Publicidade

Estado de Minas

Europa lança campanha para romper o silêncio sobre 'feminicídio'

O crime afeta particularmente a América Latina. Na Guatemala, 658 foram assassinadas em 2012. Na Colômbia, em 2011, 52 mulheres por dia foram vítimas de violência sexual


postado em 16/10/2013 09:42

Bruxelas - Organizações europeias da sociedade civil apresentaram nesta quarta-feira (16/10) no Parlamento Europeu uma nova campanha para romper o silêncio que cerca, tanto na Europa quanto na América Latina, os casos de feminicídios e todo tipo de violência contra as mulheres. "No dia em que não ocorrerem estas denúncias teremos perdido, porque a realidade segue existindo e é insultante para o respeito da dignidade da mulher", declarou o eurodeputado espanhol Raúl Romeva, do grupo dos Verdes e membro da Comissão Parlamentar dos Direitos da Mulher, que participou no vídeo desta campanha "Visibilizando o Feminicídio na Europa e na América Latina".

"Para acabar com a impunidade é preciso acabar com o silêncio", disse Romeva, denunciando que no México "98% dos crimes contra as mulheres ficam sem solução, sem responsável, sem sentença, sem justiça" e são cometidos "no âmbito familiar ou do casal". O eurodeputado afirmou que é "frustrante que as mudanças estruturais sejam tão lentas", já que passam "pela mudança da mentalidade patriarcal que domina" as sociedades.

Leia mais notícias em Mundo

Opinião compartilhada pela eurodeputada Ska Keller, do grupo dos Verdes e membro da delegação parlamentar mista UE-México, ao explicar que, "apesar das reformas legislativas, não há progressos em sua aplicação". Keller denunciou que a "impunidade é um tema espalhado por todo o México" e classificou os crimes contra as mulheres de "homicídios invisíveis", já que não existem estatísticas que revelem sua extensão, tanto no México quanto na América Central.

Já o eurodeputado socialista Marc Tarabella lamentou que a Convenção de Istambul de maio de 2011 elaborada pelo Conselho da Europa - que conta com 47 países-membros - cujo objetivo é lutar e prevenir a violência doméstica, só tenha sido ratificada por cinco dos 27 países que a assinaram. Eles são Albânia, Itália, Montenegro, Portugal e Turquia.

O feminicídio afeta particularmente a América Latina. "Na Guatemala, 658 foram assassinadas em 2012. Na Colômbia, em 2011, 52 mulheres por dia foram vítimas de violência sexual (...) um crime em aumento e que permanece na impunidade", afirma a nota de imprensa do lançamento desta campanha, que também lembra que na Itália "em 2012, 137 mulheres foram assassinadas, mais da metade pelas mãos de seus parceiros".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade