Publicidade

Correio Braziliense ENTREVISTA ANJA MEINEN

Em entrevista, a alemã Anja Meinen explica a constelação estrutural

O método é usado para resolver problemas, segunda a psicóloga. Ela estará em Brasília para ministrar módulo de pós-graduação da Escs sobre o assunto. Mesmo quem não faz o curso pode participar, como aluno especial


postado em 08/07/2019 14:00 / atualizado em 07/07/2019 17:32

Anja Meinen, 46 anos, psicóloga formada pela Universidade de Giessen, na Alemanha, virá a Brasília em novembro para ministrar um módulo da especialização em sistêmica fenomenológica familiar da Sistêmica Consultoria e da Escola Superior de Ciências da Saúde (Escs). A alemã abordará a área em que é especialista: a constelação estrutural, uma das vertentes da constelação sistêmica. Interessados poderão se inscrever para o módulo ministrado por ela de forma individual ou participar da pós completa da Escs. Ela foi aprendiz de Elisabeth Ferrari, consultora de negócios sistêmica que faleceu em fevereiro de 2019 e era parceira de Insa Sparrer e Matthias Varga von Kibéd na internacionalização do método. Anja viaja para muitos países a fim de ministrar treinamentos sobre a temática. Trabalha como coach e consultora e é diretora do Instituto JaVisio.
 
(foto: Sistêmica Consultoria/Reprodução)
(foto: Sistêmica Consultoria/Reprodução)
Constelação sistêmica é um método terapêutico, desenvolvido pelo alemão Bert Hellinger, que ajuda as pessoas a entenderem como as emoções influenciam a tomada de decisões. A primeira turma de especialização na área oferecida pela Escs se formou em março de 2018, quando a pós-graduação foi reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC). Agora, o curso já está na segunda turma. Com esse reconhecimento, o Ministério da Saúde legitimou a constelação sistêmica como uma das práticas integrativas ofertadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), incluindo-a na Política Nacional das Práticas Integrativas Complementares (PNPIC). Em geral, o serviço no Brasil ainda é caro e pouco acessível, e o método disponibilizado pelo SUS é voltado apenas para resolver conflitos familiares. A ferramenta é bastante conhecida também no meio judiciário, em que é utilizada para mitigar conflitos familiares e de outros tipos, por exemplo.

Qual o principal objetivo da constelação estrutural?
Nesse método, buscamos auxiliar a pessoa a entender o que o está incomodando em algum aspecto da vida e a ter uma visualização externa da situação. Então, depois de projetar os caminhos e resultados, o próprio cliente chega a uma conclusão. Com esse mecanismo, sistemas podem ser representados no espaço, envolvendo pessoas ou símbolos. Resumidamente, é um recurso para que o indivíduo entenda o problema que está inserindo e consiga externar isso para, então, solucioná-lo.

Como esse método pode ajudar no âmbito profissional?
O foco é identificar e resolver o problema, não importa a natureza dele. Por exemplo, se alguém trabalha em um ministério, em uma instituição de educação ou em uma empresa e tem um problema, seja intra, seja interpessoal, e não enxerga uma saída, a constelação estrutural pode ajudar. Provavelmente, quem tem um obstáculo tem um objetivo. Então, estabelecemos quais são as metas e o que está atrapalhando o cliente a atingi-las. Junto à pessoa, abrimos o quebra-cabeça e colocamos os elementos envolvidos. Dessa forma, os possíveis caminhos ficam mais claros.

Qual o perfil das pessoas que deveriam buscar a constelação?
Acho que todas as pessoas deviam passar por uma constelação, principalmente por causa da experiência por trás do processo. Eu mesma passei por várias, umas 100 ou mil até! E é incrível estar do lado de uma pessoa quando ela consegue visualizar a solução. Ela brilha e diz: “É isso! Agora sei o que fazer.” Além disso, o método se aplica a várias áreas: o indivíduo pode resolver problemas psicológicos, familiares, empresariais ou de negócios, sociais e profissionais. Todas as constelações terminam com a frase: “Agora eu tenho uma ideia de como proceder”.

O que diria para as pessoas que ainda enxergam o método como algo que envolve misticismo? 
Venha conhecer. Porque, na verdade, não tem nada a ver com isso, e essa visão é ultrapassada. Tem muita pesquisa por trás disso que estou representando aqui. Estudamos como devemos proceder, como nos comportar e como intervir nos fatos e montar o sistema da melhor forma para o paciente. A constelação estrutural segue uma base lógica. Se as pessoas que pensam que tem algo a ver com misticismo sentarem para conversar com quem entende do assunto, verão que é tudo uma questão de lógica.

Os brasileiros são receptivos ao método?
Sim, bastante. Inclusive, acredito que eles deviam vir e participar dos próximos módulos do curso. Pelo que estou vendo, é algo novo no mercado brasileiro, e as pessoas estão bem interessadas em aprender o método. E não apenas profissionais de saúde: vejo muitos alunos do curso que são gerentes de empresas, professores, entre outros. Então, os brasileiros podem se inscrever com o objetivo de realmente aprender a técnica para aplicar em alguma área da vida, ou simplesmente para conhecer, já que é algo inovador e em crescimento no país.

Tem algum caso de aplicação da constelação estrutural que foi marcante para você?
Tive uma constelação bem interessante que ocorreu na Eslovênia. Foi um cenário que envolveu bastante política. Uma profissional que trabalhava no sistema político do país queria ajudar uma região a crescer economicamente, pois era uma área que estava em uma situação difícil na época. No entanto, todas as soluções em que ela conseguia pensar já haviam sido testadas e falharam, pois as partes politicamente envolvidas no caso não estavam dando atenção à situação. A partir da constelação, ela concluiu que era necessário juntar todos os envolvidos e apresentá-los uns aos outros. Assim, seria possível pensar em respostas juntos e fazer a economia crescer novamente. Foi muito legal ver essa profissional durante a constelação chegar ao resultado sorrindo e com uma expressão de “Nunca tinha pensado nisso antes”. No fim, ela atingiu os objetivos desejados.

Participe


Entre 6 e 10 de novembro, Anja Meinen estará de volta a Brasília para módulo de 40 horas de novas aulas de constelação. Interessados em participar do curso, podem se inscrever por meio do site www.sistemicaconsultoria.com. O investimento, com desconto de 15%, é de R$ 3.796 até 6 de outubro, e a taxa de inscrição é de R$ 150. Confira outras datas de aulas da pós da Escs e da Sistêmica Consultoria: em 25 e 29 de setembro, com Franz Ruppert; e, em 4 e 8 de dezembro, com Marianne Franke.

Entenda

A constelação sistêmica estrutural é uma vertente da constelação sistêmica. O método foi desenvolvido pelos alemães Ina Sparrer e Matthias Varga von Kibéd como uma abordagem focada na solução de problemas e impasses. Utiliza linguagem e representação para ajudar pessoas a visualizarem uma situação e, a partir daí, encontrar uma maneira de resolver algum empecilho pessoal ou profissional. O objetivo é ilustrar um cenário, investigar uma saída mais vantajosa e mudar o sistema para a direção desejada. Pode ser utilizado em várias áreas, como: terapia, aconselhamento, mediação e supervisão para promover processos de aprendizagem, entre outros.

Leia!

 

 

 

 

Constelações familiares na advocacia — uma prática humanizada
Autor: Bianca Pizzatto
Manuscritos Editora
224 páginas
R$ 69,90
 
 

 
 
 
 
 

Constelações sistêmicas: diversos olhares para diferentes realidades
Autor: Ana Lucia Braga
Editora Appris
339 páginas
R$ 62 
Fonte: Anja Meinen 
 
 



*Estagiária sob supervisão da subeditora Ana Paula Lisboa 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade

MAIS NOTÍCIAS

publicidade
publicidade
publicidade
MEC lança diploma digital 20:01 - 10/12/2019 - Compartilhe

MEC lança diploma digital

publicidade
MEC lança diploma digital. Acompanhe ao vivo 15:04 - 10/12/2019 - Compartilhe

MEC lança diploma digital. Acompanhe ao vivo

publicidade
Começa a primeira edição da FeLiB 14:46 - 09/12/2019 - Compartilhe

Começa a primeira edição da FeLiB

publicidade