Publicidade

Correio Braziliense

Em Pearl Harbor, premiê do Japão apresenta "sinceras e eternas condolências

Esta, que foi a primeira visita de um chefe do governo de Tóquio ao USS Arizona Memorial, Abe e Obama colocaram primeiro duas coroas de flores junto da parede onde estão gravados os nomes dos 1177 tripulantes, num total de 1.512 pessoas que perderam a vida


postado em 28/12/2016 07:42

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, apresentou na terça-feira "sinceras e eternas condolências" pelos militares americanos mortos no ataque de 7 de dezembro de 1941 num dos momentos mais importantes da histórica visita de ontem realizada a Pearl Harbor ao lado do presidente dos EUA, Barack Obama.

Esta, que foi a primeira visita de um chefe do governo de Tóquio ao USS Arizona Memorial, Abe e Obama colocaram primeiro duas coroas de flores junto da parede onde estão gravados os nomes dos 1177 tripulantes, num total de 1.512 pessoas que perderam a vida quando a base naval norte-americana de Pearl Harbor foi atingida por caças-bombardeiros japoneses, acabando por se incendiar e afundar em seguida.

Abe, no entanto, não se desculpou, mas admitiu que o Japão "nunca mais deve repetir os horrores de uma guerra novamente".

"Como primeiro-ministro do Japão, ofereço o minha sincera e eterna condolências às almas daqueles que perderam suas vidas aqui, bem como aos espíritos de todos os homens e mulheres corajosos cujas vidas foram tomadas por um começo neste lugar ", disse Abe.

Porto-Hickam.

Isso foi o mais próximo que Abe chegou a um pedido de desculpas pelo ataque. E foi o suficiente para Obama, que também se recusou a pedir desculpas sete meses atrás, quando ele se tornou o primeiro presidente em exercício dos EUA a visitar Hiroshima, onde os EUA lançaram uma bomba atômica em uma tentativa de acabar com a guerra.

Autoridades japonesas disseram que em suas conversas, Abe e Obama concordaram em acompanhar de perto os movimentos do primeiro e único porta-aviões da China, que navegou para o Pacífico ocidental pela primeira vez. O Ministério de Defesa de Taiwan informou segunda-feira que o porta-aviões e cinco navios de guerra navegaram 144 quilômetros ao sul de Taiwan, uma ilha autônoma reivindicada pela China. Pequim chamou de um exercício de treinamento de rotina. Fonte: Associated Press

Por Agência Estado

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade