EMPREGABILIDADE »

Quer uma vaga de fim de ano? A época dos empregos temporários chegou!

O comércio deve ser o setor que mais contratará trabalhadores do tipo. Não é porque as oportunidades são sazonais que as exigências serão menores: é preciso demonstrar competência técnica e comportamental. Os que tiverem bom desempenho ainda podem ser efetivados ao fim do processo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/11/2018 15:35 / atualizado em 09/11/2018 20:47

A temporada dos empregos de fim de ano chegou. Com o desemprego do país em alta, essas vagas, mesmo que temporárias, são o sonho de consumo de muita gente. Então, tornam-se cada vez mais cobiçadas. Até porque os que se dedicarem durante a oportunidade sazonal têm muita chance de efetivação. A Associação Brasileira do Trabalho Temporário (Asserttem) calcula que estão sendo ofertadas 434.429 vagas desse tipo em todo o país. Só no comércio, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) estima a contratação de 72,2 mil pessoas. Sendo que os segmentos que mais contratarão são os de vestuário (47,9 mil vagas) e supermercados (11,5 mil vagas). 
 
 
Luandre/Divulgação
 

Pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) contabiliza que, até o fim do ano, aproximadamente 59,2 mil vagas serão abertas nos segmentos do comércio e serviços.
 
A estimativa da CNC é de que os salários alcancem R$ 1.230.  As seleções já começaram e continuam até dezembro. “As empresas fazem a divulgação ou usam plataformas de emprego. E cada uma tem processo seletivo próprio: umas usam dinâmicas de grupo, outras apenas entrevistas”, explica Marcia Avelar, diretora de Desenvolvimento Humano e Organizacional da NVH Talentos Humanos. Carolina Silva, coordenadora de Seleção e Recrutamento da consultoria de RH Luandre recomenda aos interessados ficarem atentos às páginas de busca. “Estamos em um mundo muito informatizado. Tem portais totalmente gratuitos que reúnem vagas de diversas empresas. Se há foco em uma específica, a recomendação é ir diretamente ao Trabalhe Conosco no site da empresa”, explica.
 
 
Unicesumar/Divulgação
 

Uma boa notícia para quem está em busca de um emprego temporário é que, neste período, a concorrência tende a ser menor. “Recomendamos a não encarar o fim de ano como férias. Muita gente não vai para os processos seletivos por viajar. O absentismo chega a 50% nas entrevistas”, explica. Carolina destaca que é preciso ter muita disposição. “Quando a empresa contrata um temporário, espere ter muito trabalho. É para sair da zona de conforto, atuar em horário estendido, em fim de semana. Então, tenha disponibilidade e bom humor”, indica. De acordo com Marcia Avelar, as pessoas não devem menosprezar essas chances pelo fato de elas serem temporárias. “Acho que os jovens não podem deixar isso passar. Às vezes, é a oportunidade de começar a carreira”, alerta. Professor de RH do Centro Universitário Unicesumar, Luciano Santana Pereira concorda.
 
 
Arquivo Pessoal
 

“Sempre brinco que o jogador de futebol não é contratado para o grande time antes de aprender a jogar. Da mesma forma, acontece na vida profissional. É nas pequenas oportunidades que construímos as grandes oportunidades”, afirma. Isso porque, para além de um trabalho de fim de ano, os especialistas garantem que as chances de efetivação depois são promissoras. Segundo a consultora de RH Carolina, as taxas de efetivação são altas. No ano passado, de acordo com a CNC, 23,1% dessas pessoas foram contratadas após o Natal. “Dependendo de uma série de coisas e da própria atuação do profissional, a vaga pode se tornar permanente”, destaca Luciano. “Cerca de 30% a 35% da mão de obra contratada pelos meus clientes são efetivados”, completa Marcia, que tem MBA em gestão de pessoas pela Faculdade Anhanguera Educacional.
 

Transforme o temporário em efetivo 

 

 

Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press
 


Segundo Carolina Silva, o principal para permanecer na empresa após o fim do ano é levar a oportunidade com seriedade. “Muitas companhias, devido às condições econômicas, atuaram durante o ano com uma equipe mais enxuta. Então, podem surgir vagas efetivas. O que é preciso é mostrar serviço e se destacar”, diz. Deixar claro para o empregador que você tem interesse e faz um bom trabalho é primordial. “Independentemente de a vaga ser temporária, a parte comportamental é muito observada. Proatividade, trabalho em grupo, prontidão... Certamente, tudo isso será visto. Principalmente em época de fim de ano em que tudo isso se faz muito necessário”, destaca a psicóloga Marcia Avelar. Para isso, Luciano enfatiza que é preciso se preparar.

“Eu recomendo a leitura de livros que permitam desenvolver autoconhecimento para identificar quais são suas competências. Você precisa saber resumir seu currículo oralmente de forma rápida, em um minuto. Tem de ter isso muito claro”, afirma. Não é porque a vaga é temporária que o recrutador será menos exigente: ele procura aqueles que tenham de fato algo a acrescentar à empresa. “A empregabilidade é quase garantida quando o profissional apresenta o conjunto de habilidades e atitudes que sejam de interesse do mercado”, diz. Com isso, o professor destaca que é importante identificar aquilo que se precisa melhorar. “Aí, é treino. Tem cursos de oratória e de habilidades comportamentais. Há várias palestras no YouTube e capacitações gratuitas na internet. Tem inúmeras ferramentas. Não ter como pagar não é desculpa para não se capacitar”, afirma.
 
 
Arquivo Pessoal
 

De acordo com Luciano, que também é coach e gestor de carreira, se a pessoa mostra um bom serviço, o empregador fará de tudo para ficar com aquele funcionário. “Pelo que acompanho, aqueles profissionais que realmente se dispõem e demonstram comprometimento, mesmo que não exista vaga, são efetivados: criam uma vaga para eles. Só que para isso acontecer, é preciso mostrar que você tem algo diferente”, afirma. Mesmo que a efetivação não ocorra assim que o contrato temporário acaba, ela pode vir depois ou, até mesmo, por indicação para outra empresa. “O network é muito importante. De repente, a instituição não consegue absorver a pessoa, mas ela pode indicar para outra que esteja precisando”, explica Carolina Silva. Esse foi o caso da vendedora Andresa Alves, 21 anos. Ela trabalhou duas vezes como temporária em lojas de roupa e calçados.

Na primeira experiência, foi por quatro meses. Na segunda, por 20 dias. A contratação veio quase um ano depois em outra loja, por indicação do antigo empregador. “Por meio do emprego temporário, o emprego fixo realmente pode surgir. E eu sempre mostrei o meu potencial como vendedora”, destaca ela que agora trabalha numa loja de calçados. Amanda de Araujo, 22 anos, é recepcionista em um shopping e também conseguiu a efetivação depois de ter atuado como trabalhadora temporária em maio de 2017, durante promoção do Dia das Mães. Com o bom desempenho, ficou para a do Dia dos Namorados. Após o fim do contrato, porém, foi chamada de volta. “Eu deixei um currículo e, um mês depois, me ligaram. Eu nunca imaginaria ser contratada pelo shopping, mesmo porque as vagas temporárias são administradas por terceirizadas”, diz. Amanda relata que foi uma ótima chance para conseguir algo fixo. “É uma oportunidade que surge para você ser visto”, afirma.
 

PALAVRA DE ESPECIALISTA »
Meus direitos
 
PSJ Advogados/Divulgação
 
 

Esse tipo de trabalho deve ser usado para suprir uma demanda complementar. O trabalhador temporário não é empregado, mas a lei assegura os direitos trabalhistas parecidos com os do contratado pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Ele tem quase todos os mesmos direitos, a exceção é o aviso-prévio e os 40% de multa do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). O contrato pode ter a duração de até 180 dias. Se for necessário, pode-se prorrogá-lo por mais 90 dias. Para as empresas a vantagem é a agilidade na contratação, porque ela contratará uma fornecedora de mão de obra que terá o compromisso de selecionar no mercado e encaminhar.

Paulo Sergio João, sócio do escritório PSJ advogados,mestre em direito do trabalho pela Université Catholique de Louvain-la-Neuve, na Bélgica

 

Ache sua vaga 
Para fazer a contratação de temporários, muitas empresas 
usam intermediários. Conheça alguns:

Agência privada de trabalho temporário da Employer RH

Randstad
Labor trabalho temporário
Acesse: www.labor.com.br

GP temporários - agenciadora de trabalho temporário

Gelre

Agência Dammas
Acesse: www.agenciadammas.com

Meta RH Mult Service
Vero RH

Grupo funcional

Grupo SRM soluções completas

Luandre - Soluções em recursos humanos

Vagas. com

Infojobs
 
 
 
 
 
Fonte: Luciano Santana Pereira,coach,gestor de carreiras,coordenador do curso de gestão de recursos humanos a distância do Centro Universitário Unicesumar
 
 


*Estagiária sob supervisão da subeditora Ana Paula Lisboa