Publicidade

Correio Braziliense

É mentira! Caças da Venezuela não sobrevoaram Roraima

Vídeo que circula nas redes sociais afirma que a fronteira foi violada por aviões do país vizinho

Compartilhar

postado em 22/02/2019 11:11 / atualizado em 22/02/2019 11:34

(foto: Reprodução/YouTube)
(foto: Reprodução/YouTube)
 
 
Um vídeo publicado no YouTube e em circulação nas redes sociais mostra a suposta chegada de aviões na fronteira do Brasil com a Venezuela. O compartilhamento da mensagem, que induz a uma eventual violação do espaço aéreo brasileiro por uma força aérea estrangeira, aumentou na quinta-feira (21), após o anúncio do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, de que a divisa entre os dois países seria fechada.

Apesar do alarde, o vídeo foi publicado pela primeira vez no YouTube em novembro do ano passado, bem antes da crise diplomática entre Brasil e Venezuela se agravar. À época, o presidente do Brasil ainda era Michel Temer. 

De fato, nas imagens, em circulação, principalemnte pelo WhatsApp, aparecem os caças. No entanto, os modelos norte-americanos F5, que sobrevoam a região mostrada no vídeo, são da Força Aérea Brasileira (FAB). A Venezuela tem, em sua frota, aviões Sukhoi SU-30, de fabricação russa, bem mais modernos e velozes.
 
 
 
Na semana passada, pelo menos quatro bombardeiros russos pousaram nos arredores de Caracas. No entanto, também não são dos modelos que aparecem no vídeo e, pela lógica de tempo, não podem ser os mesmos das imagens.

O boato não é novo. No ano passado, o senador Telmário Mota (PTB-RR) chegou a cair na fake news. Ele postou a mensagem em dezembro sobre a violação do espaço aéreo, e apagou logo em seguida por não receber confirmação dos órgãos oficiais. A própria FAB desmentiu a informação em nota divulgada em dezembro.    

O homem que narra o vídeo diz que está em Boa Vista, em Roraima, e que "isso nunca aconteceu na fronteira". No entanto, a cidade brasileira mais próxima da fronteira é Pacaraima, e não Boa Vista.

Etiquetas

Informação comprovadamente verdadeira


Informação parcialmente correta, mas precisa de esclarecimentos


Informação comprovadamente incorreta ou falsa


Afirmação ou dado exagerado coloca em xeque a informação


A fonte se valeu de ferramentas digitais para modificar foto, áudio ou vídeo


Contradição ameaça a credibilidade da informação


A equipe precisa de mais tempo para atestar a veracidade das informações


Faltam dados e fontes capazes de comprovar a informação


↑Topo