Enem

MEC vai colocar a redação na internet

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/01/2012 12:00

A edição de 2012 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), prevista para outubro, disponibilizará para consulta on-line as cópias autenticadas das redações corrigidas de todos os candidatos do país. O Ministério da Educação (MEC) informou ontem que a tecnologia utilizada já foi aprovada após teste e constará no edital deste ano. O acesso à prova, porém, não garantirá que o participante poderá recorrer da nota. Segundo a assessoria de imprensa do ministério, esse é um processo que ainda está em fase de análise.


O procurador da República no Ceará Oscar Costa Filho pondera que somente possibilidade de acessar a prova não resolve. Segundo ele, isso deveria fazer parte do princípio básico do direito de informação de cada candidato. Para o procurador, o MEC deveria continuar discutindo os problemas da edição de 2011 do Enem. “O exame é uma caixa-preta”, critica.

Ao permitir o acesso à prova, o MEC está agindo em cumprimento ao Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia da pasta responsável pelo Enem, e o Ministério Público Federal no Distrito Federal (MPF-DF), em agosto de 2011, e homologado pela Justiça Federal no DF.

O ministério testou a tecnologia conhecida como computação em nuvem durante o processo de inscrições do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Sem apresentar problemas, o procedimento será adotado pela pasta para o Enem. O conceito de computação em nuvem consiste na utilização da memória e das capacidades de armazenamento de servidores compartilhados e interligados por meio da internet, em que os dados podem ser acessados de qualquer lugar, a qualquer hora. A assessoria de imprensa do MEC afirma que o próprio ministério tem tecnologia e estrutura para isso.

Tendência
Segundo especialistas em ciência em computação, o mecanismo é uma tendência nos dias atuais, usado por grandes corporações. O especialista da Universidade de Brasília (UnB) Jorge Henrique Cabral afirma que a questão do sigilo deve ser estudada conforme o uso. Entretanto, de acordo com o professor de engenharia da computação da Unicamp Fernando José Von Zuben, não é possível antecipar o grau de segurança. “É um mundo totalmente novo”, afirma. Já o diretor de marketing da Associação Brasileira das Empresas de Software (Abes), Carlos Sacco, acredita que a escolha do MEC pela tecnologia de computação em nuvem foi inteligente. “É a agilidade que o processo necessita”, diz.

Desde 2009, quando o ministro Fernando Haddad modificou a estrutura do Enem e a prova se tornou principal porta de entrada para as universidades federais, candidatos enfrentaram problemas. No mesmo ano, houve vazamento do material impresso na gráfica contratada. Com isso, o Enem foi remarcado. Em 2010, os inscritos tiveram problemas por conta de erros de impressão nos cadernos da prova. No ano passado, houve vazamento de informações em um colégio do Ceará e erros na correção das redações.

ProUni registra 1,2 milhão de inscrições
O Ministério da Educação (MEC) divulgou um balanço parcial das inscrições do Programa Universidade para Todos (ProUni). Até as 18h de ontem, um total de 1.202.411 inscrições foram realizadas por 630.001 candidatos interessados na oferta de 195.030 bolsas de estudos integrais ou parciais em instituições particulares de ensino superior. Cada estudante tem a opção de concorrer em até duas opções de curso, por isso o número de inscrições é quase o dobro dos candidatos. As inscrições foram abertas no sábado e terminam na quinta-feira.