GUIA DE CONCURSOS »

Professores dão dicas de estudo para concurso da AGU

O concurso da Advocacia-Geral da União oferece 100 vagas para cargos de nível superior com inscrições abertas até 4 de novembro. O salário ultrapassa R$ 6 mil

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/10/2018 15:41 / atualizado em 28/10/2018 21:35

A Advocacia-Geral da União (AGU) está recrutando profissionais de nível superior por meio de concurso com 100 vagas, sendo sete destinadas a pessoas com deficiência e negros. As oportunidades são para: administrador (48), arquivista (2), bibliotecário (1), contador (32), técnico em comunicação social — com graduação em comunicação social/jornalismo (5) —, analista técnico-administrativo (10) e técnico em assuntos educacionais (2). Os dois últimos cargos são para graduados em qualquer curso. A remuneração é de R$ 6.203,34 para 40 horas semanais. A seleção é composta por provas objetivas, de múltipla escolha, e discursivas, a serem aplicadas em 9 de dezembro. Serão 60 itens, sendo 10 de língua portuguesa, cinco de raciocínio lógico, cinco de noções de informática e 10 de conhecimentos gerais (específicos de cada cargo). O primeiro passo para garantir aprovação é intensificar os estudos tendo como base o edital.
 
 
Catarine Cavalcante/Esp.CB/D.A Press
 

Para se sair bem

 

O professor de raciocínio lógico e engenheiro aeronáutico pelo pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) Arthur Ribeiro observa que um erro comum é subestimar a disciplina que ele leciona, porque, em geral, aparece no edital como um conteúdo pequeno e simples. Só que não é bem assim. “A avaliação abrangerá uma série de pontos de matemática, como análise combinatória, probabilidade e conjuntos”, destaca. O que pode confundir o candidato na hora é não saber identificar quais itens cobrarão cálculo de fato e quais exigirão dedução. “Estamos falando de uma prova que vai ter cinco questões apenas desse tema e elas estarão espalhadas. Talvez tenhamos duas de lógica dedutiva e argumentativa, e outras três de matemática”, afirma. O professor chama a atenção para a importância de estudar todo o edital e não tentar adivinhações. Para quem não tem tempo nem condições de estudar todos os assuntos do certame, a dica é separar os principais conteúdos e se dedicar, tendo paciência para compreender os temas abordados.

“Resolva questões anteriores das bancas Instituto de Desenvolvimento Educacional, Cultural e Assistência Nacional (Idecan) e Consulplan para ter condições de acertar nas respostas.” Para garantir bom desempenho em noções de informática, o professor de informática do Gran Cursos Online e bacharel em ciência da computação Maurício Franceschini orienta os candidatos a priorizarem conceitos e modos de utilização de aplicativos para edições de textos, planilhas e apresentações e os sistemas operacionais Windows e Linux. Entre esses, o último está entre os conteúdos mais complexos por não ser de uso comum aos participantes. Já questões sobre Windows costumam ser mais fáceis por se tratarem de um modelo presente no cotidiano dos concurseiros. Mas atenção! Saber usar um sistema ou programa não garante boa nota. O professor orienta os estudantes a resolverem questões anteriores da prova da AGU de 2014 e assistirem a videoaulas de informática.

“A garantia de melhor nota vem ao dominar a maior quantidade possível de assuntos. Portanto, recomendo que o candidato estude todo o conteúdo do edital, pois, assim, as chances de acertar serão maiores”, afirma Maurício. As 10 questões de conhecimentos gerais estão entre as mais exigentes, por abrangerem conteúdos diversificados. De acordo com o historiador e professor da disciplina no IMP Concursos Anderson Batista, é importante que os alunos se preocupem com três elementos fundamentais: conhecimento de mundo, meio ambiente e direitos humanos. Assuntos como Oriente Médio, islã e guerra civil da Síria são praticamente certeza dentro das questões. “Esse último é o maior conflito armado do século 21. Então, é importante que o estudante entenda, por exemplo, que esse país é governado por xiitas e que o Irã e a Rússia apoiam a nação.”

Além disso, ele destaca que é importante compreender o papel da Organização das Nações Unidas (ONU) e o funcionamento dela, assim como estudar os principais programas de agência da ONU e o Conselho de Segurança. É fundamental também revisar questões de direitos humanos. “Os candidatos devem estar atentos ao posicionamento do Brasil sobre a política dos direitos humanos”, afirma. Uma dica do professor é acompanhar as notícias, procurar artigos relacionados aos temas exigidos e se basear também em livros de geografia, economia e política no Brasil, desde que atuais. 

Para as questões de meio ambiente, o historiador ressalta que  o assunto “queridinho” das provas da atualidade tem sido a Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P). O programa, criado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), tem por objetivo promover e incentivar as instituições públicas do país a adotarem ações de responsabilidade socioambiental em atividades internas e externas.

Se esforçar até passar

 

O tecnólogo em logística Marcos Ramos, 28 anos, disputará uma das 10 vagas para analista técnico-administrativo. Baiano, ele  é servidor público do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) desde setembro de 2013. O candidato se diz confiante e, mesmo se for classificado, não desistirá de prestar outros certames com salário maior. “O concurso da AGU está sendo atrativo principalmente pela remuneração.” Marcos considera os conteúdos exigidos fáceis, mesmo assim, estuda quatro horas por dia para a prova. “ No ônibus e na hora do almoço, procuro dar uma lida”, conta. “Tenho focado bastante os conhecimentos específicos: direito administrativo e constitucional.

Passe bem / Raciocínio lógico


Em um setor de uma determinada empresa trabalham 30 pessoas, sendo 20 mulheres. Uma comissão de 3 funcionários será formada, de forma aleatória, por sorteio. A probabilidade de esta comissão ser formada por pessoas do mesmo sexo é, aproximadamente:
A) 17%
B) 20%
C) 27%
D) 31%
E) 35%

Comentário:
Note que temos 20 mulheres e 10 homens trabalhando na empresa. Queremos formar grupos de três funcionários. Para formar um grupo, a ordem de escolha das pessoas não importa (escolher as pessoas A-B-C é igual a escolher as pessoas B-C-A, concorda?). Assim, devemos realizar um cálculo de combinação.

Vale lembrar que probabilidade é sempre calculada assim:
Probabilidade = (casos favoráveis) / (total de casos)

O total de casos é simplesmente o número de grupos de três pessoas que podemos formar com 30 pessoas disponíveis, ou seja:
Total de casos = C(30,3)
Total de casos = (30x29x28)/(3x2x1)
Total de casos = 5x29x28
Total de casos = 4060

Existem dois tipos de casos favoráveis: grupos compostos SOMENTE por homens e grupos compostos SOMENTE por mulheres. Vejamos as quantidades:
- Grupos compostos somente por 3 dos 10 homens:
C(10,3) = (10x9x8)/(3x2x1)
C(10,3) = 10x3x4
C(10,3) = 120

- Grupos compostos somente por 3 das 20 mulheres:
C(20,3) = (20x19x18) / (3x2x1)
C(20,3) = 10x19x6
C(20,3) = 1140

Logo, o número de casos favoráveis é de 120 + 1140 = 1.260.

A probabilidade de escolher um desses casos favoráveis é:
Probabilidade = (casos favoráveis) / (total de casos)
Probabilidade = 1260 / 4060
Probabilidade = 0,31
Probabilidade = 31%

Questão retirada da prova da AGU de 2014, aplicada pelo Idecan, comentada pelo professor Arthur Rodrigues


Gabarito: letra D

O que diz o edital


Concurso público da 
Advocacia-Geral da União (AGU)
Inscrições: até 4 de novembro no site www.idecan.org.br; confira o edital em bit.ly/editalconcursoagu
Taxa: R$ 95
Salário: R$ 6.203,34
Vagas: 100
Provas: 9 de dezembro
Local: DF e os 26 estados
 
 

*Estagiária sob supervisão da subeditora Ana Paula Lisboa