Publicidade

Estado de Minas

Benetton dará US$ 1,1 milhão para vítimas da tragédia em Bangladesh

Em 23 de abril de 2013, 1.138 pessoas morreram e mais de 2.000 ficaram feridas em Dacca, no desabamento do edifício Rana Plaza


postado em 17/04/2015 11:11

Roma, Itália - A companhia italiana Benetton anunciou nesta sexta-feira (17/4) que enviará 1,1 milhão de dólares ao fundo destinado a indenizar as vítimas do desabamento do edifício Rana Plaza em 2013, o pior acidente do setor têxtil em Bangladesh. Companhias como as espanholas Inditex e El Corte Inglés, a irlandesa Primark ou a britânica Bonmarché já haviam se comprometido a participar deste fundo.

Desabamento foi o pior acidente do setor têxtil em Bangladesh(foto: Munir uz Zaman/AFP - 25/4/2013)
Desabamento foi o pior acidente do setor têxtil em Bangladesh (foto: Munir uz Zaman/AFP - 25/4/2013)


A Benetton decidiu duplicar a compensação que havia sido aconselhada por um gabinete de especialistas para o Rana Plaza Trust Fund, o fundo de indenização das vítimas da catástrofe, segundo um comunicado. Em 23 de abril de 2013, 1.138 pessoas morreram e mais de 2.000 ficaram feridas em Dacca, no desabamento do edifício Rana Plaza, que abrigava ateliês de confecção que trabalhavam para diversas companhias estrangeiras, incluindo a Benetton.

Leia mais notícias em Mundo

O gabinete de especialistas PricewaterhouseCoopers (PwC) realizou um estudo para a Benetton, baseando-se em um documento da Organização Internacional do Trabalho (OIT) que estimava em 30 milhões de dólares a quantia necessária para o fundo de indenização. "A PwC calculou que, levando-se em conta a relação comercial com o Rana Plaza, a contribuição da Benetton deve ser 550 mil dólares", segundo o comunicado.

A companhia também declarou que já havia dado 500 mil dólares através da ONG Brac de Bangladesh para apoiar cerca de 300 vítimas e seus familiares, antes inclusive da criação do fundo de indenização, oito meses depois da catástrofe.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade