Publicidade

Estado de Minas

Incêndio atinge igreja católica durante visita do papa a Jerusalém

O fogo, de origem criminosa, teria começado em um livro usado por peregrinos


postado em 26/05/2014 16:17 / atualizado em 26/05/2014 17:43

Jerusalém - Um incêndio de origem criminosa foi declarado em uma das principais igrejas católicas de Jerusalém, no Monte Sião, durante a visita do papa Francisco, declarou à AFP o porta-voz da Abadia da Dormição, frei Nikodemus Schnabel. "Alguém entrou na igreja, desceu à cripta, pegou um livro utilizado por peregrinos e o levou a uma pequena sala perto do órgão, onde incendiou o livro, queimando cruzes de madeira", disse o monge.

Cruzes de madeira foram queimadas pelo incêndio(foto: Thomas Coex/AFP)
Cruzes de madeira foram queimadas pelo incêndio (foto: Thomas Coex/AFP)

"A polícia está no local e nos disse que não é um acidente", informou o monge beneditino. Parte do mobiliário e cruzes de madeira foram queimados e os monges, que conseguiram controlar o fogo com extintores de incêndio, estavam cobertos de cinzas, constatou um jornalista da AFP no local. Pouco antes do incidente, o papa celebrou uma missa no edifício vizinho do Cenáculo, local sagrado para cristãos, judeus e muçulmanos que reflete as tensões na Cidade Santa.

Leia mais notícias em Mundo

De acordo com a tradição cristã, foi neste local, no Monte Sião, que ocorreu a Última Ceia, a última refeição de Jesus com seus apóstolos, em que se instituiu a Eucaristia. Hoje, os cristãos pedem autorização para fazer uso do lugar, onde têm acesso livre, mas só podem celebrar uma missa duas vezes por ano, na Quinta-Feira Santa e em Pentecostes.

A missa provocou a ira de extremistas judeus, que temem que a visita do papa ao Cenáculo faça parte das negociações entre Israel e a Santa Sé que poderia colocar um fim às restrições para as cerimônias cristãs no local. A polícia israelense deteve dezenas de extremistas judeus suspeitos de querer perturbar a visita do papa. O papa Francisco concluiu nesta segunda-feira à noite sua primeira visita à Terra Santa, em uma peregrinação de três dias com forte conotação religiosa, mas também políticas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade