Recepção de boas-vindas na UnB surpreende calouros

Os estudantes foram recebidos pela reitora Márcia Abrahão e pela atriz e poetisa Elisa Lucinda

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/03/2018 15:09 / atualizado em 07/03/2018 17:54

Na manhã desta quarta-feira (7), 800 calouros (5.129 mil aprovados no primeiro semestre) da Universidade de Brasília (UnB) foram recepcionados no Centro Comunitário Athos Bulcão para uma aula inaugural - eram esperados 1500 alunos. O evento faz parte da semana de Boas-vindas aos calouros e teve a atriz, cantora, poeta e ativista da Organização das Nações Unidas (ONU Brasil), Elisa Lucinda, como convidada para palestrar aos estudantes. 
 

 
Eles foram recebidos por autoridades importantes da universidade, como a reitora Márcia Abrahão, que ressaltou a importância de uma formação acadêmica voltada para o benefício do país. “O Brasil espera contar com esses alunos para as mudanças necessárias. Confia que eles irão retornar após esses anos com algo ainda maior que o conhecimento”. 
 
Márcia destacou as restrições orçamentárias e a semelhança no cenário político e econômico do Brasil com a universidade. No entanto, fez questão de mostrar as inúmeras oportunidades que os alunos terão durante o período da graduação, como “os projetos de extensão, de pesquisa e assistência estudantil’, por exemplo. 
 
Lanna Silveira/Esp.CB
 
 
A paraense Ana Paulo Afonso, 18 anos, sentiu-se bem recepcionada pelos professores e colegas. “Não esperava receber esse acolhimento, estou sentindo que a faculdade é minha. Esta semana, eu estou aprendendo mais sobre empatia e o que estão fazendo é importante para formar cidadãos”, disse a jovem.
 
Matheus Rodrigues, 17,  colega de Ana no curso de educação física, cita o que tem lhe agradado no câmpus: “Gostei muito das atividades de malabarismo e atletismo. É muito bom saber que tem um espaço apenas para o meu curso”, disse, referindo-se ao Centro Olímpico. O morador do Guará contabiliza,com ar de felicidade, que fez mais novos amigos que durante os três anos de ensino médio. “É um universo muito grande. 
 
Lanna Silveira/Esp.CB/
 
 
“A aula de boas-vindas está no projeto original da fundação da Universidade de Brasília, que era chamada Aula Magna. É um momento em que estamos acolhendo e recebendo os alunos que estão chegando à instituição.  Eles estão cheios de anseios, os olhares brilham. O que Darcy Ribeiro propôs é esse momento em que nós dizemos: "bem-vindos, vamos apresentar a instituição a você". A reitora, diretores e uma série de pessoas estão aqui mostrando a importância deles para a UnB”, frisou o decano de ensino e graduação Sérgio Antônio Freitas. 

Elisa Lucinda: a atração da manhã

Recepcionada por uma plateia empolgada, a atriz e poetisa Elisa Lucinda iniciou a aula inaugural cantando à capela, para euforia dos calouros. Ativista da ONU Brasil, ela aproveitou a oportunidade para gravar um vídeo com os estudantes para a campanha de comemoração pelos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Eles declamaram o artigo XIX do texto, que trata da liberdade de expressão.
 
Com a experiência de ter passado pela universidade, Elisa destacou a necessidade de se formar cidadãos comprometidos. “Não existe profissão que possa excluir o estudo das ciências humanas. Um engenheiro, um médico, independentemente se a formação é em exatas, trabalha com pessoas. Todos eles devem ter humanidade, compaixão”, destacou. 
 
Lanna Silveira/Esp.CB/
 
 
Formada em jornalismo, a cantora decidiu abandonar a carreira para se dedicar às artes. Em 1994 escreveu o primeiro livro de poesia: O Semelhante.  Talvez, por isso, o tema Palavra é poder tenha sido escolhido para a palestra desta manhã. “A palavra é poderosa e a gente vem banalizando ela e, assim, o discurso vai empobrecendo. Ela tem poder para matar e para salvar”, afirmou. 
 
Contando diversas histórias sobre preconceito e algumas outras que fizeram os alunos rirem, Elisa falou sobre a necessidade que os jovens têm de dominar a língua portuguesa para mudar a realidade. 
 
O estudante de Comunicação Social Bruno Victor, 26, não é calouro, mas foi ao evento como fã do trabalho e da militância da convidada. “Assistir à Elisa aqui, uma mulher negra dando a aula inaugural na UnB, é simbólico”, comemorou. Prestes a se formar, o jovem entende que a instituição, com esse tipo de atividade, contribui com o debate sobre preconceito. “É uma vontade aberta que a UnB demonstra de debater a questão racial”. 
 
O decano de ensino e graduação, Sérgio Freitas, afirmou que a escolha de Elisa Lucinda para ministrar a aula inaugural se deu por conta do carisma e da capacidade que a artista tem de cativar o público com os inúmeros talentos. “Ela interpreta, motiva, eu gostaria de ser um professor assim”, brinca. 
 
As atividades na semana de recepção aos calouros seguem a todo o vapor na UnB. As calouradas, tradicionais festas de recepção de cada curso, e outros eventos estão previstos. Junto a tudo isso há um esforço feito pela comunidade acadêmica para facilitar a vida daqueles que ainda estão se adaptando. “Os coordenadores e professores estão sendo instruídos para dar a maior assistência possível diante das dúvidas frequentes que surgem”, acrescenta Sérgio.
 
* Estagiário sob supervisão de Ana Sá