Publicidade

Estado de Minas

Funcionário chinês amante de relógios de luxo é condenado por corrupção

Um funcionário do tribunal confirmou a confissão de Yang, o suspeito será condenado e terá de pagar multa de 50.000 yuanes (6.200 euros)


postado em 05/09/2013 10:26 / atualizado em 05/09/2013 10:48

(foto: Reuters)
(foto: Reuters)

Pequim - Um funcionário chinês chamado de "Irmão Relógio" por seu amor aos relógios de luxo foi condenado nesta quinta-feira (5/9) a 14 anos de prisão por corrupção, o que o levou a lamentar sua queda no "abismo da delinquência", informou o tribunal.

 

Leia mais notícias em Mundo

Os problemas começaram para Yang Dacai, ex-diretor do Escritório de Inspeção de Segurança da província de Shaanxi (norte), em agosto de 2012, quando foi fotografado com um grande sorriso no local de um acidente entre um ônibus e um caminhão-tanque que deixou 36 mortos em sua região.

Apesar de suas desculpas, se converteu em alvo dos internautas chineses, que reuniram e postaram na rede social Weibo (o twitter chinês) várias fotos que mostravam que Yang possui 11 relógios de marca avaliados em dezenas de milhares de euros.

"Trabalhei por várias décadas, antes de tomar finalmente o caminho da delinquência", disse ao tribunal de Xian, a capital provincial de Shaanxi, segundo a agência de notícias estatal Xinhua.

"É inútil se arrepender depois de cair no abismo da delinquência, mas quero confessar e lamentar sinceramente o crime que cometi e peço ao tribunal que me dê uma nova oportunidade na vida", acrescentou.

Um funcionário do tribunal, chamado de Xu, confirmou a confissão de Yang, sua condenação e a multa de 50.000 yuanes (6.200 euros). O tribunal ordenou confiscar os 250.000 (30.890 euros) yuanes que obteve em subornos e os mais de cinco milhões de yuanes (615.000 euros) cuja procedência não foi explicada", acrescentou a Xinhua.

O veredicto e a sentença foram divulgados após o julgamento de um dia realizado na semana passada, quando Yang não negou as acusações.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade