguem pagar sem nenhum problema a mensalidade pelos próximos três meses. Outros 12% acham que conseguem manter os pagamentos em dia pelos próximos 6 meses. No entanto, 39% disseram que ainda não conseguem mensurar quanto tempo, mas acham que poderão ter problemas em algum momento.

Gráfico que mostra o percentual de alunos que conseguem ou não pagar as mensalidades(foto: ABMES/Reprodução)
Gráfico que mostra o percentual de alunos que conseguem ou não pagar as mensalidades (foto: ABMES/Reprodução)

Por conta dessa situação, Daniel Infante, diretor da Educa Insights, durante a apresentação da pesquisa na manhã desta quinta-feira (7/5), ressaltou que faculdades particulares têm que pensar as formas de pagamentos das mensalidades pelos estudantes. “A pesquisa aponta que os planos horizontais podem prejudicar quem realmente precisa de apoio e beneficiar quem não precisa. A solução para as instituições seria adotar planos individuais de pagamento”, conclui.

Aulas a distância 

O levantamento também mostra que 89% dos estudantes de instituições particulares assistem a aulas on-line ao vivo ou gravadas, por conta do isolamento social imposto pela pandemia do novo coronavírus. Além disso, 78% das faculdades particulares do país migraram suas atividades presenciais para aulas virtuais. A pesquisa avalia também a percepção dos alunos e o impacto que esse novo cenário está tendo em suas rotinas de estudo. 

Gráfico com porcentagem das faculdades particulares que aderiram ao EAD(foto: ABMES/Reprodução)
Gráfico com porcentagem das faculdades particulares que aderiram ao EAD (foto: ABMES/Reprodução)

Ao analisar o percentual de alunos que estão tendo aulas exclusivamente ao vivo, o número chega a 61%. Outras 28% utilizam tanto o formato simultâneo quanto aulas gravadas. Enquanto que 11% utilizam exclusivamente o formato de aulas gravadas, que é característica tradicional da modalidade de educação a distância (EAD).

A maior parte das ferramentas utilizadas pelas instituições são plataformas de webconferência, cerca de 84% adotam esse tipo de aula virtual. Na primeira etapa do levantamento somente 44% das faculdades privadas adotavam esse estilo de aula.

Gráfico com a porcentagem de qual métodos as instituições estão usando para as aulas e em quais plataformas.(foto: ABMES/Reprodução)
Gráfico com a porcentagem de qual métodos as instituições estão usando para as aulas e em quais plataformas. (foto: ABMES/Reprodução)

A 2ª etapa  da pesquisa mostra que os outros 22% de instituições de ensino superior privado  preferiram por suspender as aulas ou o semestre. 

O diretor da ABMES, Celso Niskier, afirmou, durante a apresentação da pesquisa, que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) também pode interferir na entrada de novos alunos nas instituições particulares, pois muitas delas utilizam a nota do exame para o ingresso de novos estudantes, além de programas como o Programa Universidades para Todos (ProUni) e o Programa de Financiamento Estudantil (Fies). “Nós, de instituições particulares, preocupamos com os alunos da rede pública, pois muitas escolas ainda não conseguiram migrar para o EAD, e a manutenção do cronograma do Enem pode prejudicar esses alunos”, afirma.

A pesquisa foi realizada entre os dias 27 e 30 de abril, com 1.513 estudantes de instituições particulares ou que pretendem ingressar na faculdade pelo próximo ano, em todas as regiões brasileiras. A primeira etapa foi realizada no final de março.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade

MAIS NOTÍCIAS

publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade