Publicidade

Correio Braziliense

De forma organizada e silenciosa, chilenos escolhem sucessor da presidente Bachelet


postado em 17/01/2010 14:13

Sem barulho nem desorganização ou demonstrações explícitas de preferências políticas, os eleitores chilenos votaram hoje (17) em nove regiões administrativas do país. Uma antiga tradição do Chile faz com que homens e mulheres votem em zonas eleitorais distintas. O eleitor vota em cédula de papel e utiliza lápis para marcar o nome de seu candidato. Em seguida, o eleitor coloca a cédula na urna. Pelos dados oficiais, aproximadamente 9 milhões de eleitores estão habilitados a votar, dos quais 52% são mulheres e cerca de 158 mil jovens com menos de 29 anos. No Chile, estas são as últimas eleições em que o voto é obrigatório. No país que ainda tem na sua memória 17 anos de ditadura do ex-presidente e general Augusto Pinochet (1973-1990), o gosto pela discussão política faz parte do cotidiano. %u201CEspero sinceramente que o próximo presidente mude muita coisa para melhor principalmente na área da saúde%u201D, disse a assessora Adriana Muñoes. Para o engenheiro mecânico Mário Garrido, independentemente do resultado das eleições, é fundamental votar. %u201CVotar é um dever cívico e temos de exercer a nossa autoridade que é na hora de escolher o futuro presidente do nosso país%u201D, afirmou. Os idosos e pessoas com deficiências tiveram preferência na hora de votar. Alguns chegavam em cadeiras de rodas amparados por policiais e agentes da Defesa Civil. Pais e mães levaram seus filhos e até cachorros na hora de votar. Nas mesas de votação, a organização era completa. A discussão sobre o futuro presidente ocupou o tempo de espera para votar. %u201CEstamos elegendo alguém que vai nos representar e decidir questões fundamentais para todos, por isso votar é tão importante%u201D, disse a professora de artes visuais María Fernanda Valenzuela. %u201CAs eleições são necessárias porque é quando com liberdade e democracia escolhemos o futuro do nosso país%u201D, afirmou a dona de casa Francisca Castro. Pelas projeções eleitorais, o empresário Miguel Sebastián Piñeira, da coligação Alianza (de centro-direita) tem uma ligeira vantagem sobre o ex-presidente Eduardo Frei Ruiz, da coligação Concertación (de centro-esquerda) - da presidente Michelle Bachelet. Na maior zona eleitoral da capital Santiago, no Estádio Nacional %u2013 local que a seleção de futebol do Brasil venceu a Copa do Mundo de 1962 - simpatizantes de Piñeira e Frei não escondem suas preferências, mas optam pelo discurso em defesa da democracia. Para o ex-presidente Ricardo Lagos, que fez campanha para Frei, o resultado das eleições de hoje deve ser respeitado. %u201CÉ uma forma cívica e não cabe dúvida alguma sobre estas eleições. Acredito que o resultado vai ser apertado. Mas o importante é o interesse do país%u201D, afirmou. Os dois candidatos votaram pela manhã. Piñeira e a mulher votaram no centro de Santiago. Depois o candidato de oposição foi passear de bicicleta com os netos. Frei votou em uma escola a 800 km da capital. Pela previsão das autoridades chilenas, o resultado das eleições será divulgado ainda na noite de hoje (17). A contagem dos votos será realizada no centro de Santiago em um local denominado Estação Mapotcho. Os organizadores das campanhas de Piñeira e Frei já montaram estruturas à espera do resultado das eleições de hoje. Piñeira está com um forte esquema organizado no hotel Crowne e a seis quadras deste local Frei montou seu palanque, em frente ao hotel San Francisco. Ambos estão localizados na Plaza Itália, um dos principais pontos de Santiago.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade