Publicidade

Correio Braziliense

Acordo na Bolívia sofre novo adiamento

 


postado em 25/09/2008 21:40 / atualizado em 25/09/2008 21:41

O presidente da Bolívia, Evo Morales, e os governadores rebeldes adiaram até a próxima segunda-feira a assinatura de um acordo para superar a crise política que paralisa o país, informaram fontes oficiais, nesta quinta-feira (26/09). "Na segunda, teremos outra reunião para uma nova avaliação do trabalho das duas mesas técnicas. Necessitamos de dois, ou três dias, a mais para os temas pendentes antes de concluir esse trabalho", assinalou o ministro do Desenvolvimento Rural, Carlos Romero. O ministro, que preside a mesa técnica de compatibilização do projeto da nova Constituição, destacou que as negociações tiveram "avanços substantivos". Segundo ele, todos os participantes do diálogo concordaram em que "se deve continuar apostando no diálogo, sem condições". Da reunião, realizada em um complexo turístico na periferia de Cochabamba, participaram o presidente Evo Morales, o vice-presidente Álvaro García Linera, governadores e observadores internacionais da OEA, da Unasul, da UE, da ONU e da Igreja Católica. O governador de Tarija (oposição), Mario Cossío, porta-voz de seus colegas de Beni, Santa Cruz e Chuquisaca, corroborou que "se deu mais um passo", mas frisou que é preciso mais tempo. Cossío relatou que, no tema referente à devolução dos royalties aos departamentos, "existem discrepâncias, sobretudo, nas fontes para pagar a 'Renda Dignidad' e, no tema autonomias-constituição, há um avanço". "Voltaremos a nos encontrar na segunda-feira e vamos com a esperança de que esse tempo possa ser suficiente e se anunciem resultados", afirmou, destacando, porém, que existem "dificuldades reais", que precisam ser superadas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade