Publicidade

Estado de Minas

Museu judeu de Berlim expõe desenhos clandestinos de artista tcheco

As obras foram feitas para burlar a opinião pública sobre o detino dos judeus na Europa. É um retratado da cidade para onde os judeus foram deportados


postado em 17/05/2013 09:36

Berlim - O Museu judeu de Berlim expõe a partir desta sexta-feira (16/5) desenhos clandestinos do artista tcheco Bedrich Fritta, deportado a Theresienstadt (1941-1944), uma viagem esmagadora neste campo-gueto criado para burlar a opinião pública sobre o destino dos judeus na Europa.

"Em um lugar terrível produz uma obra terrível". Seu neto, David Haas, resume o trabalho deste desenhista, internado aos 35 anos com sua mulher e seu filho de apenas um ano nesta cidade fortaleza dos arredores de Praga que o regime nazista apresentava como um "campo modelo" em suas visitas organizadas para a propaganda.

Leia mais notícias em Mundo

Theresienstads (hoje Tezerin, na República Tcheca), acolhia muitos artistas: músicos, escritores, pintores, cujo talento foi explorado para este fim. Responsável por um ateliê de cerca de 20 desenhistas, Fritta era um deles. Mas, escondido de seus captures, produziu outro trabalho, revelando o lado obscuro do lugar.

Cerca de 150.000 homens, mulheres, avós e crianças passaram pela cidade fortaleza de Thereseinstadt. Cerca de 35.000 morreram ali devido às más condições de higiene e 87.000 foram deportados e morreram em Auschwitz-Birkenau, como Bedrich Fritta.

A exposição "Bedrich Fritta: desenhos do gueto de Theresienstadt" (36 desenhos de grande formato, 25 esboços) dura até 25 de agosto.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade