Publicidade

Estado de Minas

Busca por homicidas fugitivos fecha rodovias e escolas em Nova York

Depois de perfurar as paredes de suas celas, os réus passaram por uma passarela atrás dos muros, da altura de um sexto andar, de onde desceram até o porão da construção


postado em 11/06/2015 13:28 / atualizado em 11/06/2015 13:32

Nova York - Uma rodovia e várias escolas foram fechadas nesta quinta-feira ao norte do estado de Nova York para que a polícia tente localizar os dois homicidas que fugiram no sábado passado de uma prisão de segurança máxima local.

Segundo a polícia do estado de Nova York, uma parte da rodovia 374, a leste de Dannemora, onde se encontra a o presídio, foi fechada na manhã desta quinta.

Também foram fechadas todas as escolas do distrito de Saranac para permitir as buscas.Na véspera, a polícia revistou as casas situadas nas proximidades da prisão, localizada em uma zona rural.

A fuga foi espetacular: depois de perfurar as paredes de suas celas, os réus passaram por uma passarela atrás dos muros, da altura de um sexto andar, de onde desceram até o porão da construção.

Leia mais notícias em Mundo

Uma vez no chão, conseguiram perfurar grandes tubulações e abrir caminho até um labirinto de túneis, para finalmente sair por um bueiro de uma rua próxima, informou o jornal The New York Post.

Esta foi a primeira fuga do setor de segurança máxima da penitenciária de Dannemora, isolada por muros de 10 metros de altura.As circunstâncias e as ferramentas utilizadas na fuga sugerem que houve cumplicidade de funcionários da prisão.

Richard Matt, 48 anos, 1,80 metro de altura e com muitas tatuagens - incluindo um símbolo da Marinha em seu ombro direito e as palavras "Mexico forever" ("México para sempre") nas costas - cumpria uma sentença de 25 anos de prisão perpétua por sequestrar um homem e espancá-lo até a morte.

O outro fugitivo, David, Sweat, 35, com tatuagens no braço esquerdo e em seus dedos direitos, cumpria prisão perpétua sem liberdade condicional por assassinar um xerife, contra o qual disparou 22 vezes, segundo informações do The New York Post.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade