Mundo

Cientistas falam sobre a eleição de Obama

;

postado em 07/11/2008 07:00
Panayiotis Zavos, fundador e diretor do Instituto de Andrologia dos Estados Unidos Zavos: "Obama será um toque de ar fresco em todos nós, porque abrirá e removerá todas as restrições e incertezas que existiam na era Bush. A biotecnologia e as pesquisas com células-tronco são áreas que, sem visão clara sobre investimentos para futuro, ninguém se comprometerá com elas, seja um cientista ou um investidor capitalista. Ainda mais se o governo criar problemas. A razão para o fato de os Estados Unidos estarem em apuros é porque tivemos um líder que não sabemos como pensa e como decide as coisaas. Todos sabíamos que Bush é muito tolo e está cercado por pessoas ignorantes. Ele é muito inseguro e não poderia ter gente inteligente ao redor, porque fariam com que ele soasse pior do que é. Essa situação específica será revertida com Obama, um homem inteligente e sem receio de pedir conselhos quando precisa. Obama é um homem de equipe. Obama estará mais aberto. Ele vê que as oportunidades para o futuro nas áreas tecnológica e científica são ilimitadas. Ele é pró-aborto e não está comprometido com extremistas religiosos que se proclamam evangélicos. Bush falhou em cada aspecto de seu governo. Este homem nunca deveria ter sido presidente de qualquer país por ser muito problemático. Seu QI nunca passou de 91 e ele nunca poderia entender princípios básicos e conceitos. Um homem com QI tão reduzido não poderia ter a visão e a habilidade para delinear os fatos, conceitos e tomar decisões racionais sobre assuntos que requerem o senso comum básico. Se Bush e seu governo fossem julgados com base na atenção que eles deram à ciência, a nota seria próxima de zero. Com seus extremistas religiosos, Bush não apenas impediu o progresso científico, como também o retrocedeu. Além disso, gastou quase US$ 1 trilhão numa guerra sem sentido. Obama abrirá novas possibilidades para o desenvolvimento da tecnologia e da educação nos EUA. Ele entende que para a América mover para além do que Bush nos deixou nesses últimos anos será necessário educar o trabalhador e dar importantes passos em avanços tecnológicos. Obama precisará mudar as coisas e abrir as áreas de pesquisa com células-tronco. O tempo dirá isso, porque tudo vai depender da disponibilidade de fundos, uma vez que a economia mundial está em recessão muito séria. São tempos difíceis para o mundo, mas creio que Obama vai fazer os Estados Unidos voltarem aos trilhos. Ele é o único que pode fazer isso e está entrando em cena na hora certa." Robert Lanza, pioneiro em estudos com células-tronco e diretor da Advanced Cell Technology Lanza: "O governo Bush tem tido uma relação controversa com a comunidade cientítica e está no limite da anti-ciência. Obama escutará os conselhos da comunidade científica e médica. Ele vai zelar pela saúde e pelo bem-estar público, mais do que tomar parte em debates religiosos. Obama certamente vai desfazer a nuvem negra que paira sobre as pesquisas com células-tronco durante os últimos oito anos. Os cientistas têm atuado ao longo da última década com uma mão atada às costas. Durante o governo Bush, temos visto uma enorme controvérsia política lançada por Bush, seus simpatizantes religiosos e ativistas pró-vida. Tem sido um triste capítulo na histórica científica americana ; pela primeira vez foram aprovadas leis que criminalizam a pesquisa. O efeito disso é que temos obtido muito pouco dinheiro para áreas da ciência às quais Bush se opõe. E, é claro, sem dinheiro não há pesquisa. É verdade que há um gotejamento do financiamento privado. Mas o governo é, tradicionalmente, a única agência com sapatos grandes o suficente para avançar na pesquisa básica até os testes clínicos. Sob o governo Obama, o dinheiro fluirá para todas as vias promissoras de pesquisa baseadas no mérito científico (e não ficar preso à agenda conservadora). Isso deve beneficiar não apenas o Instituto Nacional de Saúde (NIH) e Inovação de Pesquisa para Pequenos Negócios (SBIR), mas também o Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia e até a Agência de Projetos de Pesquisa Avançada em Defesa (Darpa). Por exemplo, teremos projetos visando a criação de sangue a partir de células-tronco para soldados feridos em guerras."

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação