Dicas de professores para se dar bem na interpretação da obras do PAS 1

Segundo especialistas, ainda há tempo de estudar e revisar os textos, músicas e peças artísticas. A leitura dos conteúdos, na íntegra, é fundamental para largar a disputa à frente

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/12/2018 20:34 / atualizado em 05/12/2018 20:47

Os candidatos que farão a primeira etapa do Programa de Avaliação Seriada da Universidade de Brasília (PAS/UnB), no próximo domingo (9), devem ficar atentos à matriz de referência com as novas obras. Os conteúdos foram revisados pelo Grupo de Sistematização e Redação Final do PAS/UnB no início deste ano e fazem parte do Subprograma 2018-2020. Ao todo, são 40 obras. 

Faltando quatro dias para o certame, professores de artes, literatura e música afirmam que ainda há tempo de estudar e que as obras não devem ser negligenciadas, pois representam boa parte das questões. Ler as obras e a matriz de referência é o primeiro passo para quem deseja recuperar o tempo perdido. 
 
 

Arquivo Pessoal

 

“A leitura da obra é insubstituível. Às vezes, o aluno encontra adaptação no cinema, resumos na internet. No entanto, a prova exige gerenciar bem o tempo e a leitura completa traz mais segurança. A matriz é um texto longo, mas direciona o olhar em relação ao que pode ser cobrado”, afirma César Romerito, professor de artes cênicas no Centro Educacional Sigma. 

A inclusão da peça brasiliense A Advogada que viu Deus, o Diabo e depois voltou para a Terra, do grupo G7, é uma das novidades na modalidade teatro, ao lado do clássico grego Ifigênia em Áulis, de Eurípides. A relação entre a tragédia grega, que remonta à origem do teatro e a peça contemporânea pode ser tema de algum item, alerta o professor César. “Um dos vieses que pode aparecer é a comparação entre os gêneros: a tragédia e a comédia, que tipos de personagem se trabalha em cada uma delas, o tipo de atuação, roteiro, cenário, figurino”, aposta. 

O aluno que quiser se dar bem na prova do PAS deve conectar bem as áreas do conhecimento. Os especialistas afirmam que a prova se caracteriza pela multidisciplinaridade. “O candidato não pode chegar na prova sem conhecer as obras, porque elas vão se relacionar com às questões de história, de sociologia e de filosofia.  Na parte de música em provas anteriores, por exemplo, caiu item de física e de matemática”, lembra o professor.

Professor de música no preparatório Exatas Paulo Ferreira acredita que as mudanças nas obras deixaram o PAS 1 mais diverso, mais plural. “Há essa discussão, principalmente na questão do respeito à diversidade cultural e de gênero de forma a fomentar o valor do respeito em sala de aula”, analisa. Segundo o professor, é importante que os alunos se atentem a obras que abordam a temática feminina, como a música Spiritus Sanctus de Hildegard Von Bingen, Brasiliana de Cláudio Santoro, regida por Ligia Amadio e a diversidade de gênero, representada pela banda Lineker e os Caramelows. 

O professor dá dicas de outros temas que podem cair. “Obras como Bumba Meu Boi do Seu Teodoro e a Festa do Divino em Pirenópolis podem ser usadas para analisar qual a importância da cultura na identidade de um povo”, acredita. 

Literatura teve mudança. Fique atento


A novidade nas obras de literatura é o livro “O velho da horta”, de Gil Vicente. A obra substitui Marília de Dirceu e se junta a clássicos como a coletânea de Gregório de Matos. Mais uma vez, a interdisciplinaridade deve ser cobrada. “O Velho da Horta é interessante porque é uma obra que permite intervenções de literatura, artes e até de história, por conta do contexto histórico do humanismo”, avalia o coordenador do ensino médio no Colégio Mackenzie, Ênio César de Moraes. De acordo com o graduado em letras pelo Centro Universitário de Brasília (Uniceub), a banca examinadora cobrou itens supondo adaptações de obras escritas para os palcos, o que pode ocorrer novamente. 

A experiência na prova do PAS mostra ao professor que o perfil das questões de literatura costuma ser parecido. “Gosto da abordagem que privilegia a compreensão e não a memorização. Raras vezes, encontrei na prova do PAS itens que cobrassem enredo da obra para saber se o candidato leu ou não. Oferecem um fragmento, do qual o candidato faz suas inferências e relações. A pessoa precisa assimilar a obra dentro de um contexto”, afirma. 

Faltando pouco tempo para a prova, Ênio recomenda a leitura das obras, na íntegra, pois elas trazem segurança e propriedade para analisar os itens mais complexos. No entanto, o momento é o mais apropriado para revisar. “Não é hora de tentar aprender o que não se aprendeu, mas de revisão, de leitura que traga à memória o que foi estudado. O aluno deve ler as provas passadas e tentar entender qual a abordagem”, finaliza. 
 


*Estagiário sob supervisão de Ana Sá