Publicidade

Correio Braziliense

Ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner conquista vaga no Senado

Kirchner, de 64 anos, recebe desta forma imunidade parlamentar, no momento em que é acusada por suposta corrupção


postado em 23/10/2017 08:18

(foto: JOHN THYS/ AFP )
(foto: JOHN THYS/ AFP )


Buenos Aires, Argentina -
A ex-presidente argentina Cristina Kirchner (2007-2015) conquistou no domingo uma cadeira no Senado, onde tentará liderar a oposição ao presidente Mauricio Macri, que viu sua coalizão vencer na maioria das províncias nas eleições legislativas de meio de mandato.

Kirchner, de 64 anos, recebe desta forma imunidade parlamentar, no momento em que é acusada por suposta corrupção. "É necessário colocar um freio em Macri", disse durante a campanha. Macri pediu votos para o candidato a senador Esteban Bullrich para evitar a "volta do populismo", palavra que utiliza para definir os 12 anos de governo do kirchnerismo.

Com 98% das urnas apuradas, Bullrich tem 41,35% dos votos e Kirchner 31,26%. Três vagas estavam em disputa ao Senado pela província de Buenos Aires. Outro ex-presidente peronista, mas identificado com a direita do partido, Carlos Menem (1989-99), de 87 anos, conseguiu a reeleição como senador pela pequena província de La Rioja (noroeste). 

Menem recebeu 44,1% dos votos, sendo superado pelo candidato macrista Julio Martínez, que registrou 44,7% dos votos. Ambos garantiram suas cadeiras no Senado. Com a reeleição, o ex-presidente mantém a imunidade parlamentar e o foro privilegiado, o que evita seu envio para a prisão.

Menem foi condenado a sete anos de prisão pela venda de armas e munições a Croácia e Equador, apesar da adesão da Argentina a um embargo internacional porque estes países estavam em guerra contra a Sérvia e o Peru, respectivamente. Também foi condenado a 14 anos de perda dos direitos políticos. Menem apelou contra sua inabilitação para exercer cargos públicos e foi autorizado a voltar a disputar eleições. 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade