Publicidade

Estado de Minas

Brasília hospeda 124 embaixadas e é 13ª capital mais "frequentada" do mundo


postado em 26/06/2011 09:13

Faltavam dois meses para a inauguração da capital federal, em 1960, quando a primeira embaixada estrangeira foi aberta. Na época, durante a cerimônia de instalação de representação diplomática dos Estados Unidos, o presidente Dwight Eisenhower comentou com o colega Juscelino Kubitschek: “Brasília é uma epopéia digna das vastas possibilidades e aspirações desta nação”. Décadas, crises e conquistas se passaram e a profecia parece estar se cumprindo. A envergadura da política externa e a importância do Brasil como ator global fizeram do país destino cobiçado de missões internacionais. Brasília ocupa hoje a 13ª posição entre as 20 principais sedes de postos diplomáticos, à frente de capitais europeias como Madri e Viena. É a única representante da América do Sul no ranking.

A capital chega ao cinquentenário hospedando representações de 124 países e consolida uma posição de destaque. “É algo muito significativo para o Brasil. É sinal de grande interesse em um relacionamento com o país”, afirma Tovar da Silva Nunes, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores (MRE).

Atualmente, mais 13 países demonstram interesse em abrir embaixada no Brasil, segundo apuração do Correio. Entre eles estão Afeganistão, Butão, Cazaquistão, Ilhas Fiji, Jamaica, Mongólia e Serra Leoa. Em recente visita a Washington, o chanceler Antonio Patriota reuniu-se com uma delegação do Barein, que também manifestou desejo de ampliar sua representação em Brasília, gesto que poderá ter a recíproca por parte do governo brasileiro. Para instalar uma missão em outro país, é necessário seguir um processo administrativo definido na convenção sobre relações diplomáticas. A ação pode durar dias ou meses e depende muito da rapidez do requisitante.

A escolha do embaixador é um ponto importante para o desenvolvimento da relação bilateral. Para começar, ele precisa ser aprovado pelo governo anfitrião e ter conhecimento para representar seu papel. “É ele quem interpreta o que é possível em um relacionamento bilateral e quais são os valores de um país. Ele nos indica o melhor caminho para a interlocução”, aponta Tovar Nunes. Segundo o diplomata, a grande tarefa está em “decodificar os modos de comportamento de um país e seus interesses políticos e econômicos”.

Recém-chegados
O Brasil recebeu 28 novas embaixadas desde 2003, grande parte de países africanos. O interesse cresceu com a mudança de política externa no governo Lula, que multiplicou as representações brasileiras na África. “A evolução favorável dos países emergentes ajudou o governo a desenvolver isso, e a atuação do ex-presidente, pelo carisma e pela perseverança na cooperação com a África e a Ásia, determinou o aumento do interesse pelo Brasil”, afirma o porta-voz do MRE.

Entre as missões diplomáticas que desembarcaram em Brasília nos últimos oitos anos está a de Barbados. A pequena ilha caribenha instalou seu representante em fevereiro de 2010, de olho na cooperação sul-sul. “O Brasil é uma das grandes economias emergentes e tem um papel importante no nível regional e internacional. Na última década, nossa relação cresceu e temos acordos nas áreas de saúde, técnica, educação e cultura. Esperamos ajudar nossos empresários a desenvolver relações comerciais e esperamos que exista uma missão de comércio no Brasil, em futuro próximo”, comenta a embaixadora Yvette A. Goddard.

Muitos países decidem fincar sua bandeira no Brasil, apesar da distância geográfica e cultural, pela importância internacional. “Para a amizade, nenhuma distância é muito grande”, afirma Syed Ahmed Maroof, ministro da embaixada do Paquistão. “Nós trabalhamos juntos para expandir as relações bilaterais em todas as áreas, com um foco maior em projetos econômicos. As ligações de negócios entre os dois países estão crescendo fortemente. Até mesmo nesse aspecto as distâncias geográficas não têm significado”, completa.

O Brasil mantém 132 embaixadas e abriu 218 postos — entre eles também consulados, escritórios e representações — desde 2002. Agora, no governo Dilma Rousseff, o país não deve ampliar os horizontes diplomáticos na mesma intensidade dos últimos oito anos. A única embaixada aberta em 2011 foi em Libreville, no Gabão. “Por enquanto, é difícil expandir, porque já abrimos (representações) em muitos países. Estamos em um momento de estabilidade, empenhados a desenvolver o trabalho nesses postos, e estamos colhendo os frutos de uma crença no diálogo com a África”, declara Tovar Nunes.

  • Tags
  • #
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade