Publicidade

Estado de Minas

Jovem peruano escapa de organização criminosa depois de 17 anos

O jovem foi resgatado por membros da inteligência militar no distrito de Kimbiri, próximo a Cuzco.


postado em 09/01/2014 14:00

Depois de 17 anos em cativeiro, um jovem escapou do acampamento onde estava em poder da organização criminosa peruana Sendero Luminoso. Roger Guevara Vargas foi levado até a organização por uma tia quando tinha 6 meses de idade.

De acordo com ele, a fuga ocorreu há algumas semanas, durante a troca de guarda no acampamento em que estava, no vale dos rios Apurímac, Ene e Mantaro, no Centro-Sul do país. Segundo informações da imprensa oficial do Peru, que citou fontes do Exército peruano, o jovem foi resgatado por membros da inteligência militar no distrito de Kimbiri, próximo a Cuzco.

Leia mais notícias em Mundo

Guevara Vargas, que disse estar cansado de suportar os abusos e as injustiças dos chefes do grupo armado, foi transportado por militares até Huancayo, também no Centro-Sul, onde encontrou sua mãe, María Vargas Figueroa, que tinha 15 anos quando o filho foi sequestrado.

"Durante todos esses anos, a camarada Vilma, esposa do camarada José e irmã da minha mãe, me socorreu e me deu assistência", informou o jovem. Roger Guevara Vargas foi levado à mãe pelo general do Exército Marino Ambia Vivanco, acompanhado por autoridades judiciais e pela polícia.

O Sendero Luminoso é uma organização de esquerda criada na década de 1960 por professores e universitários peruanos e é considerado um grupo terrorista por diversos países. A organização tem origem no Partido Comunista do Peru, do qual se dissociou. Os ideais do Sendero Luminoso são baseados no maoísmo, do chinês Mao Tsé Tung, de fundamento revolucionário, camponês e com técnicas de guerrilha. Estima-se que as atividades do grupo tenham deixado cerca de 31 mil pessoas mortas desde a sua criação.

Em agosto deste ano, as Forças Armadas do Peru mataram os dois principais líderes do Sendero Luminoso. O anúncio das mortes foi feito em cadeia nacional de televisão pelo presidente Ollanta Humala.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade