Data comemorativa

Instituto vinculado ao MEC é referência na educação de surdos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/09/2017 21:47

Nesta terça-feira, 26, comemora-se o Dia Nacional dos Surdos. Instituída no Brasil em 2008, a data é homenagem à criação da primeira escola para surdos no Brasil, o atual Instituto Nacional de Educação de Surdos (Ines), vinculado ao Ministério da Educação. Criado em 26 de setembro de 1857, há exatos 160 anos, o Ines é considerado centro de referência nacional.

 

A missão do instituto é produzir, desenvolver e divulgar conhecimentos científicos e tecnológicos na área da surdez em todo o território nacional, bem como subsidiar a política nacional de educação, na perspectiva de promover e assegurar o desenvolvimento global da pessoa surda, sua plena socialização e o respeito às diferenças.

 

Uma das inovações promovidas pelo Ines é a primeira webTV em Língua Brasileira de Sinais (Libras), com legendas e locução em língua portuguesa, lançada em 24 de abril de 2013, em parceria com a Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto (Acerp).

 

Ações

O Ministério da Educação, por meio da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi), desenvolve ações e presta apoio técnico e financeiro aos sistemas de ensino, com vistas ao fortalecimento da educação bilíngue para as pessoas com surdez. Entre elas, está a formação de professores, a criação e apoio aos Centros de Formação de Profissionais da Educação e de Atendimento às Pessoas com Surdez (CAS), e o apoio financeiro à implementação de salas de recursos multifuncionais para oferta do atendimento educacional especializado.

 

Por entender que o direito a uma educação bilíngue deve ser assegurando em todo o processo educativo, o MEC estabelece como ponto de partida a compreensão e o reconhecimento do potencial e das capacidades das pessoas surdas, visando o pleno desenvolvimento e aprendizagem. Para esses estudantes, a língua de sinais é a primeira no processo educacional e a língua portuguesa tem status de segunda língua, na modalidade escrita, de modo a assegurar o acesso ao conhecimento e o fortalecimento da identidade linguística e cultural do estudante surdo.