Publicidade

Correio Braziliense GUIA DE CONCURSOS »

Confira dicas para passar no BRB

Um dos atrativos é a carga horária semanal de 20 horas para médico do trabalho e de 30 horas para os demais cargos. Confira dicas de estudo


postado em 14/05/2019 14:00 / atualizado em 27/05/2019 19:02

A espera para o Banco de Brasília (BRB) acabou. A entidade lançou dois editais com chances de nível médio e superior. Agora, os interessados precisam intensificar o ritmo de estudos e organizar a agenda a fim de revisar todos os conteúdos antes das provas, que serão em agosto. A banca organizadora é o Instituto Americano de Desenvolvimento (Iades). Os editais oferecem 112 oportunidades, além de cadastro de reserva. O primeiro concurso disponibiliza 100 vagas para o cargo de escriturário, que é de nível médio. Na segunda seleção, de nível superior, há 12 chances para analista de tecnologia da informação (10), engenheiro de segurança do trabalho (1) e de médico do trabalho (1).
 
 
Matheus concorrerá a uma vaga de escriturário(foto: Arquivo Pessoal)
Matheus concorrerá a uma vaga de escriturário (foto: Arquivo Pessoal)
 
Um aspecto bastante atrativo das oportunidades é a jornada de trabalho, que é de 30 horas semanais para todos os cargos, exceto para o de médico de trabalho, que deve trabalhar 20 horas por semana. O concurso terá provas objetivas e discursivas. A primeira, de múltipla escolha, terá 60 questões de conhecimentos específicos, de acordo com cargo e o concurso, e gerais: língua portuguesa, raciocínio lógico e matemático, governança corporativa e compliance, inovação, Lei Orgânica do DF e regime jurídico dos servidores do Distrito Federal, conhecimentos sobre o DF e sobre a realidade étnica, social, histórica, geográfica, cultural, política e econômica do DF e da Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (Ride). Para escriturário, há ainda mais uma disciplina de conhecimentos gerais: uso de tecnologias em ambientes corporativos. Para o cargo de nível médio, a prova terá quatro horas de duração. Já o teste de nível superior será de quatro horas e 30 minutos.

Matheus Evangelista de Sousa Santana, 22 anos, está de olho no cargo de escriturário. “A carreira me dará estabilidade financeira e realização pessoal”, afirma.Matheus trabalha numa transportadora como assistente comercial e administrativo. Mesmo assim, reserva cinco horas diárias e os finais de semana para os estudos. “Faço cronogramas e mapas mentais. Criei uma divisão do conteúdo por semana. Se concluir a meta do dia, tenho uma recompensa — geralmente, algo simples, como um doce. Também leio e assisto a videoaulas”, diz o graduado em administração. O morador de Valparaíso conta que têm mais dificuldade nas disciplinas que envolvem legislação.

Domine o conteúdo

 

A disciplina de raciocínio lógico e matemático é comum a todos os cargos e a segunda com maior número de questões na prova. “Não deixe de estudá-la. Você pode perder pontos! Fora que, na parte de conhecimentos específicos do cargo de escriturário, ainda constam análise combinatória, probabilidade e estatística”, observa Helder Monteiro, professor de matemática do IMP Concursos. Quanto à maneira de estudar, ele explica que basta ter um conhecimento básico para conseguir resolver os itens. “Sem a teoria, a prática é impossível. Na hora de treinar, resolva provas anteriores, principalmente, da banca organizadora. Isso fará com que você entenda o perfil dela”, aconselha. Segundo ele, os tópicos que o Iades mais costuma cobrar são: análise combinatória (que envolve princípios de contagem, arranjos, permutações e combinações), probabilidade, regra de três simples e composta, compreensão das estruturas lógicas (que envolve tabelas-verdade, negação, equivalências e tautologias) e lógica de argumentação.

Outra matéria de conhecimentos gerais é Lei Orgânica e regime jurídico dos servidores do Distrito Federal que, muitas vezes, é subestimada pelos candidatos. “São somente duas questões. É um concurso concorrido e você deve se diferenciar dos demais. Quem a menospreza pode perder pontos ou não passar por pouco”, alerta Eduardo Sampaio, professor de Lei Orgânica do Distrito Federal no Direção Concursos. “O edital é extenso, mas nenhum assunto pode ser desvalorizado na hora de estudar”, afirma. Graduado em direito pela Universidade de Fortaleza (Unifor), ele explica que o ideal é fazer um estudo direcionado. “A banca não vai cobrar todos os artigos. Então, é necessário que o candidato faça provas anteriores da banca para observar os temas que mais caem”, analisa. A dica final é estudar a lei e não decorá-la.

A novidade para alguns concurseiros são os itens de conhecimentos sobre o Distrito Federal e sobre a Ride. A dica da socióloga Rebecca Guimarães, formada pela Universidade de Brasília (UnB), é procurar o assunto nos sites do governo. “É essencial focar e fazer exercícios associados a temas históricos, geográficos, econômicos e políticos relativos ao DF e ao Entorno”, orienta. A professora do Gran Cursos Online cita ainda alguns fatos que o candidato precisa saber. “Brasília é a terceira cidade mais populosa do país, perdendo para São Paulo e Rio de Janeiro. O principal setor de economia é o terciário (corresponde às atividades de comércio de bens e à prestação de serviços). Não deixe de verificar as bacias hidrográficas do Distrito federal (Rio Descoberto, Rio Preto, Maranhão, São Bartolomeu, Corumbá, São Marcos) também”, orienta.

Disciplinas novas

 

As matérias que mais chamam a atenção no concurso do BRB são: uso de tecnologias em ambientes corporativos (somente para escriturários); governança corporativa e compliance; e inovação, pois não costumam ser cobradas em outros certames. Cristiane Jorge de Lima, professora de tecnologia da informação do Instituto Federal de Brasília, observa que a primeira dessas disciplinas nada mais é do que informática. “O assunto faz um percurso dos conceitos básicos da utilização de tecnologias, passando pelo pacote Office que explora a edição de textos (formatação, negrito, itálico, geração de sumários e conversão de formatos, como PDF)”, diz. “Estude mais de uma versão do pacote Microsoft Office, uma vez que o programa não traz a que será utilizada na prova. Isso também serve para os navegadores web, como Google Chrome e Internet Explorer”, afirma. Segundo ela, a computação em nuvem é um ponto atual e é importante saber os principais repositórios de dados, como Google e Dropbox. “Há serviços de nuvem corporativa e a segurança em nuvem pode ser um tópico explorado”, analisa.

Na disciplina governança corporativa e compliance, os tópicos noções de governança corporativa, gestão por processos, gestão de riscos e o plano de contingenciamento andam juntos. “A análise de relatórios gerenciais é requerida para tomada de decisão, que deve levar em consideração aspectos como segurança de dados e alta disponibilidade em banco de dados corporativos”, afirma a graduada em sistemas de informação pela Universidade Luterana do Brasil. “Esse contexto é um exemplo da aplicação da gestão de processos e gestão de riscos para utilizar a tecnologia em um eventual gerenciamento de crise para manter as informações seguras”, observa. Cristiane chama a atenção para a importância de estudar a legislação correlata: Lei nº 12.846/2013, Lei nº 13.303/2016 e Decreto n 8.420/2015. “Essas normas podem ser entendidas por meio de mapas mentais.” Já para a parte de inovação, a professora do IFB orienta sobre a necessidade de compreender o que é inovação. “Os conceitos de inovar e inventar são requeridos. O concurseiro deve ter condições de responder as questões, considerando como funciona o processo de geração de ideia”, observa.

O que dizem os editais


Concursos públicos do Banco Brasil
Inscrições: entre 9 de junho e 15 de julho no site www.iades.com.br/inscricao; acesse os editais em bit.ly/editalbrb1 e bit.ly/editalbrb2
Taxa: R$ 56
Cargos: escriturário, analista de tecnologia da informação, engenheiro de segurança do trabalho e médico do trabalho
Níveis: médio e superior
Salários: R$ 3.126,31 (escriturário), R$ 7.690,22 (analista de tecnologia da informação), R$ 9.873,24 (médico do trabalho) e R$ 11.041,46 (engenheiro de segurança do trabalho)
Vagas: 112, sendo 100 de escriturário, 10 de analista de tecnologia da informação (10), uma de médico do trabalho e uma de engenheiro de segurança do trabalho; além de cadastro de reserva
Provas objetivas e discursivas: 18 de agosto (escriturário) e 25 de agosto (demais cargos)
Local: Brasília

 

*Estagiária sob a supervisão da subeditora Ana Paula Lisboa

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade

MAIS NOTÍCIAS

publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade