Trabalho e Formacao

Reinvenção para superar a crise

89% dos pequenos negócios do país já enfrentam queda no faturamento devido às medidas de isolamento sanitário. Confira 30 dicas para os negócios e descubra como 10 empreendedores de Brasília estão passando por este período difícil

postado em 19/04/2020 04:10
Descobrir como 
equilibrar as contas e honrar compromissos em meio ao caos é o grande desafio de empreendedores

A crise gerada pela pandemia do novo coronavírus vai além da saúde e impacta todas as áreas da vida em sociedade. O cenário econômico é um dos mais afetados perante as recomendações de distanciamento para a proteção da população. Com a suspensão de parte das atividades comerciais e das aglomerações, profissionais autônomos e pequenas empresas foram gravemente prejudicados.

Seguindo orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, foi um dos primeiros a tomar medidas a favor do isolamento para o combate da doença. Em Brasília, o comércio não essencial deve permanecer fechado até 3 de maio. O prazo das restrições pode ser prolongado segundo os rumos da pandemia.

De acordo com pesquisa do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), 89% dos pequenos negócios já enfrentam queda no faturamento devido às medidas de isolamento no país. Foram entrevistados 9.105 empreendedores, sendo que 36% deles afirmam precisar fechar a empresa permanentemente em um mês, caso as restrições permaneçam por mais tempo.

Gestor de Negócios Digitais do Sebrae, Lúcio Pires pontua que o primeiro passo a ser dado para que empreendimentos menores consigam sobreviver à crise é reduzir os gastos internos. Uma das alternativas no momento é antecipar férias dos funcionários, medida permitida durante o estado de calamidade pública pela Medida Provisória n; 927 de 22 de março de 2020. ;A maioria dos donos de bares e restaurantes com quem conversei aderiu a esse recurso;, comenta.

O segundo passo é também uma angústia para empreendedores: descobrir como continuar vendendo. A internet pode ser a saída. Buscar atender as necessidades da comunidade local também é válido. As pesquisas por termos como ;perto de mim; e ;perto daqui; no Google aumentaram nas últimas semanas. ;A chave é descobrir quais são as novas necessidades que surgem em tempos de coronavírus;, declara Lúcio, que estudou negócios exponenciais na Singularity University, nos EUA.


Sem noção de futuro

A incerteza é o que mais preocupa especialistas. Enquanto não soubermos quando a normalidade se reestabelecerá, não há como calcular o tamanho do impacto. Para o economista Newton Marques, graduado pela Universidade de Brasília (UnB), o contexto atual se assemelha, em muitos aspectos, a um momento de conflito armado, em que soluções excepcionais se fazem necessárias.

;Nesta situação, não há soluções convencionais. Após uma guerra, é necessário reconstruir tudo. Então, são tomadas atitudes diferentes;, expõe. Uma das medidas adotadas pelo governo federal que se alinha a ideias de um plano econômico de guerra é o pagamento de um auxílio emergencial de R$ 1.200 a mães que sustentam o lar sozinhas e de R$ 600 a trabalhadores sem carteira assinada, autônomos, microempreendedores individuais (MEIs), desempregados e beneficiários do Bolsa Família.

Para o economista, apesar de o apoio ser importante, não atenderá integralmente todos os beneficiários. É nesta hora que o empreendedor precisará saber como usar esse dinheiro e abusar da criatividade. ;Você pode pegar o que fazia antes e ampliar os serviços, por exemplo;, aconselha Newton, membro do Conselho Regional de Economia do Distrito Federal (Corecon).
*Estagiária sob supervisão da subeditora Ana Paula Lisboa

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação