Trabalho e Formacao

Trabalho remoto em plena expansão

postado em 05/07/2020 04:09
Kelen Reis, diretora de RH de uma empresa de saúde

A Baxter, empresa global da área de saúde com filial em São Paulo, está planejando o retorno ao trabalho presencial com uma novidade: a companhia adotará um esquema de rodízio, mesclando trabalho presencial e remoto. A diretora de recursos humanos da empresa, Kelen Reis, explica que, antes da pandemia, os funcionários tinham a opção de fazer home office uma vez por semana.

Graças à experiência positiva com o trabalho a distância durante o isolamento social, a Baxter decidiu expandir essa cultura. ;A gente percebeu que continua trabalhando bem de casa. Então, não faz sentido ter colaboradores indo quatro ou cinco vezes por semana ao escritório. Isso ficou para trás;, diz. ;A ideia é de que a equipe faça home office dois ou três dias semanalmente.;

Ela ressalta, no entanto, que a empresa não pretende adotar o trabalho remoto em tempo integral. ;Neste momento, não é algo que estamos discutindo;, pontua. ;Para nós, mesmo que o home office seja ampliado, faz todo sentido ter um ponto de referência, um local onde a gente possa se encontrar.; Kelen, que tem MBA pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP), conta que, pouco tempo antes de começar a quarentena, a Baxter decidiu mudar o escritório para um espaço menor e mais moderno.

Ainda não há data definida para o retorno, que deve ocorrer de forma gradual e opcional, como explica a diretora de RH. ;No princípio, retornarão, no máximo, 20% dos funcionários, e o intuito é fazer pequenas equipes que vão se revezar a cada semana. Além disso, a decisão de retornar ou não, neste momento, será do colaborador.; De acordo com Kelen, a empresa ;não tem pressa para retornar ao trabalho presencial, porque a maior preocupação é com a saúde e a segurança do funcionário;.

Para manter a equipe engajada

A fim de ter contato em meio ao isolamento social, a Baxter tem organizado eventos on-line, como happy hours. ;Na confraternização do RH, por exemplo, um dos diretores tocou guitarra. As equipes têm feito isso de uma maneira muito criativa e o retorno que temos recebido é de que, mesmo de longe, nunca estivemos tão conectados;, conta Kelen.

Outra iniciativa foi a criação de um ;show de talentos;, em que, a cada semana, um funcionário apresenta uma habilidade durante a live. ;Pensando na saúde mental dos colaboradores, a empresa também lançou aulas de meditação e ginástica laboral virtuais e criou um canal de comunicação específico para passar orientações de saúde e bem-estar;, conta Kelen.


"A gente percebeu que continua trabalhando bem de casa, então, não faz sentido ter colaboradores indo quatro ou cinco vezes por semana ao escritório. Isso ficou para trás;
Kelen Reis, diretora de RH de uma empresa de saúde


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação