Publicidade

Correio Braziliense

Partido de esquerda quer retirar estátua de Colombo de Barcelona

A estátua de 60 metros de altura, localizada junto ao mar Mediterrâneo, ao fim do passeio da Rambla, foi inaugurada em 1889 para lembrar a chegada de Colombo a Barcelona em 1493


postado em 27/09/2016 09:17

Barcelona, Espanha - Um pequeno partido de esquerda radical proporá nesta terça-feira (27/9) a retirada da estátua de Cristóvão Colombo de Barcelona (Espanha), um dos monumentos mais representativos da cidade, porque segundo ele enaltece a escravidão e o imperialismo.

A estátua de 60 metros de altura, localizada junto ao mar Mediterrâneo, ao fim do passeio da Rambla, foi inaugurada em 1889 para lembrar a chegada de Colombo a Barcelona em 1493 para explicar sua descoberta aos Reis Católicos da Espanha.

"Apenas nos ensinaram o rosto amável desta pessoa, mas, por exemplo, nos diários de Colombo ele diz que com 50 homens podia subjugar todos (os indígenas) e torná-los criados muito bons", explicou Josep

Garganté, do partido independentista de esquerda CUP. "Há certas figuras que deveríamos parar de olhar com olhos de colonizadores e observar com olhos de oprimidos (...) Colombo era um escravista", acrescentou Garganté em uma entrevista a uma rede de televisão local.

A figura do navegante genovês é controversa. É elogiado por alguns como descobridor da América, enquanto outros lembram que sua chegada representou o início da colonização espanhola, da submissão e do massacre das populações indígenas. Durante os governos do falecido Hugo Chávez e de Cristina Kircher, Venezuela e Argentina retiraram monumentos dedicados a Colombo e os substituíram por outros homenageando a resistência indígena.

Leia mais notícias em Mundo

Em sua proposta, que apresentará nesta terça-feira para que seja debatida na sexta, a CUP também quer substituir a simbólica estátua por uma imagem que represente a resistência indígena. Além disso, quer declarar dia útil o 12 de outubro, a festa nacional espanhola que lembra a chegada de Colombo à América, em 1492.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade