Publicidade

Correio Braziliense

Esquerda italiana busca acordo com os militantes rebeldes de Grillo

O objetivo é tirar a Itália da paralisia política em que se encontra após as legislativas de finais de fevereiro


postado em 06/03/2013 17:17

Roma - O líder da esquerda italiana, Pier Luigi Bersani, ofereceu nesta quarta-feira (6/3) um acordo aos militantes "antissistema" do movimento fundado pelo comediante Beppe Grillo com o fim de tirar a Itália da paralisia política em que se encontra após as legislativas de finais de fevereiro.

Bersani, cuja coalizão obteve a maioria absoluta na Câmara dos Deputados, mas sem alcançar a do Senado, necessária para governar, apresentou um programa de oito pontos para "o governo da mudança", que inclui boa parte das exigências do Movimento Cinco Estrelas de Grilo, que alcançou inesperadamente cerca de 25% dos votos nas legislativas.

Grillo, que rejeita até o momento todo acordo político, deverá "assumir suas responsabilidades" caso se negue a aprovar o programa, alertou Bersani. A Itália continua sem poder formar um governo em um momento de crise, marcado pela recessão econômica e o aumento do desemprego.

Leia mais notícias em Mundo

Entre os pontos que o líder da esquerda italiana citou à secretaria do Partido Democrático (PD) figura a redução do número de parlamentares, a introdução de um salário mínimo, a redução do custo do trabalho e uma reforma da administração pública, medidas que estão no programa de Grillo.

Bersani rejeitou de novo toda aliança com a direita de Silvio Berlusconi e pediu aos dirigentes de seu partido que evitem divisões em um momento tão delicado para o futuro de Itália. Os resultados das legislativas caíram como balde de água fria para o PD, que segundo as pesquisas era o grande favorito.

"Quem conquistou oito milhões de eleitores com o Movimento Cinco Estrelas deve decidir o que fazer", disse Bersani, frente ao dilema do movimento de protesto, cujos 163 parlamentares se reuniram na segunda-feira pela primeira vez em Roma para conhecer e visitar a sede do Parlamento.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade