Publicidade

Correio Braziliense GUIA DE CONCURSOS »

Quer passar no concurso do Crea/GO?

Conselho está com inscrições abertas para preenchimento de 289 vagas de ensino médio e superior, sendo 38 efetivas, para Goiânia e outras 28 cidades do estado. Salários podem chegar a quase R$ 9 mil


postado em 09/09/2019 14:00 / atualizado em 08/09/2019 14:40

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Goiás (Crea/GO) está com inscrições abertas até esta segunda-feira (9) para concurso público de nível médio e superior. Ao todo, são oferecidas 289 vagas, sendo 38 efetivas e 251 cadastro reserva. Há chances de atuação na capital, Goiânia, e em outras 28 cidades do interior goiano.

Para o professor Eduardo Henrique, foco na reta final deve ser em disciplinas com maior número de itens(foto: Arquivo Pessoal)
Para o professor Eduardo Henrique, foco na reta final deve ser em disciplinas com maior número de itens (foto: Arquivo Pessoal)
As vagas de nível médio são para agentes de fiscalização, com lotação na capital e salário de R$ 3.284, e administrativo com remuneração de R$ 2.160,21, para atuar em várias cidades: Águas Lindas de Goiás, Anápolis, Aparecida de Goiás, Aragarças, Caldas Novas, Catalão, Campos Belos, Cristalina, Ceres, Formosa, Goiás, Goiânia, Goiatuba, Goianésia, Ipameri, Itumbiara, Iporá, Jataí, Luziânia, Mineiros, Minaçu, Morrinhos, Palmeiras de Goiás, Pires do Rio, Porangatu, Quirinópolis, Rio Verde, Santa Helena e Uruaçu. Ao todo, são 224 vagas para nível médio, sendo 24 efetivas e 200 cadastro reserva.

Já para o nível superior, são 65 vagas para analistas de área e de fiscalização, sendo 14 efetivas e 51 cadastro  reserva, com salários entre R$ 4.666 e R$ 8.514. Há oportunidades de analista de área para graduados em qualquer formação, bem como oportunidades específicas para advogados, técnicos da informação e contadores. Para analista de fiscalização, as chances são para engenheiros agrônomos, engenheiros eletricistas e engenheiros mecânicos.

Para todos os cargos, há benefícios como auxílio-alimentação, plano de saúde, vale-transporte, licença-maternidade, folga na data de aniversário e licença-paternidade. O resultado final do concurso, de acordo com o edital, está previsto para dezembro deste ano.

Conteúdos cobrados

Todas as modalidades incluem provas objetivas de conhecimentos básicos em língua portuguesa e complementares em legislação do sistema Confea (Conselho Federal de Engenharia e Agronomia)/Crea e de gestão da qualidade. Analistas da área de tecnologia da informação, no que tange aos saberes básicos, são os únicos que serão avaliados em língua inglesa, em vez de noções de informática. Todos os cargos de nível superior terão, também, avaliação discursiva e de conhecimentos específicos. Apenas as vagas de nível médio cobrarão raciocínio lógico e matemático e legislação e ética na administração pública. Em todas as fases de todos os cargos, o caráter da prova é eliminatório e classificatório.

O professor Eduardo Henrique, que atua na preparação de concursos há 20 anos em Goiânia e Brasília, acredita que conhecer a banca responsável pelo certame é fundamental. “O Instituto Quadrix cobra reconhecimento de itens certos e errados, mas há penalização para aqueles marcados incorretamente. Então, é preciso tomar cuidado e responder com segurança para não perder pontos importantes”, afirma. O professor, que tem experiência nas disciplinas de informática, arquivologia, raciocínio lógico e redação, destaca a importância de interpretar o que está sendo pedido. “A banca não deixa a desejar em termos de elaboração das questões.”

Preparação

Visando a vaga de agente administrativa em Goiânia, a professora Juliana Santos estuda por dois períodos diariamente, das 8h às 16h. Ela, que trabalha em escola particular e também é pedagoga, está fazendo curso preparatório. “Assisto às aulas, faço os exercícios e leio o material dado pelo curso”, comenta. Juliana estuda para concursos públicos há dois anos e meio e passou a se preparar para o Crea desde que o certame foi autorizado. Ela destaca a importância de valorizar cada conteúdo, sem priorizar um em detrimento de outro. “Não tem um que seja mais importante. Na verdade, são complementares”, afirma.
 
Na reta final de preparação, a dica do professor Eduardo Henrique é direcionar os estudos na legislação específica que será cobrada. “É importante que os candidatos, tanto de nível médio como de superior, neste momento, foquem os estudos nas disciplinas com mais itens e que pontuam mais.”

O professor Ismael Noronha leciona em cursos preparatórios de Brasília, com ênfase em direito constitucional e tributário, regimentos internos e legislações específicas para concursos. Ele, que é analista de comércio exterior no Ministério da Economia, concorda com o colega Eduardo e acrescenta que, embora as leis previstas não sejam difíceis, a cobrança se dará por meio de trechos alterados ou de perguntas em relação à aplicação direta. “Não existe nenhuma fórmula especial, conteúdo de legislação exige leitura. É preciso ler de duas a três vezes. Resolver questões de concursos anteriores também pode ajudar na hora dos estudos.”

A professora Carolina Andrade, que dá aulas de legislação específica em curso preparatório de Goiânia, acredita que muitos candidatos têm chance de aprovação no concurso do Crea. “A prova não foi, em geral, muito divulgada. Então, as chances são altas, sobretudo para quem está se preparando há um tempo”, opina. “O pulo do gato, nessa reta final, é focar nas disciplinas específicas dos cargos e na legislação. O mais importante é a repetição por meio de exercícios. Funciona tanto para a saúde física como para a aprovação em concursos.”

Dicas 


O professor Eduardo aponta a importância da boa gerência do tempo nos dias que antecedem o concurso. “Utilizar, da melhor forma possível, o tempo de estudos, em intervalos de almoço, no trabalho e no trânsito. É possível usar mídias, aulas virtuais, apostilas com resoluções comentadas e fazer bastante exercícios”, destaca. Ele também chama a atenção para o momento da prova. “A prova não é de longa duração nem muito cansativa, mas acontece de o candidato se sobrecarregar de trabalhos e estudos e, na hora do concurso, perder para o desgaste, físico e mental”, aponta. “É necessário manter a calma, hidratar-se, descansar bem nos últimos dias e tentar otimizar o tempo de resolução.”

O que diz o edital? 

Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Goiás (Crea/GO)
Inscrições: até esta segunda-feira, 9 de setembro, no site www.quadrix.org.br.
Taxas: R$ 60 (nível médio) e R$ 110 (nível superior)
Vagas: 289: 38 efetivas e 251 cadastro reserva.
Salários: entre R$ 2.160,21 e R$ 8.514,45.
Provas objetiva e discursiva: 29 de setembro
Locais de prova: Goiânia, Formosa, Porangatu, Goianésia, Rio Verde, Catalão e Campos Belos 

Passe bem / Legislação 

Os contratos referentes a qualquer ramo da engenharia, quando firmados por entidade pública ou particular, com pessoa física ou jurídica não legalmente habilitada a praticar a atividade de engenharia, serão:
A) nulos de pleno direito.
B) anuláveis.
C) válidos inter partes.
D) válidos erga omnes.
E) sanáveis.

Comentário: A questão apenas cobrou o conhecimento direto do art. 15 da lei 5.194/66. São nulos de pleno direito os contratos referentes a qualquer ramo da engenharia, arquitetura ou da agronomia, inclusive a elaboração de projeto, direção ou execução de obras, quando firmados por entidade pública ou particular com pessoa física ou jurídica não legalmente habilitada a praticar a atividade nos termos desta lei.

Questão retirada do último concurso para o Crea/GO, aplicado em 2014 pelo Instituto Nacional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Ineaa), comentada pelo professor Ismael Noronha. 
 

*Estagiária sob supervisão da subeditora Ana Paula Lisboa

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade

MAIS NOTÍCIAS

publicidade
Confira live de línguas estrangeiras no Enem 12:34 - 21/10/2019 - Compartilhe

Confira live de línguas estrangeiras no Enem

publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade