Meu Lugar Ceilândia Meu Lugar Ceilândia
Publicidade

Correio Braziliense

De tudo um pouco: gastronomia de Ceilândia se caracteriza pela diversidade

Do gostinho do sertão aos sabores italianos, tem de tudo um pouco para os amantes da gastronomia; confira


postado em 27/03/2018 07:01 / atualizado em 27/03/2018 11:10

Viva a comida nordestina!

Ari Cirilo Borges:
Ari Cirilo Borges: "Entre idas e vindas, estou há 40 anos em Ceilândia" (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Um dos restaurantes mais conhecidos em Ceilândia, o Chapéu de Couro, virou tradição da cidade. Com cerca de 32 anos de funcionamento, o empreendimento familiar começou informalmente e acabou se tornando referência quando o assunto é gastronomia. O carro-chefe da casa é a carne de sol.

Atual administrador do restaurante, Ari Cirilo Borges, 59 anos, conta como o negócio começou: “Meu irmão vendia marmitas em casa e o pessoal foi dizendo para ele abrir um restaurante, e acabou dando muito certo”, conta.

Paraibano, Cirilo elogia a cidade que escolheu para viver. “Entre idas e vindas, estou há 40 anos em Ceilândia. Aqui tem de tudo e tudo muito bom. E é lugar calmo, sim, bom de se viver. Com muitas opções para fazer qualquer coisa, bares, restaurante, comércio, serviços, cartórios…”, destaca.

Chapéu de Couro
(St. M QNM 1 Lote 02 — Ceilândia Sul, 3371-0222). Aberto de segunda a domingo, das 11h às 22h.

Pizza boa e preço bom


Geovanny (E), Noemy e Mayra: atendimento de primeira e produto de qualidade(foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
Geovanny (E), Noemy e Mayra: atendimento de primeira e produto de qualidade (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
A pizza é uma paixão do brasileiro. Não faltam estabelecimentos que vendem o produto no Distrito Federal. Mas em Ceilândia ela é caprichada! Na cidade, é possível comer a tradicional receita italiana com qualidade e, o melhor, pagando pouco.

A Nona Pinna é um dos estabelecimentos que são referência para o ceilandense, quando o assunto é pizza. Com opções de rodízio e delivery, a casa tem, muitas vezes, fila para provar os vários sabores (do salgado ao doce) do produto.

O auxiliar veterinário Geovanny Eloy, 22 anos, a estudante Noemy Raquel Silva, 16, e a médica veterinária Mayra Cristina Martins Gomes, 25, foram à Nona para degustar o rodízio do local.

Os três elogiam a diversidade de opções em Ceilândia, desde restaurantes até o comércio e serviços. “É muito bom, tem muitas opções, muitos locais para comer, para sair também”, afirma Geovanny.

O atendimento no comércio da cidade é bem diferente em relação a outras regiões. “Em outros lugares, as pessoas são um pouco arrogantes, mas, aqui não, elas têm uma ligação maior com as pessoas, há mais humildade”, opina Mayra.

Nona Pinna
(St. M, QNM 1, Conjunto A, Lote 13, Ceilândia Sul; 3373-0015). Aberto de terça a domingo, das 18h às 23h30.

Ao som do rock and roll


Hélio Soares e Mariângela Vieira: no embalo do rock!(foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
Hélio Soares e Mariângela Vieira: no embalo do rock! (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
Longe de ser uma cidade-dormitório, a vida noturna em Ceilândia é agitada, com bares que oferecem serviços de qualidade e bom preço.

Para os que gostam do som pesado do rock and roll (nacional e internacional), o Tropical Beer é uma das opções. O estabelecimento conta, em alguns dias, com shows de bandas do estilo.

A professora Mariângela Vieira, 39 anos, foi aproveitar a noite no Tropical com o namorado Hélio Soares Pereira Junior, 32, também professor. Nascida em Ceilândia, ela declara o amor pela cidade e não poupa elogios para a região.

“É uma cidade completa e viva, eu moro aqui, trabalho aqui e consigo resolver tudo que preciso a pé. Não preciso sair. Além de tudo, as coisas são mais baratas, com a mesma qualidade de outras regiões”, elogia.

Hélio segue o raciocínio. “Sempre convivi na região, tenho lembranças da infância, quando meu pai me levava para as feiras, pra comer a comida nordestina. A gente ia muito à Feira Central para apreciar a culinária. Ceilândia também é cenário de muitas manifestações culturais”, completa.

Mariângela conta que transmite também na escola onde trabalha o amor por Ceilândia. “Sou professora e passo isso aos meus alunos. Desde cedo, eles aprendem a gostar da cidade a ter raízes aqui.”

Tropical Beer
(Setor M, Qnm 7, Conjunto O; 98453-4795). Aberto de terça a quinta, das 16h à 0h; sexta, das 16h às 3h; sábado, das 11h às 3h; domingo, das 11h às 18h.


Receitas de família


Renato Alves:
Renato Alves: "Não precisa sair de Ceilândia para nada" (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Para quem quer fazer um lanche rápido na cidade e saborear salgados especiais, como a coxinha e o pastel, o Marcelo Salgados é uma das várias opções que existem em Ceilândia.

A receita, guardada a sete chaves, foi passada de mãe para filho, conta o proprietário Cláudio Marcelo Teixeira Lima, 37 anos.

“Estamos há sete anos aqui neste ponto. Mas minha mãe vendia muito, antes de abrirmos o comércio, na porta de obras e fazia sucesso, então ela passou a receita para nós”, lembra.

Cliente do local, o vendedor Renato Alves de Araújo, 40 anos, é uma das pessoas que escolheu Ceilândia como local para morar.

“Gosto muito do comércio daqui, tudo você acha, de salgados a serviços. Não precisa sair de Ceilândia para nada”, opina. Ele elogia também os moradores da cidade. “As pessoas são mais próximas e mais calorosas.”


Marcelo Salgados
(EQNN 18/20, Bloco A, Loja 3; 98648-5384). Aberto de segunda a sexta, das 7h às 19h.
 

Cerveja e música boa


Emerson Rodrigues: bom gosto musical e diversão no Túnel do Tempo (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
Emerson Rodrigues: bom gosto musical e diversão no Túnel do Tempo (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
Quem entra no Túnel do Tempo logo se impressiona com a quantidade de vinis dos mais diversos estilos musicais espalhados pelas paredes do local, além de uma área reservada para livros.

O bar tem pegada de espaço cultural e é uma opção para quem quer beber , bater um papo, jogar sinuca e ouvir música boa na cidade (da MPB à black music).

Um dos proprietários do local, Emerson Rodrigues, mais conhecido como DJ Kabeça, é também morador apaixonado pela cidade.

Ele fala de Ceilândia com orgulho e sem economizar nas qualidades do local. “A cultura de Ceilândia fascina. É um povo que abraça, você chega e as pessoas te recebem bem, te acolhem, se ajudam.”

Ele cita também a diversidade da região, que vai do comércio à cultura. “Você pode ouvir do forró ao rock, encontrar todos os tipos de comércio, bares, serviços, não precisa sair para nada. Ceilândia tem comida boa como em qualquer outro lugar, tem rodas de samba, espaços para diversão... Tem tudo.”

Túnel do Tempo

(St. M QNM 15 Conj. P 05; 98546-1860). Aberto segunda das 18h às 2h; e de quarta a sábado, das 18h às 2h.


Encontro com amigos 


Rui Barbosa (D) e os amigos Napoleão e Augusto(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Rui Barbosa (D) e os amigos Napoleão e Augusto (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
O clima aconchegante e um cardápio delicioso estão entre os atrativos do restaurante Tavares. São diversos tipos de saladas, massas e carnes, com destaque para os pratos mineiros.

“Eu almoço aqui há 23 anos porque, além da comida boa, o preço é melhor do que em outros lugares. Já trabalhei no Plano Piloto, lido com pessoas, e aqui é muito diferente. As pessoas são mais simples, mais receptivas e têm mais respeito”, afirma o cartorário Rui Barbosa.

“Ceilândia é tudo de bom. É difícil falar do que eu não gosto. O povo é acolhedor, tem jeito de cidade do interior”, diz o dentista Augusto Juncal, 61 anos. O empresário Napoleão Lira Costa, 66, concorda. “Os restaurantes estão entre os melhores que já conheci. A movimentação financeira, a economia da cidade, é alta. Há gente na rua, uma movimentação formiguinha mesmo”, afirma.

Restaurante Tavares
(QNM 18 Lote 12, 3371-3705); aberto de segunda a sábado, das 11h às 15h, e domingo, das 11h às 16h.


Churrasco à moda gaúcha


Rafael Barbosa na Fogo de Galpão:
Rafael Barbosa na Fogo de Galpão: "As pessoas são o bem maior daqui" (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
A churrascaria Fogo de Galpão é uma excelente opção para quem gosta de um bom churrasco gaúcho, de variedade de saladas, chope gelado e até de sashimi.

Localizada no coração da cidade, perto da Feira Central, o restaurante oferece amplo espaço familiar e comida de qualidade para almoço e jantar.

O dentista Rafael Barbosa, 42 anos, é um assíduo freguês. Ele afirma que Ceilândia é um ótimo lugar para se frequentar e que até a clientela é diferenciada.

“Já tive uma sociedade em uma rede de clínicas no Plano Piloto, em Taguatinga, aqui e em Valparaíso. Quando desfizemos a parceria, optei por trabalhar em Ceilândia. As pessoas são o bem maior daqui. Gosto do calor humano. Tem de tudo, escolas, shoppings, churrascaria, bancos, comércio.”

Fogo de Galpão
(QNM 12 Lote 11 Loja 1, 3373-0102); aberto de segunda a sexta, das 11h às 15h e das 18h às 23h; e aos sábados e domingos, das 11h às 16h e das 18h às 23h.


O point da cidade


Adrielle Pereira (D), com familiares e amigos: 'As opções gastronômicas na cidade são muitas
Adrielle Pereira (D), com familiares e amigos: 'As opções gastronômicas na cidade são muitas" (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
O point para quem quer tomar aquela cerveja gelada ou um chopinho é o Beer House. Espaço amplo e ambiente alegre dão o tom do lugar, que atrai famílias e jovens.

A dona de casa Adrielle Pereira dos Santos, 22 anos, frequenta o bar com o marido, o garçom Roberto Lima, 26 anos. “As opções gastronômicas na cidade são muitas. Além do Beer House, tem as feiras, lugares bacanas para comer”, diz Adrielle. “Gosto dos bares e dos food-trucks”, completa Roberto.

“Nós curtimos muito os bares, os restaurantes, aqui existem bons lugares para sair. Tem de tudo, e, além disso, é bem perto de casa, dá para resolver sem se deslocar muito”, ressalta o vendedor Maycon Douglas, 21.

“Aqui as pessoas são mais ligadas, mais próximas uma das outras, tem um contato bem maior”, garante a balconista Mary Souza, 22.

Beer House 
(QNM 1, conjunto A, lotes 3, 5 e 7 — Ceilândia Sul, 3371-1402); aberto de segunda a sábado, das 16h às 2h; e aos domingos, das 12h às 2h.


Comida de boteco, sempre!

Rubens (E), William, Hamilton e Milton: bate-papo e amizade (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
Rubens (E), William, Hamilton e Milton: bate-papo e amizade (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
Boa comida e música ao vivo são os pontos fortes do Maria Maria Bar, um ambiente aconchegante para o público.

Para o servidor público Milton Santos da Silva, 53, o ambiente do Maria Maria traduz o modo de vida de quem vive em Ceilândia. “O povo é feliz. Eu adoro as amizades que tenho aqui, os bares, vou sempre a casas de amigos assar uma carne.”

“Gosto de curtir as baladas. Aqui é tudo de bom e é mais barato”, acrescenta o autônomo William Martins, 37. Para o militar Rubens Ramiro, 46, o melhor são os bares e restaurantes. “Faço boas amizades, sempre nos encontramos por aqui.”

“Ceilândia tem tudo que necessito. Não preciso de nada fora daqui, tem barzinhos bacanas, comércio muito forte, opções de esporte, como os campos society, tudo perto, com qualidade”, fala o policial civil Hamilton da Silva Cunha, 52.

Maria Maria Bar
(QNP 18 — Setor P, 3052-5451); aberto de terça a sexta, das 17h às 23h45, e aos sábados e domingos, das 12h às 23h45. 

O (gostoso) pão nosso


Jailson Pereira:
Jailson Pereira: "Ceilândia oferece oportunidades para todos, acolhe as pessoas" (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
Pães quentinhos a toda hora, doces populares e tradicionais, com opções de laticínios e artigos domésticos, sem contar os lanches especiais. Isso tudo você encontra na Gonçalina Panificadora.

Quem conhece, ressalta a variedade e a qualidade de produtos como pontos fortes. Nascido em Ceilândia, o auxiliar administrativo Jailson Pereira Senna, 27, comemora o desenvolvimento cada vez maior da cidade.

“Ceilândia oferece oportunidades para todos, acolhe as pessoas. Tem um comércio forte, o investimento é constante. É só você ver o crescimento no número de empresas. Já é ótimo e vai ficar ainda melhor no futuro. Ceilândia recebe muita gente de fora, o que faz da cidade a cara do Brasil”, destaca Jailson.

Gonçalina Panificadora
(Setor M — QNM 19, 3371-9925); aberto de segunda a sábado, das 6h às 22h, e aos domingos, das 6h30 às 21h30.

 

 

Meu Lugar Ceilândia