Publicidade

Estado de Minas

Romney ataca Gingrich em briga republicana pela Casa Blanca


postado em 18/01/2012 19:16

SPARTANBURG - Os pré-candidatos republicanos para as presidenciais americanas brigavam duramente nesta quarta-feira antes das cruciais primárias do sábado na Carolina do Sul, onde Mitt Romney, o favorito, atacou Newt Gingrich, sua principal ameaça entre os conservadores.

Em um ato de campanha nesta quarta-feira, Romney criticou Gingrich por ter dito que ajudou a criar postos de trabalho durante o tempo em que foi presidente da Câmara dos Representantes e afirmou que "o governo não cria postos de trabalho, é o setor privado o que gera emprego".

"Um congressista atribuindo a si mesmo a responsabilidade ou os créditos pela criação de postos de trabalho é como Al Gore atribuindo-se os créditos pela internet", afirmou, fazendo eco a um popular - a na maioria das vezes errôneo - ataque dos republicanos contra o ex-vice-presidente democrata.

Ele citava uma entrevista de março de 1999 na qual Gore, elogiado pelos pioneiros da internet por impulsionar a legislação que ajudou a criar a rede, disse que, como senador, "tomou a iniciativa na criação da internet", uma afirmação que foi interpretada pelos republicanos como se ele estivesse atribuindo a si a "invenção" da internet.

A equipe de campanha de Romney deu início a uma ofensiva contra o ex-presidente da Câmara, acusando-o de ser um líder perigosamente errático cuja nomeação abriria ao presidente Barack Obama o caminho para a reeleição a um novo mandato em 6 de novembro.

O ex-senador Jim Talent, que exerceu seu cargo sob a presidência de Gingrich na década de 1990, o acusou de dizer coisas "indignantes e destrutivas" que obrigaram os demais a ter de "limpar (as coisas) após sua passagem" e de ajudar o democrata Bill Clinton a ser reeleito em 1996.

A ex-representante Susan Molinari, durante uma conversa com Talent em uma teleconferência organizada pelo escritório de campanha de Romney, disse que Gingrich praticava a "liderança através do caos" e advertiu que seu triunfo nas primárias republicanas "ajudaria a eleger outro presidente democrata".

A equipe de Romney fez eco a essas declarações em um novo anúncio para internet em seu site, no qual classifica Gingrich de "líder pouco confiável" e sugere que o ex-legislador seria uma ameaça crescente para a primária do sábado.

Consultado na quarta-feira sobre os ataques de Romney, Gingrich disse que estes "são simplesmente estúpidos".

Segundo as últimas pesquisas de intenção de voto na Carolina do Sul, Gingrich venceria Romney, que ganhou as duas votações primárias anteriores, em Iowa e New Hampshire.

Mas Gingrich trabalhou para se posicionar como o mais forte rival do ex-governador de Massachusetts e multimilionário investidor de capital de risco, que enfrenta dúvidas persistentes sobre suas credenciais conservadoras e ainda tem que conseguir reunir após sua proposta uma maioria de republicanos.

Um grupo independente aliado de Gingrich divulgou sua própria propaganda na internet na qual mostrou um desenho animado de Obama aniquilando Romney em um debate que mostra em detalhes algumas de suas mudanças de posição em temas importantes para os conservadores.

"Estou de acordo com o governador Romney em muitas coisas, mas Romney como candidato presidencial? Eu nem sequer conheço esse cara", diz o Obama da propaganda. "Mas ele também não parece conhecer a si mesmo", completa.

Em um ato de campanha na terça-feira, Gingrich instou o cristão conservador e ex-senador Rick Santorum - terceiro nas pesquisas na Carolina do Sul - e o governador do Texas, Rick Perry, a desistir de suas candidaturas e apoiá-lo.

"Do ponto de vista do movimento conservador, juntando-se em torno à candidatura de Gingrich garantiriam, de fato, praticamente uma vitória no sábado", disse.

Nenhum dos candidatos parecia disposto a escutar seu chamado, mas o tempo acaba rapidamente para os rivais de Romney para impedir que ele seja o candidato republicano nas presidenciais.

Por outro lado, o ex-governador de Massachusetts brincou com fogo ao admitir na terça-feira que ele pagava apenas 15% de impostos sobre sua renda e minimizar a importância aos 375.000 dólares cobrados por nove discursos feitos entre fevereiro de 2010 e fevereiro de 2011 dizendo que se tratava de pouco dinheiro.

Em uma entrevista com a Fox News, Santorum citou as afirmações de Romney sobre sua renda afirmando que disseram "um pouco mais sobre o governador e sua conexão com o povo americano que sua taxa de impostos".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade