Publicidade

Estado de Minas

Declarações de Putin sobre Crimeia 'não enganam ninguém', diz Obama

Segundo o presidente dos Estados Unidos, a ingerência russa na Ucrânia contribuirá para o isolamento de Moscou


postado em 04/03/2014 14:26 / atualizado em 04/03/2014 15:15

Washington - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, declarou nesta terça-feira que as razões apresentadas por seu colega russo, Vladimir Putin, para justificar sua incursão militar na Crimeia não enganam ninguém e que a ingerência russa na Ucrânia contribuirá para o isolamento de Moscou.

No entanto, Obama também fez referência a informações de que Putin, que havia dado uma coletiva de imprensa pouco antes, fez uma pausa para refletir sobre as alternativas à crise ucraniana.

O presidente americano afirmou que a União Europeia e aliados como Canadá e Japão acreditam que a Rússia violou o direito internacional. "O presidente Putin parece ter outra equipe de advogados, talvez outro conjunto de interpretações. Mas eu não acredito que esteja enganando ninguém", declarou Obama em uma escola de Washington DC.

Leia mais notícias em Mundo

Acusado pela oposição republicana de não exercer uma liderança firme na crise, Obama contesta a ideia de que o envio por Putin de milhares de soldados russos à Crimeia, parte da Ucrânia, constitua um sinal de força de Moscou.

Afirmou, pelo contrário, que a iniciativa era um "reflexo de que os países vizinhos da Rússia têm grandes preocupações e suspeitas em relação a este tipo de ingerência". "Se eles conseguirão algo" com este tipo de iniciativa, será "isolar ainda mais a Rússia", completou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade