Mundo

Câmara dos Estados Unidos vota contra medidas migratórias de Obama

A Casa controlada pela oposição republicana adotou, por 218 votos contra 197, uma proposta de dois artigos que proíbe o governo de 'impedir por decreto' a deportação de imigrantes ilegais

Agência France-Presse
postado em 04/12/2014 19:25
Washington- A Câmara de Representantes dos Estados Unidos aprovou nesta quinta-feira (4/12) um projeto para anular as medidas de regularização de imigrantes ilegais adotadas por decreto pelo presidente Barack Obama.

A Casa controlada pela oposição republicana adotou, por 218 votos contra 197, uma proposta de dois artigos que proíbe o governo de "impedir por decreto" a deportação de imigrantes ilegais, estabelecendo que qualquer medida do presidente neste sentido será "anulada".

A medida "anula a ordem executiva ilegal e inconstitucional do presidente", disse Bob Goodlatte, congressista republicano. Os republicanos visam diretamente os decretos anunciados pelo presidente Obama que permitirão a permanência no país de imigrantes ilegais trabalhando, pelo prazo de três anos.

A medida têm caráter simbólico, já que dificilmente passará pelo Senado, controlado pelos democratas até a legislatura de 2015. Obama também ameaçou vetar a eventual lei. Desde o anúncio dos decretos de Obama, em 20 de novembro, os republicanos denunciam um abuso de poder e acusam o presidente de agir ignorando o Legislativo.



Mas os democratas justificam os decretos diante da obstrução republicana contra qualquer reforma legislativa do sistema migratório, após o Senado aprovar um projeto em 2013. Para o congressista democrata Luis Gutiérrez, as medidas aprovadas pelos republicanos nesta quinta-feira são "pura fantasia".

"Não apenas é fantasia que o Congresso possa destinar dinheiro suficiente para deter e deportar 11 milhões de pessoas e suas famílias, mas também é fantasia que isto se converterá em lei". Um grupo de 17 Estados da federação americana, liderado pelo Texas, iniciou na quarta-feira processos contra Obama pelo conjunto das medidas migratórias.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação