Publicidade

Correio Braziliense

Exposição ao Sol pode 'destruir' o novo coronavírus? Não é bem assim

Artigo publicado em revista científica tenta estimar o tempo de inativação solar dos vírus, mas derrapa quanto às evidências, segundo especialista ouvido pelo Holofote

Compartilhar

postado em 29/06/2020 16:24 / atualizado em 29/06/2020 16:32

Ipojuca, praia de Porto de Galinhas, em Pernambuco: exposição de pessoas ou objetos à luz solar não é determinante para acabar com os vírus(foto: Bruno Lima/MTur/Divulgação)
Ipojuca, praia de Porto de Galinhas, em Pernambuco: exposição de pessoas ou objetos à luz solar não é determinante para acabar com os vírus (foto: Bruno Lima/MTur/Divulgação)
A publicação de um artigo na revista científica bimestral Photochemistry and Photobiology tem gerado informações desencontradas acerca do novo coronavírus. O estudo levanta dados que mostram o tempo de inativação do Sars-Cov-2 quando exposto ao Sol. E circula nas redes sociais. Veja:

 

(foto: Reprodução/WhatsApp)
(foto: Reprodução/WhatsApp)
 


A pesquisa é de autoria do militar da reserva do Exército dos Estados Unidos Jose%u2010Luis Sagripanti e de C. David Lytle, aposentado da Food and Drug Administration (FDA) — órgão norte-americano com funções semelhantes às da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Com base em um modelo desenvolvido para estimar o tempo de inativação solar dos vírus, os autores calcularam o período necessário para que isso ocorra com o Sars-Cov-2. A avaliação levou em conta as quatro estações do ano em diferentes cidades do mundo.

Os resultados mostraram que, no inverno, em diversas áreas de zona temperada, o vírus pode permanecer ativo — e, portanto, com risco de infecção — em superfícies externas por um "tempo considerável". Entretanto, a inativação acontece de modo "relativamente rápido" nesses mesmos objetos durante o verão.

Em São Paulo, por exemplo, os autores calcularam que esse tempo pode variar de 13 a 41 minutos, a depender da estação do ano e da intensidade da luz solar. O documento foi aceito pela revista e teve a versão preliminar publicada em 5 de junho

Condições

A importância da luz ultravioleta (UV) para esse processo era conhecida pelos cientistas. No entanto, isso não significa que a exposição de pessoas ou objetos ao Sol, por si só, possa eliminar o novo coronavírus de um organismo ou de uma superfície.

Fatores como horário, condições climáticas, presença de neblina ou fumaça e a quantidade de partículas de poluição na atmosfera influenciam o tempo necessário para que as moléculas do genoma viral sejam destruídas. Vale lembrar que o Sol não cura ou imuniza pacientes com a covid-19.

A pedido do Holofote, o cientista Bergmann Morais Ribeiro, doutor em microbiologia e professor do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade de Brasília (IB/UnB), analisou o artigo publicado. O pesquisador chamou a atenção para o fato de que o trabalho não apresenta experimentos, mas baseia-se em dados de pesquisas anteriores para fazer cálculos sobre o tempo necessário à desativação do novo coronavírus. 

Bergmann afirma que o tema não é novo, mas ainda não havia pesquisas que levassem em conta o Sars-Cov-2. "Eles não estão errados em dizer que o vírus é inativado pela luz UV. Isso é sabido há muito tempo. Mas eles não provaram nada. Cadê as estatísticas para as pessoas que estão na rua? Se você vai para a rua, a possibilidade de aumentar a transmissão é maior, porque há contato de pessoa a pessoa", alerta.

O professor ressalta que só com o tempo será possível conhecer o novo coronavírus com base em "dados robustos". Até lá, as recomendações são as mesmas. "Tudo é variável. Não dá para dizer o período necessário (para que o Sol inative um vírus). A dica (para evitar a contaminação) é a de sempre: lavar as mãos constantemente com água e sabão — assim como as roupas — ou usar álcool em gel quando isso não for possível", completa Bergmann.

Etiquetas

Informação comprovadamente verdadeira


Informação parcialmente correta, mas precisa de esclarecimentos


Informação comprovadamente incorreta ou falsa


Afirmação ou dado exagerado coloca em xeque a informação


A fonte se valeu de ferramentas digitais para modificar foto, áudio ou vídeo


Contradição ameaça a credibilidade da informação


A equipe precisa de mais tempo para atestar a veracidade das informações


Faltam dados e fontes capazes de comprovar a informação


Informações conflitantes impedem a comprovação dos dados apresentados


Topo