Publicidade

Correio Braziliense GUIA DE CONCURSOS »

Confira dicas e conquiste sua vaga no TRF4

Professores dão orientações para quem quer passar no tribunal, que oferece oportunidades para ensino médio e superior. Salários são de R$ 7,5 mil e R$ 12,4 mil para cada nível de escolaridade, respectivamente.


postado em 17/06/2019 14:00 / atualizado em 17/06/2019 18:35

O concurso do Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região está com as inscrições abertas para a formação de cadastro reserva. Os aprovados vão trabalhar na sede, em Porto Alegre, e nas seções, nos estados de Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Os candidatos de ensino médio poderão concorrer ao cargo de técnico judiciário, para atuar nas áreas administrativa, de segurança e transporte (necessário ter carteira nacional de habilitação) e de tecnologia da informação. As chances de ensino superior são para a posição de analista judiciário, nas seguintes especialidades: judiciária e oficial de justiça avaliador federal, sistemas de tecnologia da informação, e infraestrutura em tecnologia da informação. A primeira é para graduados em direito. A segunda e a terceira áreas podem ser ocupadas por candidatos que tenham feito especialização em tecnologia da informação.
 
 
Michelle Sanabria começou a estudar para o concurso mesmo antes da abertura do edital(foto: Arquivo Pessoal)
Michelle Sanabria começou a estudar para o concurso mesmo antes da abertura do edital (foto: Arquivo Pessoal)
 
No último concurso do órgão, em 2014, também para cadastro de reserva, houve 78.145 inscritos e 594 candidatos nomeados. Então, é preciso se preparar bastante para ter bom desempenho na avaliação. A parte objetiva será composta por 50 questões, sendo 20 de conhecimentos gerais e 30 de conhecimentos específicos. Português e raciocínio lógico-matemático são matérias comuns a todos os cargos. A parte discursiva será um estudo de caso com duas perguntas, de até 20 linhas cada uma. A exceção é a prova para técnico judiciário, que terá uma redação. 

Raciocínio lógico 

 

Maicon Roque, professor de raciocínio lógico do Processus Concursos, acredita que a FCC costuma enfatizar quatro assuntos: lógica proposicional, razão e proporção, conjuntos numéricos e porcentagem. “A melhor forma de estudar é resolvendo os certames anteriores do mesmo órgão”, ressalta. “Análise combinatória e probabilidade são os assuntos em que percebo confusão maior por parte dos alunos, uma vez que a banca pode variar bastante a forma de cobrar esses conteúdos”, explica. O professor considera que o estudante pode se preparar melhor dando ênfase à resolução de questões de provas anteriores. “A banca mantém um padrão de cobrança. O candidato que usar o método ativo de estudo, ou seja, resolver avaliações, com certeza terá destaque no certame.”
 

Dicas em direito

 

Na avaliação de Edilson Vitarelli, que dá aulas de direito administrativo no mestrado da Universidade Católica de Brasília (UCB), o ponto central do certame serão as leis e o funcionamento do TRF-4. “É importante ter um bom domínio da legislação, principalmente para as provas de ensino superior. Além disso, é essencial saber acompanhar as súmulas do Supremo e o resumo das decisões do tribunal para atingir bons resultados”, comenta. Manter-se atualizado é mais que necessário. “É fundamental entender como os tribunais costumam agir em determinados assuntos. É algo bem recorrente de ser cobrado nesse tipo de exame”, afirma.

“Indico que a pessoa leia as leis e tente resumi-las em uma linha cada uma. Assim, produz um material que pode ajudar na memorização e na releitura, caso seja necessário fazer uma revisão”, indica. O professor pondera que estudar tudo o que está no edital não é necessariamente a melhor estratégia. “Às vezes, o concorrente tem a intenção de cobrir o conteúdo e acaba não conseguindo realmente aprender. O importante é estudar o que der, contanto que estude bem”, diz. Maurício Muriack, professor de direito constitucional do Centro Universitário de Brasília (UniCeub), acredita que concursos como o do TRF4 costumam cobrar a parte mais básica da disciplina, mas é importante, sim, prestar atenção ao edital.

“O certame deve ter questões sobre separação de poderes, competências e garantias constitucionais do Judiciário”, diz. “É indicado ler a Constituição em si e acompanhar os informativos do próprio tribunal, pois é comum cobrarem questões que envolvam assuntos que estão em alta, por exemplo, o privilégio de foro”, comenta. “Concentrar-se no estudo da disciplina em si e fazer testes anteriores ajuda. Dessa forma, o concorrente compreende a maneira como a banca, a Fundação Carlos Chagas (FCC), elabora as questões”, afirma. “Além disso, esses exames anteriores não costumam ser muito diferentes entre si.”

Pela aprovação 

 

Michelle Sanabria, 26 anos, cursou direito na FAE Business School, em Curitiba, e concorrerá ao cargo de analista judiciário. Assim que passou no exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), este ano, ela começou a se preparar para o concurso, mesmo antes de o edital ter sido publicado. “Eu estava esperando bastante, era o certame que eu mais aguardava em 2019. Estudo para concurso há dois anos e sempre almejei o cargo de analista judiciária”, diz. Ela conta que se prepara, em média, por nove horas diárias para o concurso. “Costumo estudar três horas pela manhã, três à tarde e mais três à noite. É puxado, mas acredito que, no fim, tudo vai dar certo, não posso perder essa oportunidade”, explica.

Michelle faz curso preparatório pela internet para conseguir se primorar nos conteúdos em que sente mais dificuldade. “Não sou tão familiarizada com algumas matérias, por isso optei por buscar orientação. Além disso, durante as aulas, resolvo questões anteriores com os professores”, comenta. Para a candidata, a maior dificuldade está nas perguntas que envolvem raciocínio lógico. Ela acredita que domina os temas de direito administrativo e constitucional. A estudante conta que também costuma fazer resumos para ajudar na memorização dos conteúdos.

O que diz o edital


Concurso para formação de cadastro reserva no TRF 4 
Inscrições: até 26 de junho pelo site 
Taxas: R$ 61 (nível médio) e R$ 71 (nível superior)
Salários: R$ 7.591,37 (nível médio) e R$ 12,455,30 (nível superior)
Vagas: cadastro reserva
Provas: 4 de agosto (objetiva e discursiva) e 3 de novembro (de capacidade física para a área de segurança e transporte)
Locais: diversas cidades em Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná

Curso gratuito para se preparar


 O Gran Cursos On-line oferece evento gratuito direcionado para a prova do TRF4. Os candidatos terão a oportunidade de revisar conteúdos, responder questões de provas, além de acessar dicas voltadas para a especialidade tecnologia da informação. As inscrições podem ser feitas automaticamente ao acessar o link bit.ly/2KIfDeE. As aulas começam amanhã (17), às 20h, e terminam na quinta-feira (20), às 10h. A programação será direcionada para as áreas de segurança e transporte.

 

*Estagiária sob supervisão da subeditora Ana Paula Lisboa

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade

MAIS NOTÍCIAS

publicidade
publicidade
Semesp é a favor do programa Future-se 18:09 - 17/07/2019 - Compartilhe

Semesp é a favor do programa Future-se

publicidade
publicidade
publicidade
95.862 pessoas farão o Enem 2019 no DF 18:45 - 15/07/2019 - Compartilhe

95.862 pessoas farão o Enem 2019 no DF

publicidade