Publicidade

Correio Braziliense

Premiê grego acredita em um 'avanço sem chantagens' sobre dívida

A Eurozona suspendeu as ações adotadas na semana passada para aliviar ligeiramente a dívida da Grécia depois que o primeiro-ministro grego anunciou novas medidas sociais


postado em 15/12/2016 13:03 / atualizado em 15/12/2016 13:17

O anúncio dessas medidas sociais na Grécia desagradou alguns credores de Atenas na Zona do Euro, que anunciaram na quarta-feira a suspensão do alívio da dívida acertada com os gregos(foto: Karim Sahib/AFP - 3/12/16)
O anúncio dessas medidas sociais na Grécia desagradou alguns credores de Atenas na Zona do Euro, que anunciaram na quarta-feira a suspensão do alívio da dívida acertada com os gregos (foto: Karim Sahib/AFP - 3/12/16)
 Bruxelas, Bélgica - O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, afirmou nesta quinta-feira (15/12) que é possível conseguir um avanço sem chantagens com seus credores sobre a elevada dívida grega, um dia após a Eurozona anunciar a suspensão das medidas de alívio por causa dos anúncios sociais de Atenas.

"Creio que podemos conseguir um avanço sem chantagens e respeitando a soberania de cada país", declarou Tsipras ao chegar para a cúpula de Bruxelas.

A França também se opôs nesta quinta à decisão do Eurogrupo de suspender as medidas de alívio à dívida grega, e disse que essas medidas foram adotadas sem qualquer tipo de condição.

"As expressões individuais não são expressões coletivas do Eurogrupo", afirmou o ministro francês da Economia e Finanças, Michel Sapin, em coletiva de imprensa, em alusão implícita à Alemanha, país que pediu a suspensão dessas medidas.

"Nenhum governo respeitou tanto seus compromissos como o executivo grego de Alexis Tsipras", garantiu.

A Eurozona suspendeu as ações adotadas na semana passada para aliviar ligeiramente a dívida da Grécia depois que o primeiro-ministro grego anunciou novas medidas sociais.

O anúncio dessas medidas sociais na Grécia desagradou alguns credores de Atenas na Zona do Euro, que anunciaram na quarta-feira a suspensão do alívio da dívida acertada com os gregos. 

Os ministros da zona do euro haviam decidido no dia 5 de dezembro medidas de impacto limitado para aliviar a elevada dívida da Grécia, situada em torno de 180% do PIB.
 
Por France Presse 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade