Mundo

Casal de cristãos egípcios é morto na Líbia e filha do casal é sequestrada

Autoridades acreditam que ato teve motivações religiosas

Agência France-Presse
postado em 24/12/2014 07:45
Trípoli, Líbia - Homens armados assassinaram, na terça-feira (23/12), um casal de egípcios coptas e sequestraram uma de suas filhas, na cidade líbia de Sirte - informou uma autoridade local. Os assaltantes não identificados "mataram na terça-feira (23/12) o médico egípcio cristão Nagdi Sobhi Tufic e sua mulher, em sua residência do Centro de Saúde Jarf, em Sirte", cerca de 500 quilômetros ao leste de Trípoli, declarou o presidente do Conselho local, Yussef Tebeiqa.

[SAIBAMAIS]Depois do duplo homicídio, os assassinos sequestraram "sua filha de 18 anos e deixaram duas meninas na casa, onde aconteceu o crime", acrescentou. Segundo ele, não se trata de um crime por dinheiro, e sim um ato com motivações religiosas, já que os pertences das vítimas não foram levados. "O dinheiro (do médico) que estava em uma mesa muito perto do local do crime e as joias de sua mulher não foram tocados", relatou.



Não é a primeira vez que o leste da Líbia é palco de assassinatos de egípcios coptas, assim como de outros estrangeiros de confissão cristã. Em 24 de fevereiro, por exemplo, foram encontrados os corpos de sete cristãos do Egito mortos a tiros perto de Benghazi.

Milhares de egípcios trabalham na Líbia, sobretudo, nos setores da construção civil e do artesanato. Desde a queda do regime de Muammar Kadafi em 2011, a minoria cristã da Líbia expressa sua preocupação com o crescimento de um movimento islâmico extremista - em particular no leste - e com a multiplicação de ataques e de atos de intimidação contra os cristãos.

Em Benghazi, vários cristãos foram presos este ano, acusados de proselitismo. Cidade natal de Kadafi, Sirte está nas mãos de milícias islâmicas, com destaque para o grupo Ansar al-Sharia e para a coalizão de grupos armados Fajr Libya.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação