Publicidade

Estado de Minas

Estados Unidos desejam que o Reino Unido seja 'forte, firme e unido'

Faltam apenas três dias para o referendo que decidirá sobre a independência ou não da Escócia


postado em 15/09/2014 14:14 / atualizado em 15/09/2014 17:24

Josh Earnest, o porta-voz da Casa Branca, informou que os EUA desejam que o Reino Unido seja um sócio forte(foto: Brendan Smialowski/AFP Photo)
Josh Earnest, o porta-voz da Casa Branca, informou que os EUA desejam que o Reino Unido seja um sócio forte (foto: Brendan Smialowski/AFP Photo)


Washington - A Casa Branca manifestou nesta segunda-feira seu desejo de ver os britânicos unidos, a três dias do referendo sobre a independência da Escócia.

"A decisão é dos escoceses", disse o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, perguntado sobre a posição americana a respeito da votação. "Nós respeitamos o direito dos escoceses de tomar uma decisão nesse sentido", afirmou. "Mas (...) nos interessa que a Grã-Bretanha continue sendo forte, firme, unida e uma sócia efetiva", afirmou Earnest, retomando as palavras do presidente Barack Obama ditas ao lado do primeiro-ministro David Cameron em junho em Bruselas.

A Escócia vai decidir na quinta-feira se opta pela independência e coloca um ponto final a 300 anos de união com ingleses, galeses e norte-irlandeses, em um referendo observado atentamente pelos movimentos nacionalistas europeus.

Earnest evitou falar das possíveis consequências de uma separação da Escócia para o Reino Unido no cenário internacional. "Estamos certos de que o povo da Escócia tomará uma decisão que considerar a melhor para os seus interesses", disse o porta-voz.

A Casa Branca não entrou em detalhes sobre como os interesses de Washington podem ser afetados com uma fragmentação britânica.

Leia mais notícias em Mundo

Mas o governo escocês já indicou que tomará medidas para negociar o desmantelamento da base de submarinos nucleares de Faslane.

Uma medida como essa deixaria o governo britânico diante da decisão de transferir o custoso programa de submarinos ou buscar ajuda direta dos Estados Unidos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade