Publicidade

Estado de Minas

No dia que russos celebram vitória sobre Hitler, Putin visita a Crimeia

Nos discursos, ele exalta a "fidelidade" aos que "derrotaram o fascismo"


postado em 10/05/2014 08:00

Putin discursa em Sebastopol, na Crimeia, diante de emblema soviético que exalta a Grande Guerra Patriótica(foto: Yuri Kadobnov/AFP)
Putin discursa em Sebastopol, na Crimeia, diante de emblema soviético que exalta a Grande Guerra Patriótica (foto: Yuri Kadobnov/AFP)


O patriotismo russo e soviético foi o convidado de honra levado pelo presidente Vladimir Putin às celebrações do dia que lembra a vitória da União Soviética contra a Alemanha nazista, em 1945, data que lhe deu motivo para visitar pela primeira vez a península da Crimeia desde que ela se separou da Ucrânia e foi anexada à Federação Russa. Depois de participar do tradicional desfile militar na Praça Vermelha, em Moscou, Putin seguiu para Sebastopol, sede da frota russa do Mar Negro, onde assistiu ao sobrevoo de caças e discursou para militares e civis. O gesto acirrou as tensões entre o governo de Kiev e os separatistas pró-russos do leste e do sul ucraniano, e foi reprovado por líderes ocidentais .

Na concorrida parada no coração de Moscou, falando para veteranos da Grande Guerra Patritótica — nome pelo qual é chamada no país a Segunda Guerra Mundial —, o presidente exaltou a “vontade de ferro do povo soviético, seu destemor e vigor”, que “salvaram a Europa da escravidão”. Rodeado por reminiscências da extinta União Soviética, como as bandeiras vermelhas com a foice e o martelo que simbolizam o comunismo, Putin fez a ponte entre passado e presente, saudando “a força triunfal do patriotismo russo” para arrematar: “Aqueles que derrotaram o fascismo nunca devem ser traídos”.

Leia mais notícias em Mundo

Na Crimeia, o chefe de Estado inspecionou dezenas de navios na base de Sebastopol e exibiu o poder bélico russo, com uma apresentação aérea da qual participaram bombardeiros supersônicos Tupolev TU-22 e caças Sukhoi Su-27 e MiG-24. “O ano de 2014 vai entrar para a história como aquele em que as pessoas que vivem aqui (na Crimeia) decidiram firmemente estar com a Rússia, confirmando sua fidelidade à verdade histórica e à memória de nossos ancestrais”, declarou.

“Provocação”
O governo de Kiev, que não reconhece a anexação da península, denunciou a visita de Putin como uma “flagrante violação da soberania da Ucrânia” e uma prova de que o Kremlin “não quer buscar uma solução diplomática” para o impasse separatista. O argumento foi endossado pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos, que considerou que o gesto do líder russo “provocativo” e destinado apenas a “exacerbar as tensões”. “Não aceitamos a anexação ilegal da Crimeia pela Rússia”, reiterou Laura Lucas Magnuson, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade